Entidade histórica do Movimento Negro, MNU, será criada no Tocantins para fortalecer combate ao racismo

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 18/12/2019

Última atualização em 18/12/2019 09:59

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Com o intuito de consolidar a organização pioneira na luta política da organização do povo negro, Movimento Negro Unificado (MNU), será realizado no dia 20 de dezembro, às 19 horas, no Centro de Direitos Humanos, o lançamento da criação da seção Tocantins da entidade.

Além do ato formal da criação, o evento contará com uma programação na qual haverá uma mesa com diversos movimentos e coletivos do movimento negro, e a participação da secretaria nacional de mulheres do MNU, Ivana Leal, explicando sobre a entidade, por fim, uma confraternização ‘Festa Preta’ para a comemoração da criação da seção.

Segundo organizadores, a importância de ter a entidade no Tocantins é de entender que a organização MNU tem o objetivo de unificar pautas e coletivos do movimentos negros. “Desde 1978 é referência no combate à discriminação racial em diversos estados do país, no Tocantins não poderia ser diferente, já que somos a maioria da população,” disse a organização.

A organização ressalta que o convite do evento está aberto aos militantes negros do Tocantins (que fazem parte ou não de coletivos ou movimentos), também para os simpatizantes da causa antirracista. Entretanto, para fazer parte da entidade como filiado é somente para pessoas negras.

Para o professor de sociologia do Instituto Federal do Tocantins (IFTO) – Campus Dianópolis, Stânio Vieira o Movimento Negro Unificado (MNU) é organização nacional e tem a referência do povo negro na luta contra a violência racial. “No Tocantins, a intenção é fazermos uma militância mais política e propositiva visando denunciar o racismo tão presente na sociedade tocantinense e lutar por políticas públicas ao povo negro,” finaliza.

MNU

O MNU (Movimento Negro Unificado) é uma organizar pioneira, tem 41 anos de existência, surgiu durante ato público realizado em 1978, em frente ao Teatro Municipal de São Paulo, em pleno período da ditadura. Foi e continua a ser determinante para os rumos do combate ao racismo estrutural no Brasil. Objetivo da entidade é de ter o papel fundamental no combate ao racismo e na formação de lideranças que surgiram posteriormente na luta em prol da igualdade racial do país.

Fonte: Assessoria de Comunicação MNU

Texto: Jornalista Dandara Barbosa

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Marketing: Ana Negreiros

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]