Polêmica em Dianópolis: Seduc nega fechamento de escola mas fará mudanças em 2019

1
177
Colégio passará por mudanças em 2019 - Divulgação

Rogério Tortola – Gazeta do Cerrado

Nas redes sociais têm circulado comentários e especulações sobre o fechamento da Escola Batista B. H. Foreman, em Dianópolis. Uma unidade com mais de 50 anos de existência, gerida pela Igreja Batista e tem convênio com estado.

A escola atende hoje alunos dos anos iniciais, anos finais e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Ao Estado cabe garantir a oferta de vagas para os anos finais e do EJA. Já os municípios têm obrigação de oferecer vagas para educação infantil e anos iniciais.

Diante disso a Secretária de Educação, Juventude e Esporte (SEDUC), informou que a unidade não fechará, mas passará por mudanças em 2019.

Por meio de nota a secretaria disse que a prefeitura de Dianópolis tem interesse em fechar convênio com unidade para ofertar vagas de educação infantil e ampliar a oferta dos anos inicias, com isso os estudantes dos anos finais e do EJA serão remanejados para outras escolas.

Segundo a SEDUC os alunos da Educação para Jovens e Adultos (EJA), do turno noturno, terão suas vagas garantidas no Colégio Abílio Wolney e os alunos dos anos finais, no Colégio João de Abreu.

A preocupação de quem trabalha na escola hoje é se os empregos dos professores serão garantidos com a mudança.

Confira nota na íntegra.

NOTA SEDUC

A Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) informa que não procede a especulação de que a Escola Batista B. H. Foreman, em Dianópolis, será fechada. A Unidade de Ensino, porém, passará por mudanças para o ano letivo de 2019, considerando que trata-se de uma escola gerida pela Igreja Batista conveniada com a rede estadual, e que atende, atualmente, tanto a alunos dos anos iniciais quanto a estudantes dos anos finais.

Um diálogo foi aberto com a prefeitura municipal, que tem interesse em firmar convênio com a instituição gestora da escola, de modo a atender aos estudantes da educação infantil e anos iniciais. Diante disso, os alunos da Educação para Jovens e Adultos (EJA), do turno noturno, terão suas vagas garantidas no Colégio Abílio Wolney e os alunos dos anos finais, no Colégio João de Abreu.

Por sua vez, a Escola Batista B. H. Foreman manterá suas atividades normalmente na oferta dos anos iniciais, ampliando para a educação infantil; e a rede estadual cumprirá seu papel na oferta dos anos finais, o que refletirá positivamente na qualidade do ensino/aprendizagem para todas as modalidades e fortalecerá o regime de cooperação entre Estado e município.

1 comentário

  1. Nós servidores da Escola Batista B. H. Foreman, não acreditamos que essa ideia tenha saído do Gabinete da nossa Secretária e tão pouco do nosso governador, pois em pouco tempo já demonstraram que são pessoas visionárias.
    A relação dessa Unidade Escolar com Dianópolis trata-se de uma história de amor e entrega, pois segundo os registros que constam nos anais, do ano de 1942, um pequeno avião pousou pela primeira vez na pequena e inóspita cidade das Dianas, pilotado pelo então Missionário Norte Americano Dr Foreman, como assim era conhecido. O mesmo deixou seu torrão natal imbuído do grande sonho de alfabetizar e evangelizar o povo brasileiro e assim nasceu a Escola Popular Batista, a pioneira na cidade, hoje Escola Batista B. H. Foreman, que tanto contribuiu e contribui com a cidade. Mas Dianópolis sabe quem está por traz dessa tal MUNICIPALIZAÇÃO e quais interesses pessoais estão sendo acalentados.
    Vale ressaltar que, quando se fala em fechar refere-se às turmas do 6º ao 9º Anos e EJA, pois, se caso ocorra a Municipalização ofertar-se-á somente de 1º ao 5º Ano. Quando se pergunta por qual motivo: a resposta que se tem é que vem do governador, mas ninguém acredita nessa lógica, pois o nosso representante maior, jamais irá contra a história de uma cidade, afinal, história é vida e vida são pessoas. Sem contar que nós, enquanto servidores abraçamos a campanha do mesmo, fizemos a nosso dever de casa, pois acreditávamos e continuamos na expectativa de que o atual governador do Tocantins ao escrever um novo capítulo para o Estado, incluirá a nossa causa. Assim, esperamos que o mesmo tome conhecimento do que está ocorrendo e olhe para a vida dos trinta e oito contratados e doze efetivos que estão apreensivos e psicologicamente abalados, assim como os alunos e seus pais que amam tanto a Escola Batista, por isso a respeitam e a tem como referência dento da comunidade dianopolina.

Sua opinião é muito importante: