Mais de 400 mil filhotes de tartarugas-da-Amazônia e tracajás serão soltos no rio Araguaia

Por Gazeta do Cerrado | 27/10/2020

Última atualização em 27/10/2020 11:58

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Visita técnica dos parceiros do projeto Quelônio ao local de desova das tartarugas-da-Amazônia e tracajás – Foto: Naturatins/Divulgação

O projeto Quelônios do Tocantins recebeu nesta segunda-feira, 26, representantes das instituições parceiras para uma visita técnica ao local de eclosão dos filhotes, que começarão a sair dos ninhos para ganhar as águas do rio Araguaia e seus afluentes. Em setembro, as equipes de trabalho conseguiram fazer a marcação de 1.500 ninhos, que passaram a ser monitorados para evitar depredação.

Segundo o biólogo do Naturatins Oscar Barroso, o projeto Quelônios do Tocantins é vinculado ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), no âmbito do Projeto Quelônios da Amazônia. A soltura dos filhotes acontece no Parque Estadual do Cantão (PEC) e, com base na quantidade de ninhos, a previsão de nascimento para este ano é de 445 mil filhotes.

De acordo com Oscar Barroso, o projeto Quelônios da Amazônia, do Ibama, existe há quatro décadas e o Quelônios do Tocantins foi criado em 1995. Após sofrer uma interrupção, o Quelônios do Tocantins foi retomado em 2017, graças à parceria com o Ibama, Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), Universidade Federal do Tocantins (UFT) e o Batalhão de  Polícia Militar Ambiental (BPMA).

“Nos últimos anos, as ações conjuntas entre os parceiros têm reforçado as medidas para a conservação dos quelônios no rio Araguaia, em especial na região do Parque Estadual do Cantão e Parque Nacional do Araguaia”, explica Oscar, que coordena as atividades pelo Naturatins.

O biólogo diz também que o projeto Quelônios é realizado em várias etapas, que vão desde o planejamento anual das ações, quando são apresentados os resultados do ano anterior e projeções para o ano em curso, até a execução das atividades de campo. “A fiscalização, monitoramento e manejo se estendem até dezembro, quando o ciclo de reprodução da espécie é concluído”, acrescenta.

Parcerias

O presidente do Naturatins, Sebastião Albuquerque, anfitrião da visita técnica, informa que o projeto Quelônios do Tocantins é uma das mais importantes iniciativas de conservação das espécies de quelônios do Brasil, tanto da tartaruga-da-Amazônia (Podocnemis expansa), quando do tracajá (Podocnemis unifilis).

“Os resultados obtidos ao longo dos anos demonstram a importância da realização desse trabalho na manutenção das populações dessas espécies na região do rio Araguaia; se hoje temos uma quantidade estável de tartarugas-da-Amazônia e tracajás na região do Parque Estadual do Cantão e do Parque Nacional do Araguaia, certamente é graças ao projeto Quelônios do Tocantins”, garante Albuquerque.

O gestor esclarece que o trabalho conjunto de todos os parceiros é imprescindível para o fortalecimento do projeto e ampliação de seus resultados. “O trabalho técnico, executado pelo Ibama e Naturatins, a fiscalização feita pelo Naturatins e pela Polícia Militar Ambiental, a educação ambiental e pesquisas realizadas pelas universidades são prova da importância do trabalho em conjunto. Iniciativas para garantir a preservação e o equilíbrio de nossa biodiversidade”, ressalta Albuquerque.

O reitor da Unitins, Augusto de Rezende Campos, afirma que a universidade, dentre de suas diretrizes e princípios de formação, tem a questão da sustentabilidade do meio ambiente como ponto focal. “E o projeto Quelônios é algo particular de uma região do Tocantins, o Parque Estadual do Cantão, e que a universidade integra, dando um peso científico às ações”, diz.

Campos lembra que há dois anos a Unitins foi contemplada com edital do Banco da Amazônia, para trabalhar a pesquisa, o levantamento de dados sobre a reprodução das tartarugas, bem como a educação ambiental nas comunidades ribeirinhas. “Agora, estamos trabalhando de maneira atípica por causa da pandemia, mesmo assim produzimos cartilhas e materiais para garantir ao projeto Quelônios, um ambiente de pesquisa e educação ambiental”, reforça.

