A crise das UTIs: Deputada compara Palmas com Araguaína e diz que capital não deu “sua contrapartida para pandemia”

Por Maju Cotrim | 23/02/2021

Última atualização em 23/02/2021 13:36

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Preocupada com a saúde pública do Tocantins, em especial de Palmas, que está com alta na internação por covid-19,  a deputada estadual Luana Ribeiro cobrou durante sessão legislativa desta terça-feira, 23, posicionamento da gestão do município em relação à falta de um hospital municipal para atender à população da capital.

 

Para Luana Ribeiro, a superlotação dos hospitais é resultado  da falta de disponibilização de leitos para tratamento da Covid-19 e da carência de um hospital municipal. ”Nós temos que ter responsabilidade em relação a pandemia e um dos motivos que está arrebentando a saúde do nosso estado é que a capital não colocou leitos o suficiente, não deu sua contrapartida para pandemia. Palmas é uma capital que não tem um hospital municipal”, ressaltou a parlamentar. 

Durante sua fala, a deputada citou o exemplo do município de Araguaína, ao norte do estado, que já possui um hospital para atender as demandas relacionadas à covid-19. “O que eu não compreendo é que a cidade de Araguaína, que é uma cidade que tem uma receita menor que a da nossa capital, tenha um hospital municipal para tratar à Covid e Palmas não tenha. E não se trata de um hospital de campanha, após passar a pandemia, esse será um hospital permanente”, disse. 

Luana questionou a falta do hospital municipal e a eficácia do decreto municipal que limita o funcionamento do comércio. “Aonde está o hospital municipal da nossa capital? Também quero compreender se o vírus tem hora para circular, quero compreender o porquê do decreto até as 20h da noite. Ficam os questionamentos ao município de Palmas e a gestora da capital”. 

Durante sua fala, a deputada citou o exemplo do município de Araguaína, ao norte do estado, que já possui um hospital para atender as demandas relacionadas à covid-19. “O que eu não compreendo é que a cidade de Araguaína, que é uma cidade que tem uma receita menor que a da nossa capital, tenha um hospital municipal para tratar à Covid e Palmas não tenha. E não se trata de um hospital de campanha, após passar a pandemia, esse será um hospital permanente”, disse. 

Luana questionou a falta do hospital municipal e a eficácia do decreto municipal que limita o funcionamento do comércio. “Aonde está o hospital municipal da nossa capital? Também quero compreender se o vírus tem hora para circular, quero compreender o porquê do decreto até as 20h da noite. Ficam os questionamentos ao município de Palmas e a gestora da capital”.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]