No Banner to display

“Agir como se estivéssemos em guerra política não vai trazer a cura dessa pandemia”, reage Cinthia após dia de artilharia

Por Maju Cotrim | 23/02/2021

Última atualização em 23/02/2021 18:28

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

 

Maju Cotrim

Após uma manhã de críticas e cobranças na Câmara de Palmas e na Assembleia Legislativa do Tocantins sobre a gestão da pandemia na capital, a Gazeta do Cerrado procurou a prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, para conversar sobre o assunto.

A capital aumentou assustadoramente o número de internações na UTI e a demanda por mais leitos virou “artilharia política” até de alguns deputados que não são de Palmas.

Cinthia estuda novas medidas restritivas inclusive no transporte coletivo. “Desde o início prezei por preservar as vidas”, comentou.

Lamento muito ver que algumas pessoas não entenderam que só temos um adversário e inimigo que é o coronavírus“, disse.

Ela disse sentir ausência de um sentimento de chefe de Estado por parte do governo do Tocantins. “Falta de presença dos entes federados“, disse.

Não sou candidata a nada, acabei de ganhar uma eleição, as pessoas ainda não viraram a página da campanha“, completou sobre as cobranças políticas.

Ela questionou quais emendas parlamentares foram destinadas para Palmas por parte de alguns deputados. Cinthia comentou ainda que precisa que seja aprovado o Estado de calamidade pública na Assembleia. “Por que o Estado tem e Palmas até agora não foi aprovado?“, pontuou.

Ela citou que 24 cidades são assistidas por Palmas e pregou união neste momento.

Temos que unir esforços para enfrentarmos um inimigo comum a todos: o COVID19. Ele não escolhe cor, raça, cargo, cidade ou país. Perder tempo em pronunciamentos vazios, críticas infundadas e agindo como se estivéssemos em guerra, não vai trazer a cura dessa pandemia. Ser mais proativos, buscar soluções, recursos. Trabalhar em conjunto e não isoladamente. Isso é o que as pessoas esperam de nós“, comentou.

A prefeita fez ainda um apelo: “O que esperam do poder público é trazer solução ao invés de gerar conflito. Não é uma disputa pessoal ou de egos. Perdemos tempo e saímos do foco principal que é o combate ao Covid. Os deputados que puderem ajudar a diminuir os problemas em suas cidades, ajudem. Palmas é a capital de todos os tocantinenses e atende todas as cidades do Estado e dos Estados vizinhos. Com certeza merece o carinho de todos os seus representantes”, afirmou na entrevista ás Gazeta.

Hospital municipal

O ponto principal das cobranças é um problema crônico na capital: a falta de um hospital municipal.

O município não se nega a fazer mas não temos hospital municipal“, disse. A gestora pontua que os vereadores, deputados e entes federais precisam se juntar para destinar Recursos para construção do hospital. “A demanda por um hospital é real”, admitiu.

Ela disse que há várias áreas disponíveis na capital onde podem ser implantados mais leitos por parte do Estado neste momento. Segundo Cínthia, a gestão municipal tem feito a parte que cabe a ela e a gestão dos leitos de UTI é papel do Estado.

Não se levanta um hospital de uma hora para a outra“, disse.

Sobre a relação com o governo ela afirmou: “Não nos negamos hora nenhuma a ter uma agenda propositiva“, disse.

Decreto

Políticos se manifestaram ainda sobre o decreto que restringe o funcionamento do comércio e igrejas.

O comércio vai ficar fechado pelo bem da população, parece que tem pessoas que torcem para dar errado“, comentou.

Se o cenário mudar podemos suspender o decreto“, ponderou. O novo horário vale por 15 dias.

Veja também:

Com vacinação no centro das atenções e expectativas, política fica em banho-maria no TO

Prefeito de Araguaína vai pedir ao Estado R$ 1,2 milhões para manter UTIs e pode endurecer medidas

Deputados aprovam pedido de informações de Vanda Monteiro sobre ações contra Covid e ampliação de UTIs na capital

Câmara da capital anuncia suspensão de sessões por 15 dias; Janad cobra hospital e critica decreto

Crise das UTIs em Palmas: Claudia Lelis também cobra mais leitos e diálogo com empresários sobre decreto: “não adianta queda de braço”

Crise dos leitos: Carlesse manda abrir mais 16 UTIs Covid em Palmas e 20 em Gurupi

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]