Melancolia versus depressão: Entenda a diferença e como buscar ajuda

Por Gazeta do Cerrado | 26/12/2020

Última atualização em 26/12/2020 08:33

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Foto – iStock

A palavra melancolia foi criada pelo grego Hipócrates, o pai da Medicina, por volta do século IV a.C. e vem da junção das palavras “mélas” (negro) e “cholé” (bílis) —ou seja, o significado primário é “bílis negra”. Na época, Hipócrates definiu a então doença a partir de um conjunto de sintomas como tristeza profunda, olhar fixo no infinito e perda de apetite. Séculos depois, o psicanalista austríaco Sigmund Freud (1856-1939) definiu a melancolia como um luto sem perda, processo patológico que necessita de abordagem e tratamentos específicos.

Hoje, a melancolia é classificada como um transtorno do humor e, evidentemente, tratada como tal, mas o diagnóstico pode vir na forma de depressão melancólica. Seus indícios, inclusive, são bastante semelhantes aos da depressão, diferenciando-se, no entanto, pela presença de angústia no segundo caso.

Na melancolia há uma apatia generalizada, ausência de ânimo, inércia e tédio. A pessoa não só deixa de se interessar por atividades de que antes gostava, como parece demonstrar uma tristeza intensa sem motivo —um quadro que pode, sim, migrar para a depressão.

É importante dizer que existem ainda pessoas com um temperamento melancólico, que se caracteriza por introversão, grande sensibilidade e tendência ao isolamento. Essas características não configuram um problema, desde que não provoquem prejuízos no campo social, profissional ou afetivo. Quando associadas a pensamentos negativos e sentimentos de inferioridade frente a dificuldades ou frustrações, o estado melancólico pode evoluir para um quadro depressivo. Por isso, buscar ajuda ou seguir a recomendação de amigos e familiares diante de mudanças comportamentais é essencial.

Uma avaliação técnica feita por um psiquiatra é importante, para levantar a história clínica, pessoal, social e do desenvolvimento, bem como a avaliação do estado mental do paciente, são cruciais para o diagnóstico. Mas a identificação nem sempre é simples, justamente pela possibilidade de quadros sobrepostos, por isso os detalhes se tornam imprescindíveis.

Depressão versus melancolia

Qual a diferença entre melancolia e depressão? E entre melancolia e tristeza? Essas são algumas dúvidas comuns em relação ao tema. A melhor forma de diferenciar os três estados é utilizar parâmetros como: duração, intensidade e fatores desencadeantes.

A tristeza é um sentimento reativo natural diante de alguma perda ou adversidade e dura algumas horas ou dias. A depressão é desencadeada por fatores bioquímicos, genéticos e hereditários, com ou sem fator externo motivador. É doença que afeta o desempenho, o raciocínio e a concentração. Se não tratada, pode se prolongar por meses ou anos. A melancolia, por sua vez, também pode durar anos, mas não interfere na criatividade ou no raciocínio, por exemplo. O desempenho depende do contexto.

O envelhecimento, com a perda de conexões sociais e surgimento de doenças próprias do faixa etária, é um fator que favorece o surgimento da melancolia. Muitas pessoas têm a percepção aguçada da finitude da vida e a constatação da não realização de sonhos ou desejos do passado.

Mas frustração crônica, amores não correspondidos, problemas relacionais complexos e mesmo a perda de um familiar/ente querido, conduzindo a um quase perpétuo estado de apatia, desinteresse e inércia vital, levam à melancolia mais severa, que por sua vez pode levar à depressão.

Como lidar com a melancolia?

É importante buscar auxílio médico e psicológico. Contar, sem medo ou vergonha, o que se sente. Quanto mais compartilhar essas sensações, maior a possibilidade de adequação e de controle dos sintomas que influenciam a qualidade de vida.

O tratamento pode envolver o uso de medicação antidepressiva para estabilizar o humor, mas a psicoterapia fornece ferramentas para enfrentar a negatividade, ganhar uma visão mais otimista da vida, ajustar-se a eventos estressantes, melhorar habilidades de comunicação e elevar a autoestima.

Meditação e outras técnicas de relaxamento também podem surtir efeito positivo, assim como terapia ocupacional, participação em grupos de apoio, atividade física, tempo de qualidade com entes queridos e sono e alimentação equilibrados.

Fonte – Viva Bem via Uol Notícias

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora-Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor-Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Subeditor: Lucas Eurílio

Jornalista: Brener Nunes

Jornalista: Maju Jacob

Redatora: Luciane Santana

Coordenador de Produção: Jota Pereira

Produtor Audiovisual: Luiz Menezes

Social Mídia: Hemilly Souza

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 985-211-001
[email protected]

Institucional ou Administrativo (63) 981-159-796
[email protected]