Babaçulândia, Cristalândia e Pium comemoram 66 anos neste domingo

(Divulgação)

Brener Nunes

Os municípios de Babaçulândia, Cristalândia e Pium completam exatamente 66 anos neste domingo, 23. Às três cidades foram fundadas nesta mesma data no ano de 1953.

Apesar de serem “trigêmeos”, cada município tem suas particularidades e histórias distintas. A Gazeta irá mostrar um pouco de cada uma.

Babaçulândia

De acordo com a Prefeitura de Babaçulândia, a população da cidade surgiu em 1926, quando Henrique Figueiredo de Brito se instalou na margem esquerda do Rio Tocantins. O primeiro nome do povoado foi Nova Aurora do Coco, devido a quantidade de coco babaçu que havia na região, sendo a seguir chamada simplesmente de Coco.

O município fica cerca de 130 quilômetros de Palmas.

A primeira atividade econômica na região foi a extrativista, com a extração do coco babaçu e, em seguida, a agropecuária. Com a abertura da Rodovia Belém- Brasília, a cidade sofreu uma estagnação, pois o comércio voltou-se para a rodovia, e o impulso econômico e urbanístico voltou-se para os povoados que surgiam a beira da estrada, ficando as cidades ribeirinhas do Araguaia e Tocantins entregues ao esquecimento econômico.

As praias do Tocantins eram fonte de renda da população ribeirinha, até a construção da barragem de Estreito-MA. Há outras atrações turísticas na cidade, como a Cachoeira do Jenipapo, a Serra da Matança onde se encontra um abrigo sobre rocha utilizado pelos índios Krahô como refúgio no século XIX, entre outros pontos turísticos que são pouco frequentados.

(Divulgação)

Cristalândia

Também conhecida como a cidade dos cristais, Cristalândia tem seus registros de moradores em 1939, com a descoberta de jazidas de cristal de rocha.

Segundo a Prefeitura, após iradas descobertas, iniciaram as entradas rumo ao sul, a procura de novas jazidas, o que levou ao surgimento do povoado de Itaporé, às margens do ribeirão do mesmo nome. Itaporé (do tupi: ita=pedra; poré=branca). Na época o mundo vivia sob impacto da Segunda Guerra Mundial e o cristal de rocha era um minério estratégico para a indústria bélica, o que contribuiu significativamente para a economia da região.

Em 1943, pouco acima de Itaporé, formou-se um povoado denominado Chapada, que se desenvolveu rapidamente e em 1948 foi elevado à categoria de vila. Em 1953, Chapada passou à condição de município com a denominação de Cristalândia.

Reprodução Google Imagens

Pium

A 124 quilômetros da Capital, Pium situa-se na região centro-oeste do Tocantins. A palavra que da o nome ao município deriva-se do tupi antigo pi’um, que significa “borrachudo”.

Conforme o governo do Tocantins, Pium foi importante centro de garimpo de cristal de rocha e teve momentos importantes na história da emancipação do Estado. Depois de abrigar um dos maiores garimpos de cristal de rocha, na década de 1940, a cidade de Pium se abre para ser a nova fronteira do turismo ecológico tocantinense.

O município também é considerado o portal de entrada para dois importantes santuários ecológicos do Estado: a Ilha do Bananal e o Cantão.

Pium está localizado no vale fértil do Araguaia, região centro-oeste do Tocantins, e é um dos maiores municípios em extensão do Estado.

Na vertente histórica e cultural, a cidade foi palco de movimentos políticos e sagas, como a luta pela emancipação do Estado do Tocantins.

Sua opinião é muito importante: