Em consenso com prefeito, Eduardo Siqueira paga placa para manter marco da Praça da Árvore

579

Maria José Cotrim

O deputado estadual e ex-prefeito de Palmas, Eduardo Siqueira Campos, em consenso com o prefeito Carlos Amastha mandou fazer uma placa com o texto original para preservar a história da Praça da Árvore, que ficará agora dentro do Parque dos Povos Indígenas, inaugurado hoje pela atual gestão municipal.

IMG-20170809-WA0019

O parlamentar explicou á Gazeta como resolveu fazer a placa. “Mantive diálogo com o prefeito e ele informou que a placa foi retirada por vandalismo ( por não conservação nas gestões anteriores), ele reconhece o local como marco histórico, aliás é o marco zero, onde foi definida a primeira reunião,o próprio texto da placa diz isso, ele perguntou se eu tinha o inteiro teor e eu disse que “não só tenho, como já mandei fazer prefeito igual ela estava, a original”, contou.

Eduardo diz reconhecer a importância das novas obras. “A placa nova do que ele está fazendo, do parque dos Povos indígenas, maravilhoso, muito bem, parabéns, sou amplamente favorável a tudo de bom que se faça. O logradouro público municipal assim como o aeroporto é federal, a Praça dos Girassóis é estadual, é mesmo dele a responsabilidade e a implantação. Se esteve abandonada foi por conta de gestores  anteriores da prefeitura”, disse.

EduardoSiqueira620x300

Ele citou algumas reformas as quais ele aprovou como do Ginásio Ayrton Sena e outros. “Aplaudirei todas as reformas que deixei e outros deixaram, lutarei sempre para que as placas sejam o marco referencial de história, arquei com o custo da construção da nova placa, ela estará pronta por volta das 15:15 e a solenidade só é as 19 horas”, disse.

O parlamentar frisou a importância do contexto histórico. “Se cair no concurso da Polícia militar: em que lugar o ex-governador Siqueira Campos se reuniu  para fazer a primeira reunião onde decidiu a capital será aqui de acordo como que está na placa as pessoas vão procurar no livro e não será em outro lugar com nenhum outro nome”, exemplificou.

Ele defende o reconhecimento do marco. “O marco está lá, tem que estar lá porque não se muda o nome do Monte Pascoal, não se muda o nome de Cabrália, não se muda  o nome das caravanas que trouxeram Pedro Álvares Cabral, são coisas que são da história”, disse.

O deputado elogiou a postura do prefeito ao levar o assunto a ele. “Preservando o passado, avançando para o futuro e parabenizando todo e qualquer avanço que o município tiver”, disse.

Sua opinião é muito importante: