Festas regadas a bebidas e confusões estariam acontecendo todo dia em cidade em lockdown; polícia abre investigação

Por Gazeta do Cerrado | 22/05/2020

Última atualização em 22/05/2020 18:28

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

A Polícia Civil do Tocantins, instaurou nesta sexta-feira, 22, um procedimento investigativo para apurar denúncias de que em uma chácara, nas imediações do Clube do Dertins, festas vêm acontecendo diariamente, sempre com muito barulho, música em volume imoderado e confusões de toda sorte. Conforme as denúncias, as festas, frequentadas por adolescentes, amanheciam o dia e sempre regadas a muita bebida alcoólica.

Os responsáveis pela chácara já foram identificados e, após a investigação, o inquérito será encaminhado ao Poder Judiciário. Além do procedimento investigativo instaurado para possível crime de Infração de Medida Sanitária e Perturbação da Paz e Sossego Públicos, Polícia Civil do Tocantins fechou o local de eventos (chácara) por estar contrariando também as determinações do Decreto nº 6.095 do Governo do Tocantins, que determinou em Araguaína e em outros 34 municípios do Estado a suspensão total de atividades não essenciais até este sábado, 23.

Leia – Distanciamento social: Por que é necessário?

Conforme relatos dos moradores da região à autoridade policial, o barulho das festas dá para ser ouvido há mais de seis quilômetros do local. Um dos vizinhos narrou que até as telhas de sua casa saiam do lugar com o som e que o local reunia em torno de 100 pessoas, com muita ingestão de bebidas alcoólicas.

Desse modo foram confeccionados dois relatórios policiais, um contendo cinco páginas, com subsídios e informações para sustentar a ação penal. Somando esforços no combate à propagação do Covid-19, a Polícia Civil agiu prontamente, impedindo que se propagassem as reuniões ilegais e contrariando as normativas municipais de conduta.

Campanha

A autoridade policial destaca que a DEIMPO vem realizando campanha em redes sociais para conscientizar a população sobre a perturbação da paz e sossego e ressalta que não há horário para a configuração da contravenção e que a utilização de som deve respeitar o limite da propriedade e o bom senso, para que não seja ouvido pelos vizinhos.

Para o crime de perturbação da paz e sossego, os responsáveis podem ser apenados com prisão de até 1 ano e 3 meses e pagamento de multa.

Fonte: Assessoria SSP

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
majucotrim@gazetadocerrado.com.br

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
marcojacob@gazetadocerrado.com.br

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
portal@gazetadocerrado.com.br

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
comercial@gazetadocerrado.com.br

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
marcojacob@gazetadocerrado.com.br