Funcionários fantasmas na AL: três viram réus em ação penal

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 08/02/2019

Última atualização em 08/02/2019 08:38

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

O advogado e ex-diretor Geral da Assembleia Legislativa, Antonio Ianowich, o ex-Diretor de modernização tecnológica Danilo Parente e o coordenador de almoxarifado e estoque, Flávio Negreiros Alves são considerados réus em processo penal. Eles são suspeitos de peculato, falsificação de documento público e lavagem de dinheiro, de acordo com o Ministério Público Estadual.

O documento aponta que o advogado Ianowich era o líder da organização e que ele teria recrutado os outros dois investigados para o esquema. A decisão é do juiz Rafael Gonçalves de Paula e foi divulgada nessa quinta-feira, 7.

A denúncia é fruto da Operação Espectro, da Polícia Civil, que investiga corrupção devido a um esquema de funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa do Tocantins.

São mais de R$ 173 mil, o valor a ser devolvido aos cofres públicos, pois  além da denúncia, os promotores também protocolaram uma ação de improbidade administrativa para que o dinheiro desviado seja devolvido.

Entenda o caso

As investigações sobre a existência de funcionários fantasmas na Assembleia começaram no ano passado e foram concluídas pela Delegacia de Combate a Corrupção, durante a 1ª fase da operação Espectro. Nessa época, três pessoas foram indiciadas.

A 2ª fase teve início no dia 31 de janeiro deste ano, quando a polícia cumpriu mandados de intimação, busca e apreensão.

A Polícia Civil disse que os detalhes do esquema foram descobertos após a apreensão do celular de Danilo. Os investigadores tiveram acesso à conversa dele e dois demais suspeitos.

Em fevereiro do ano passado, em uma reportagem com detalhes sobre a investigação do MPE, a promotoria disse que pelo menos 80 casos de funcionários fantasma estavam sendo investigados.

Outras investigações

Outra operação que investiga servidores fantasmas no serviço público é a Catarse. As investigações começaram após denúncias de funcionários fantasmas do governo do Estado em Araguaína, norte do Tocantins.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]