Conheça os encantos da Iha do Bananal: Etnoturismo, pesca esportiva e praias se destacam na região

Vista aérea do arquipélago do Tropeço, em Peixe Foto - Jackson Reis /Arquivo/ Governo do Tocantins

Para quem busca exotismo e exuberância, a Ilha do Bananal não pode deixar de entrar no roteiro de viagem. Com área de cerca de 25 mil km², é considerada a maior ilha fluvial do mundo, localizada no Tocantins entre dois grandes rios, o Javaés e o Araguaia, nas divisas com os estados de Goiás e Mato Grosso, na planície do Cantão. Lagos, praias, pesca esportiva, etnoturismo convergem neste ecossistema único.

Conforme a recente atualização do Mapa do Turismo Brasil, coordenada pela Superintendência de Turismo da Adetuc, a Região Turística Ilha do Bananal hoje inclui cinco municípios: Gurupi, Lagoa da Confusão, Peixe, Sandolândia e São Salvador.

Um dos destinos mais procurados é Lagoa da Confusão, considerada porta de entrada para a Ilha e o Parque Nacional do Araguaia, primeiro parque ambiental criado no Brasil. Distante cerca de 205 km de Palmas, com acesso pela TO-255, que faz ligação com Cristalândia, ou a TO-164 que liga a região à TO-354, passando por Pium, o município possui belezas e ecossistemas incomparáveis envolvendo cerrado, mata e pantanal. Na cidade, o destaque fica para a pedra calcária que dá impressão de movimentar-se pela lagoa, sendo esta a origem do nome do muncípio.

Pedra calcária que parece se movimentar deu origem ao nome de Lagoa da Confusão – Foto – Emerson Silva/ Governo do Tocantins

Os veranistas podem fazer passeios de barco, fazer safári fotográfico na Lagoa dos Pássaros, que abriga centenas de espécies, e ainda visitar a Ilha, onde o destaque é a pesca esportiva, sendo que das mais de 300 espécies existentes na região, 50 são consideradas esportivas.

A presença de acampamentos que recebem pescadores de várias regiões do país é autorizada pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), que mantém um escritório em Pium, ou a Fundação Nacional do Índio (Funai), em Palmas ou em São Félix do Araguaia (MT).

Indígenas da etnia Karajá, habitantes da Ilha do Bananal – Foto – Emerson Silva/ Governo do Tocantins

A Funai administra o Parque Indígena do Araguaia, onde habitam indígenas das etnias Karajá e Javaé, conhecidos pelo rico artesanato e festas tradicionais de grande beleza. Mas para entrar nas aldeias é necessária também autorização dos caciques.

Neste período do ano, em que parte da Ilha ainda está alagada, o acesso ao lado Karajá é feito pelo Mato Grosso, de onde se tem acesso por voadeiras a partir de São Félix ou Luciara. Já as aldeias do povo Javaé são acessíveis por Lagoa da Confusão e Formoso do Araguaia.

Praias

Localizado a 250 km de Palmas, na região Sul do Estado, Gurupi é a principal ligação com Peixe, munícipio conhecido pela qualidade da praia da Tartaruga e pela beleza do arquipélago do Tropeço.

São Salvador fica a 250 km de Gurupi e 412 km de Palmas. Os destaques da região são a praia do Retiro e a Gruta Furna da Onça

Já Sandolândia fica a 416 km da Capital, passando por Formoso. Na temporada, a atração é a praia Barra do Rio, banhada pelo rio Javaé.

Projeto Travessia

O movimento Pedais e Trilhas do Tocantins realiza entre os dias 19 a 22 julho, na Ilha do Bananal, a 10ª edição do projeto Travessia – Vivências e Experiências, reunindo cerca de 60 atletas que percorrerão 100 km de bicicleta dentro da Ilha. Durante a aventura, os atletas realizam ações sociais e práticas de responsabilidade social e intercâmbio cultural, junto as comunidades indígenas Javaés e Karajá, incluindo palestras sobre doenças transmissíveis, distribuição de roupas, cestas básicas e brinquedos.

Fonte: Ascom Adetuc – TO

________________________________________________________________________

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado24 horas por dia:
Twitter - Gazeta do CerradoTwitter: (@Gazetadocerrado): https://twitter.com/Gazetadocerrado?s=09
YouTube - Gazeta do CerradoYouTube vídeo reportagens e transmissões 🔴 AO VIVO🔴: https://www.youtube.com/c/GazetadoCerrado-TVG
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais (63) 981-159-796

Sua opinião é muito importante: