Entenda o que é minério de ferro, rejeito e barragem

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 31/01/2019

Última atualização em 26/08/2019 10:40

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Desde o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, muito se fala em minério de ferro, rejeitos, barragem.

O que é minério de ferro?

O minério de ferro é a matéria-prima para a fabricação do aço, base de diversas indústrias, como a de carros e eletrodomésticos, e também da construção civil.

Ele é um conjunto de materiais rico no elemento químico ferro e é encontrado em rochas. Quando o extraem da natureza, as mineradoras separam o minério do material sem valor comercial: esse processo é chamado de beneficiamento.

Minério de ferro no Pará — Foto: Divulgação/Agência Pará

Minério de ferro no Pará — Foto: Divulgação/Agência Pará

O que é rejeito de mineração?

O rejeito de mineração é o que sobra quando se usa água para separar o minério de ferro do material que não tem valor comercial. É o jeito mais barato de fazer o beneficiamento (essa separação).

Em geral, esse rejeito é composto por minérios pobres (com baixa concentração de ferro) e areia, além da água – daí o aspecto de lama.

Já existem processos de beneficiamento mais modernos, que não utilizam água.

O que é uma barragem de rejeitos?

Os rejeitos de mineração precisam ser depositados em algum lugar. A barragem de contenção é a estrutura mais usada para armazenar esse material. É o método mais antigo, simples e barato.

Funciona assim: um dique (feito a partir de solo compactado, blocos de rocha ou do próprio rejeito) é construído para barrar a lama e, à medida que o reservatório vai enchendo, novas camadas de barragem são construídas (processo chamado de alteamento). Veja aqui os tipos.

Alguns processos de beneficiamento mais modernos não utilizam água e, consequentemente, não necessitam de barragem de rejeitos.

Como era a barragem de Brumadinho?

A barragem de rejeitos da Vale que se rompeu em Brumadinho usava o método de alteamento a montante. Nesse sistema, quando a barragem fica cheia, ela vai sendo elevada por meio de degraus construídos sobre o dique (ou barreira de contenção) inicial.

Barragem em Brumadinho utilizava o método de alteamento por montante — Foto: Karina Almeida e Alexandre Mauro/G1

Barragem em Brumadinho utilizava o método de alteamento por montante

É o método mais simples e mais barato e, por isso, bastante comum, mas é considerado menos seguro e mais propenso a acidentes.

É o mesmo usado na barragem da Samarco que estourou em Mariana, em 2015. A Vale é uma das donas da Samarco e também responde na Justiça por aquela tragédia.

A barragem de Brumadinho estava inativa e não recebia rejeitos há três anos.

O que é a Vale e o que ela produz?

A Vale é uma mineradora brasileira, uma das maiores do mundo, com sede no Rio de Janeiro.

Ela produz, além de minério de ferro, carvão, níquel, cobre, cobalto, pelotas (pequenas bolinhas feitas a partir de minério de ferro fino, usadas na fabricação de aço) e outros metais.

A empresa tem 76,5 mil funcionários e atua em mais de 30 países. De janeiro a setembro do ano passado (últimos dados disponíveis), extraiu 283,6 milhões de toneladas de minério de ferro e lucrou R$ 11,1 bilhões. Só no terceiro trimestre de 2018, seu lucro foi R$ 5,75 bilhões, o terceiro maior entre as empresas brasileiras, atrás apenas de Petrobras e Itaú.

A Vale é estatal ou privada?

A Vale é uma empresa privada. Ela foi fundada como uma companhia estatal pelo governo Getúlio Vargas, em 1942, em Minas Gerais, mas foi privatizada em 1997, no governo Fernando Henrique Cardoso. Até 2007, chamava-se Vale do Rio Doce.

Quem é o dono da Vale?

A Vale não tem um único dono. A empresa é fatiada em várias ações que são negociadas em bolsas de valores. A maior parte das ações (52%) circula entre várias classes de investidores, principalmente estrangeiros.

O maior acionista individual é a Litel Participações, empresa formada por fundos de pensão estatais, com uma participação de 19%.

Também são acionistas importantes o BNDESPar (empresa de investimentos do banco público), com 7,6% dos papéis, a Bradespar (dona do Bradesco), com 6,3% e a gestora Blackrock, com 5,9%.

O governo federal tem 12 ações da Vale. A participação é irrelevante, mas constitui uma “golden share”, classe especial que dá direito a intervenção e veto em movimentos estratégicos da companhia.

Desde 2017, a Vale é presidida pelo engenheiro Fabio Schvartsman. Os nomes para compor a diretoria da companhia são indicados pelo conselho de administração, que é formado por representantes dos acionistas, e precisam ser aprovados pelos investidores.

Qual a importância da mina de Brumadinho para a Vale?

Da mina Córrego do Feijão, onde está localizada a barragem que se rompeu em Brumadinho, foram extraídas 8,5 milhões de toneladas de minério de ferro, o equivalente a 2% da produção da Vale.

A mina faz parte do complexo Paraopeba, que produziu 27,3 milhões de toneladas de minério de ferro em 2018 – cerca de 7% do que foi extraído pela empresa no ano.

fonte: G1.globo.com

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Marketing: Ana Negreiros

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]