O coordenador do projeto Quelônios da Amazônia, do Ibama, Wilson Júnior, corrobora que o bom desempenho do projeto se dá graças à parceria entre as entidades envolvidas. Ele lembra que outra etapa importante do projeto ocorre logo após a soltura, com a intensificação da fiscalização para evitar capturas ilegais das tartaruguinhas. “O projeto Quelônios foi criado pelo Ibama há 40 anos e apresenta resultados significativos, como os do ano passado, quando tivemos a soltura de 96 mil filhotes”, conta Wilson Júnior, que integra a comitiva de visita ao local de soltura, juntamente com o chefe de fiscalização do órgão, Lenine Barros.

Unitins

A professora da Unitins, Alessandra Ruita Czapski, é uma das coordenadoras do projeto na universidade. Ela explica que a participação da universidade se dá por meio de ações nos campos da pesquisa e extensão, tendo como principal objetivo a preservação das duas espécies presentes no Tocantins, à tartaruga-da-Amzônia (Podocnemis expansa) e o tracajá (Podocnemis unifilis).

A pesquisa trabalha o estudo ecológico populacional, taxa de crescimento dos animais, movimentos migratórios, sexo, idade, dieta, peso e todos os elementos que ajudam a entender o comportamento dos quelônios. Conforme a professora, esses dados são fundamentais para o planejamento das ações relacionadas ao projeto, que precisam ser ajustadas a cada ano.

Ainda conforme Alessandra, a educação ambiental é trabalhada junto às comunidades ribeirinhas, pescadores, população em geral, além de estudantes de escolas da região do Cantão, com oficinas, rodas de conversa e panfletagem.

“Fizemos oficinas com alunos do ensino fundamental, trilhas ecológicas, brincadeiras, rodas de conversa e envolvemos também os pais desses alunos; isso tudo apresentou resultados muitos satisfatórios, porque atingimos toda a comunidade para dirimir a predação, pesca e comercialização das espécies”, acrescenta Alessandra.

Ela completa que este ano, por causa da pandemia, o trabalho precisou ser redirecionado, com uso de meios alternativos, como lives, onde foi discutida a preservação das espécies para o bioma. “A live que fizemos agora em outubro foi direcionada à comunidade escolar de Caseara, diretores de escolas e população em geral, com suporte da prefeitura local; em novembro faremos outra live, dessa vez com a participação do Naturatins, por meio da Supervisão do Parque Estadual do Cantão”, anunciou a professora.

Soltura dos filhotes deve começar neste mês e seguir até o mês de dezembro – Foto: Naturatins/Divulgação

UFT

A professora Adriana Malvasio é uma das coordenadoras do projeto Quelônios pela UFT. Ela informa que o desenvolvimento de pesquisa junto às atividades de conservação, tem como finalidade a conservação dos quelônios, bem como o monitoramento dos ninhos, dos ovos, dos filhotes que nascem e dos animais adultos.

“Fazer levantamento da população desses animais dá muito trabalho e gera custos financeiros, por isso a parceria com a universidade é tão importante, uma vez que usamos nas pesquisas alunos de mestrado, doutorado e graduandos. E o resultado dessas pesquisas acaba respondendo aos objetivos do projeto, que é a conservação das tartarugas e tracajás”, conclui a professora.

Fiscalização

Parceiro importante em todas as ações realizadas pelo Naturatins na região do Cantão, o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) auxilia técnicos do órgão ambiental do Estado e do Ibama nas frequentes operações de fiscalização, que têm como foco o combate ao consumo predatório dos ovos e também dos animais adultos, que são alvo constante de captura.

O capitão Hallim, comandante da 1ªCompanhia do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), informa que como unidade especializada da PM na proteção do meio ambiental, o BPMA não poderia ficar de fora dessa visita a um projeto tão importante.

“O batalhão atua como parceiro na fiscalização, no monitoramento, na coleta de dados e na educação ambiental, sempre com foco na preservação dos quelônios, para que possamos garantir a preservação das espécies, buscando o equilíbrio socioambiental dessa região, considerada o berçário da ictiofauana da bacia do rio Araguaia”, reforçou o capitão Hallim.

O projeto Quelônios tem apoio também da Fazenda Fartura, em Santana do Araguaia (PA), que dá suporte como ponto de apoio às equipes de fiscalização.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
majucotrim@gazetadocerrado.com.br

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
marcojacob@gazetadocerrado.com.br

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
portal@gazetadocerrado.com.br

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
comercial@gazetadocerrado.com.br

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
marcojacob@gazetadocerrado.com.br