Cuidado! Coronavírus vive até 7 dias em temperatura ambiente, mostra estudo

Por Gazeta do Cerrado | 29/03/2020

Última atualização em 29/03/2020 10:29

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Cientistas da Universidade de Hong Kong descobriram que o novo coronavírus tem uma alta sobrevida, de até 14 dias, quando submetido a baixas temperaturas, mas não consegue sobreviver se a coisa esquentar muito. Eles também concluíram em qual superfície o SARS-CoV-2, nome oficial do vírus, se mantém ativo por mais tempo.

Se você está preocupado, é melhor desinfetar já máscaras cirúrgicas e utensílios de aço inoxidável. Como o coronavírus, causador da doença covid-19, está se espalhando de forma rápida, os pesquisadores chineses quiseram mensurar qual o grau de estabilidade do vírus em diferentes condições. Isso pode ajudar a determinar o nível de contaminação indireta, ou seja, por meio do contato com objetos infectados.

Primeiro, os pesquisadores da faculdade de Medicina da Escola de Saúde Pública da universidade testaram como o vírus se comporta em diferentes temperaturas. Descobriram que quanto mais quente fica o ambiente em que o vírus está, menores são suas chances de continuar ativo. Submetido a 4ºC, o coronavírus ainda era detectado após um período de 14 dias. Exposto à temperatura ambiente, de 22ºC, a quantidade de vírus caiu, mas ainda assim era possível encontrá-lo após sete dias. Em um lugar a 37ºC, conseguiu perdurar por apenas um dia. Já a 56ºC, não passou de 30 minutos, enquanto a 70ºC, padeceu em 5 minutos.

Os chineses também testaram o tipo de superfície mais propício para o vírus. Em lenços de papel ou em papel para impressão, ele permanece facilmente por 30 minutos, mas já não é encontrado após 3 horas. O SARS-CoV-2 não sobrevive em roupas por dois dias. Em utensílios de aço inoxidável, o coronavírus consegue se manter ativo por quatro dias, mas dificilmente chega a sete dias. Já máscaras cirúrgicas são abrigo para os vírus por ao menos sete dias.

A resistência do coronavírus também foi posta à prova depois de entrar em contato com água e sabão, etanol 70%, alvejante, os antissépticos iodopovidona, cloroxilenol e gluconato de clorexidina, e o desinfetante Cloreto de benzalcônio. Após cinco minutos de exposição, apenas o vírus submetido à água e sabão podia ser detectado. Sua sobrevida, no entanto, não chegou a 15 minutos. É bom notar que o objetivo dos cientistas não era encontrar explicações para o grau de atividade do vírus nessas diferentes situações, apenas constatar como ele se comportava. Para detectar a presença do SARS-CoV-2, os pesquisadores usaram o teste PCR real time, o mesmo que laboratórios brasileiros estão e empregando para identificar se um doente está ou não com covid-19.

fonte: Uol.com

#Covid-19

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
majucotrim@gazetadocerrado.com.br

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
marcojacob@gazetadocerrado.com.br

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
portal@gazetadocerrado.com.br

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
comercial@gazetadocerrado.com.br

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
marcojacob@gazetadocerrado.com.br