No Banner to display

Juiz também mantém irmão de Miranda preso e nega detenção em cela individual

Por Lucas Eurilio | 27/09/2019

Última atualização em 27/09/2019 12:18

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Equipe Gazeta do Cerrado

Brito Júnior, irmão do ex-governador do Tocantins, Marcelo Miranda, continuará preso, cumprindo prisão preventiva na Casa de Prisão Provisória de Palmas.

Durante audiência de custódia realizada na manhã desta sexta-feira (27), o juiz federal João Paulo Abe decidiu por manter a medida enquanto seguem as investigações da operação que investiga suposto esquema de corrupção na gestão de Marcelo Miranda à frente do Governo do Tocantins.

A defesa pediu que o investigado fosse encaminhado para uma sala de Estado Maior no Comando Geral da Polícia Militar, onde seu irmão se encontra, mas o magistrado negou e determinou que fosse encaminhado para uma cela com detentos nas mesmas condições, com prisão provisória e portadores de diploma superior. Ele não teve o direito de ficar em cela individual.

Miranda e pai

Durante os depoimentos na tarde desta quinta-feira, 25, o ex-governador do Tocantins, Marcelo Miranda e o pai, Edmar Brito se manteram em silêncio.

“A prisão e um extremo constrangimento e é ilegal”, disse o advogado de Marcelo Miranda. A orientação é que eles não falem por enquanto, segundo o advogado. A defesa já prepara pedido de habeas corpus.

Miranda e o pai estão no Comando da PM. A defesa já prepara pedido de habeas corpus.

A prisão preventiva do ex-governador do Tocantins, Marcelo Miranda, foi mantida pelo juiz federal João Paulo Abe. O magistrado considerou como graves os elementos que motivaram a prisão.

Ele foi encaminhado para uma sala de Estado Maior no Comando Geral da Polícia Militar, em Palmas, onde aguardará a continuidade das investigações.

Brito Miranda

O juiz federal João Paulo Abe estipulou uma fiança no valor de 200 salários mínimos para substituição da prisão preventiva do investigado José Edmar Brito Miranda, pai do ex-governador, por medidas cautelares. O magistrado levou em consideração a idade avançada (85 anos) do investigado e um laudo médico, apresentado pela defesa, que indica saúde debilitada e cuidados médicos especiais.

Por ser advogado com registro ativo na OAB, Brito Miranda foi encaminhado para uma sala de estado maior, no Comando da Polícia Militar, em Palmas. Ele ficará lá até que o pagamento da fiança seja comprovado.

Entre as medidas cautelares estão a proibição de contato com investigados na Operação Reis do Gado, que investiga crimes de corrupção no Tocantins, e o recolhimento no período noturno e aos finais de semana em seu domicílio.

Dulce se manifesta

A esposa de Marcelo Miranda, a deputada federal Dulce Miranda (MDB), emitiu nota afirmando que não tem acesso ao processo investigativo. Ela disse que como esposa, tem plena convicção da inocência e da integridade do marido e que estendo a mesma confiança ao sogro e ao cunhado.

O MDB não emitiu nota.

Entenda o caso

A Polícia Federal prendeu preventivamente, nesta quinta-feira (26), o ex-governador de Tocantins Marcelo Miranda (MDB), seu pai, José Edmar Brito Miranda, e seu irmão, Brito Miranda Júnior. Eles são suspeitos de integrar uma organização criminosa que teria causado prejuízo de R$ 300 milhões aos cofres públicos. Entre os crimes investigados estão corrupção, fraude em licitações e desvio de recursos públicos.

Miranda estava em Brasília, no apartamento funcional da mulher, a deputada Dulce Miranda (MDB). Ela não é investigada. Brito, que tem 85 anos, foi preso em Palmas, onde a PF também cumpre um mandado de busca e apreensão na casa do ex-governador. Brito Miranda Júnior estava em Santana do Araguaia (PA). As medidas foram autorizadas pela 4ª Vara Federal de Palmas.

A defesa da família informou que “a princípio não há fatos que justifiquem o pedido de prisão”, mas vai se posicionar somente após ter acesso à decisão.

Esta é a segunda ação da PF nesta semana para investigar Marcelo Miranda. Na quarta-feira (25), durante a operação Carotenóides, a polícia prendeu um casal suspeito de ser laranja do ex-governador para o registro de veículos e imóveis.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]