Aparelho criado em Universidade identifica câncer de boca

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 03/01/2018

Última atualização em 26/08/2019 11:26

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Pesquisadores do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) de São Carlos (IFSC) desenvolveram uma técnica simples e indolor para ajudar no diagnóstico precoce de câncer bucal. A técnica, chamada de fluorescência óptica, consiste em utilizar um aparelho que emite uma luz de led azul e ajuda a identificar lesões nos lábios e dentro da boca.

Ao passar a luz na boca, as regiões com células canceríginas mudam de cor. “Se alguma alteração começa a ocorrer, a cor vai mudar. Ela pode ser mais escura, pode não ocorrer essa fluorescência, pode ser vermelha. A condição do tecido vai fazer com que a outra cor que o tecido emite seja diferente”, explicou o professor do IFSC Sebastião Pratavieira.

Em bocas saudáveis a cor fica verde.

Células cancerígenas emitem manchas no aparelho da USP (Foto: Reprodução/ EPTV)Células cancerígenas emitem manchas no aparelho da USP (Foto: Reprodução/ EPTV)

Células cancerígenas emitem manchas no aparelho da USP (Foto: Reprodução/ EPTV)

Diagnóstico precoce

Atualmente, a maioria dos dentistas identifica as feridas com a ajuda de luz branca tradicional. A vantagem do equipamento desenvolvido pelos pesquisadores do IFSC é que a técnica permite um diagnóstico mais rápido e preciso do câncer de boca.

Com o equipamento usado nos consultórios, de luz branca, as lesões também aparecem, mas com menos nitidez.

Aparelho da USP de São Carlos ajuda a identificar lesões na boca (Foto: Reprodução/ EPTV)Aparelho da USP de São Carlos ajuda a identificar lesões na boca (Foto: Reprodução/ EPTV)

Aparelho da USP de São Carlos ajuda a identificar lesões na boca (Foto: Reprodução/ EPTV)

O aparelho desenvolvido pela USP ainda não está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), mas é uma esperança para melhorar o diagnóstico da doença e ajudar no tratamento adequado da doença.

“Quando o nível de alterações é avançado, o principal tratamento vai ser cirúrgico, provavelmente depois uma radioterapia, mas se ele for diagnosticado em um estágio menos avançado, usualmente só a cirurgia é suficiente”, afirmou a professora do IFSC Cristina Kurachi.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Marketing: Ana Negreiros

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]