Eleição polêmica no Sisepe: Ana Cibele acusa gasto de R$ 26 mil com carro forte; Cleiton se manifesta

1
369
(Montagem/Gazeta do Cerrado)

Em material da chapa 3 “Renova Sisepe” divulgado na imprensa, as eleições para a escolha da nova diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (Sisepe) terão gastos de cerca de R$ 26,5 mil com carros-fortes especializados em transporte de dinheiro, mesários indicados pelo atual presidente da entidade e apuração dos votos no interior apenas no dia seguinte. As regras do pleito que acontece no próximo sábado, dia 17, constam no Regimento Interno do Processo Eleitoral (Ripe) publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) de 23 de janeiro deste ano. O documento é assinado pelo presidente da comissão, Márcio Ferreira Lins, e pelos membros Osvaldo Soares Neto e Pedro Alberto Lopes Ribeiro.

Segundo a assessoria, a contratação de carros-fortes, pagos com o dinheiro do servidor do Estado, constam no inciso 3º do artigo 16º do Ripe. A gestão atual do Sisepe não informa os valores. Orçamento semelhante feito com uma empresa especializada aponta que as despesas desse tipo custariam mais de R$ 20 mil. O transporte será feito das diretorias do sindicato localizadas em Araguaína, Porto Nacional, Gurupi e Taguatinga direto para a sede do Sisepe em Palmas.

De acordo com o Ripe somente as urnas de Palmas terão apuração imediata, ou seja, logo após o encerramento da votação, previsto para às 17 horas. Já as urnas do interior serão lacradas e trazidas a Palmas para serem apuradas no domingo, 18, a partir das 9 horas, na sede do Sisepe.

Eles alegam que, além deste gasto, o Sisepe, com dinheiro pago mensalmente pelos servidores, também vai custear despesas de servidores que terão de viajar para votar: estão inclusos ressarcimento de gastos com combustível e alimentação.

Redução de custos

A Chapa 3, visando reduzir custos e garantir a lisura do processo, junto ao departamento jurídico protocolou nesta segunda-feira, dia 12, ofício pedindo à comissão eleitoral que a apuração das urnas no interior sejam feitas logo após a votação. “Já que teremos fiscais de todas as chapas em todas as sessões eleitorais, por que não fazer essa apuração imediatamente no local da votação?”, questionou o advogado Allander Quintino Moreschi.

Segundo ele, além do resultado mais ágil da eleição, a apuração feita no local traria redução de custos do processo eleitoral. “Estamos falando de despesas pagas com dinheiro que sai do bolso do servidor público do Tocantins. Estamos em plena era da tecnologia e um simples boletim das urnas do interior podem ser gerados em segundos para a sede do Sisepe, em Palmas. É o servidor quem vai custear essas despesas”, disse.

Para a candidata à presidência do Sisepe pela chapa 3 “Renova Sisepe”, a servidora Ana Cibele Chaves. “Apuração das urnas nos próprios locais de votação, além de diminuir custos, garantiria a lisura da eleição”, afirmou. “O dinheiro do servidor, que é descontado de seu contra-cheque para manter o Sisepe com as portas abertas, deve ser utilizado em benefício do servidor. Não é para pagar carro-forte. Isso é absurdo!”, complementou.

Eleições

A votação será das 9 às 17 horas do dia 17 de março, na sede do sindicato em e nas sedes das Diretorias de Assuntos Regionais de Araguaína, Porto Nacional, Gurupi e Taguatinga. De acordo com o material, a Chapa 3 é a única de oposição na atual disputa. O atual gestor Cleiton Pinheiro está no cargo há 12 anos, disputa a reeleição pela terceira vez. E o titular da Chapa 2, Marcos Roberto Santos já foi vice de Cleiton na gestão anterior.

Cleiton rebate

A Gazeta do Cerrado entrou em contato com o presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro, que rebateu as acusações. Ele afirma que o transporte das urnas do interior do Estado para Palmas consta no estatuto do sindicato. “Isso é histórico no sindicato. A comissão eleitoral só existe em Palmas. Ela (Cibele) questiona a legalidade”, diz.

Sobre o transporte de servidores para votar, Pinheiro diz que isso é questão de facilitar a votação. “Isso é um diferencial para o servidor que irá votar. Queremos que ele venha independente em quem ele irá votar. Se um servidor de Lizarda quiser vir votar, ele vem. E ainda terá almoço e se quiser se hospedar, também terá esse privilégio”, explica.

Em relação a afirmação de que a chapa 03 é a única de oposição na atual disputa, Cleiton diz que Cibele e Marcos são diretores da Associação Estadual dos Servidores do Quadro Geral. “Essa associação não tem prestação de contas, não tem transparência. Ela prega uma coisa e faz outra”, pontua o candidato e reeleição.

1 comentário

Sua opinião é muito importante: