Dorinha afirma que lei do assédio moral aprovada pela Câmara estimulará crescimento profissional das mulheres

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 13/03/2019

Última atualização em 26/08/2019 14:32

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp
O Projeto de Lei 4742/01 que tipifica no Código Penal o crime de assédio moral no trabalho, foi aprovado na Câmara dos Deputados. O projeto faz parte da pauta da bancada feminina, visto que as mulheres são as principais vítimas de situações de constrangimento no exercício profissional. A deputada Professora Dorinha (Democratas/TO), coordenadora da Secretaria da Mulher na Câmara, comemorou a aprovação do Projeto que foi colocado em pauta como parte das ações que estão sendo realizadas no mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher.
“Esse será mais um dispositivo legal para ampliar a preservação dos direitos das mulheres de ocuparem todos os espaços da sociedade de forma igualitária, justa e segura. É sabido que nós somos as principais vítimas de assédio moral no trabalho, resultado de uma cultura em que a suposta fragilidade feminina nos coloca como principal alvo de atitudes de desrespeito por parte de colegas de trabalho e chefias” defendeu Dorinha.
A pena estipulada será de detenção de um a dois anos e multa, aumentada de um terço se a vítima for menor de 18 anos. Por ser considerado crime e contravenção de menor potencial ofensivo (pena máxima não superior a dois anos), o acusado pode fazer um acordo em que ele opta por não enfrentar um processo criminal e cumprir penas alternativas.
Para a deputada Dorinha, esse é um avanço importante para aumentar a participação da mulher em cargos de liderança. “No Brasil existe uma cultura organizacional em que o ambiente de trabalho inseguro psicologicamente é minimizado, tratado como piada. A partir do momento que o assédio moral for elevado à esfera criminal, será dada ao problema sua devida dimensão. Haverá um esforço maior das empresas para conscientizar funcionários e inibir comportamentos opressores que colocam as mulheres em posição inferior”, afirmou.
No intenso debate durante a sessão desta terça, parlamentares contrários ao projeto argumentaram que a lei prejudicará as empresa, pois passarão a ter um ambiente de insegurança jurídica nas relações de trabalho. O argumento não foi acatado pela maioria, visto que a criminalização é específica para o autor da agressão, e não  para as empresas onde os crimes de assédio moral ocorrerem.
 Lei beneficia todos os trabalhadores
Dorinha explicou que o Projeto tem uma amplitude que envolve questões trabalhistas, de saúde e igualdade. “O projeto entrou na pauta da bancada feminina por serem as mulheres as principais vítimas, mas todos os trabalhadores serão beneficiados por um ambiente de trabalho mais seguro, com menos danos à saúde

emocional e à qualidade de vida”, afirmou.
De acordo com dados da organização Mundial de Saúde (OMS), os casos de depressão cresceram 18% em dez anos e até 2020 será a doença mais incapacitante do planeta. O Brasil não está de fora dessa estatística e tem o maior volume de casos na América Latina. Especialistas apontam que o ambiente de trabalho opressor é um dos principais motivos do crescimento das doenças psicológicas, tais como a depressão, e isso pode gerar consequências diretas no mercado do Trabalho.
Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]