Desmoronamento em Palmas assusta moradores e especialista alerta para riscos

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 05/12/2018

Última atualização em 26/08/2019 12:17

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Lucas Eurilio – Gazeta do Cerrado

O aterro da ponte que liga as quadras 203 e 303 Norte em Palmas, na avenida NS 3, desabou parcialmente por conta das chuvas frequentes desde o último final de semana na Capital.

Parte da ciclovia já cedeu e outra parte corre o risco de desmoronar. Além do susto causado aos moradores, o local foi interditado para que não aconteça nenhum acidente.

A Prefeitura de Palmas decidiu interditar o local após uma recomendação da Defesa Civil do Município. “A interdição se faz necessária para que seja garantida a segurança do tráfegona região”.

Em nota, a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Servços Públicos (Seisp), informou que o reparo do treho não deve ser realizado imediatamente “É necessário que o solo e clima estejam estáveis para que a obra seja retomada e concluída”.

O engenheiro civil e mestre em Geotecnia, Flávio Ornelas, disse que para corrigir o problema de forma adequada, serão necessários vários reparos que devem ser feitos para que não tenha o risco de algo mais grave acontecer na ponte.

“Além de novos estudos hidrogeológicos e prospecções no local, verificação das condições estruturais das fundações e bloco da cortina e ala. Estas estruturas se estiverem comprometidas devem ser corrigidas para evitar outros problemas”, disse à Gazeta.

Córrego Sussuapara – Divulgação

Entre as possíveis causas do desabamento do aterro, o especialista listou três: A ala pode estar com dimensões insuficientes e a geometria do talude curvo e muito íngreme. A mesma ainda cedeu com a ruptura do bloco de fundação, não auxiliando mais na contenção do aterro;

Durante a execução foi realizado o aterro com latossolo, material fino e com alta permeabilidade, características de pouca resistência à erosão, que pode ter ocorrido na base deste, causada principalmente pela falta de manutenção do corpo hídrico;

Por fim, Ornelas explicou que o local é muito baixo em relação as áreas vizinhas e drena toda água das chuvas, absorvida no solo pela região. Foi observado a surgência de água no talude que pode ter causado o fenômeno do “piping” que é um tipo de erosão regressiva interna (ocorre de dentro para fora do talude formando cavernas), comum em barragens ou taludes onde o lençol freático surge na face.

Aterro foi corberto por lonas pela Prefeitura de Palmas – Divulgação

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]