O que é sororidade? Uma das palavras mais buscadas no Google após ser citada em reality

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 08/03/2020

Última atualização em 08/03/2020 18:03

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

O que é sororidade? A palavra dita por Manu Gavassi, participante da 20ª edição do programa Big Brother Brasil da TV Globo, enquanto votava em Felipe Prior para o paredão em 9 de fevereiro virou um dos termos mais procurados nas pesquisas do Google.

Resultado de imagem para manu gavassi
Manu Gavassi – foto: google reprodução

O significado de sororidade vem sendo explicado como “união entre as mulheres”. Na sua origem, em latim, “sóror” significa irmã, por isso, o sentido de irmandade entre mulheres ou união entre irmãs.

Segundo a pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da Universidade de Brasília (UnB) Marjorie Chaves, o termo representa o olhar coletivo de ajuda e apoio mútuo às mulheres. Para ela, a prática da sororidade é o caminho para mobilizar e resguardar direitos femininos.

“A sororidade é capaz de causar transformações em favor das mulheres e também de resguardá-las de abusos e violências comuns de uma sociedade patriarcal e racista como a nossa.”

Mulheres negras fazem marcha em Copacabana, no Rio de Janeiro — Foto: Lívia Torres/TV Globo
Mulheres negras fazem marcha em Copacabana, no Rio de Janeiro — Foto: Lívia Torres/TV Globo

União faz a força

Marjorie aponta que a ideia central é de solidariedade entre as mulheres, na crença de que todas são igualmente oprimidas e, por isso, necessitam se unir em busca da equidade de gênero com:

  • Divisão equânime do trabalho reprodutivo com os homens
  • Salários iguais
  • Direitos sexuais e justiça reprodutiva garantida

“Porém, há um limite nesta compreensão, pois as experiências do ser mulher são diversas e não cabem em um único sujeito do feminismo”, explica a pesquisadora.

Manifestantes se reúnem para segunda Marcha das Mulheres, em Washington — Foto: Leah Millis/Reuters
Manifestantes se reúnem para segunda Marcha das Mulheres, em Washington — Foto: Leah Millis/Reuters

Como as mulheres podem praticar a sororidade entre si?

De acordo com Marjorie Chaves, a sororidade pode ser pensada desde as práticas sociais cotidianas, como as mobilizações na luta emancipatória feminista. “Grandes manifestações, como a Marcha das Mulheres (Women’s March) nos Estados Unidos ou a Campanha Nacional pelo Direito do Aborto Legal na Argentina, são exemplos de organização política”, afirma.

“São inúmeras as possibilidades de exercício da sororidade que podemos praticar.”

Para a pesquisadora, no dia a dia, a sororidade pode ser praticada na busca pela transformação da sociedade. Ela dá alguns exemplos:

  • Quando se recebe e se oferece amparo a outras mulheres em situação de abuso e violência física e psicológica, criando redes de apoio;
  • Quando uma mulher é silenciada e as outras garantem seu direito a voz;
  • Quando mulheres quebram o estereótipo de rivalidade entre mulheres criado pelo machismo;
  • Quando mulheres divulgam, compartilham e apoiam o trabalho de outras mulheres;
  • Quando mulheres com privilégios são empáticas com mulheres que estão à margem da sociedade.

Ao mesmo tempo em que o debate sobre a sororidade surge, também surge a dúvida de como mulheres não devem se comportar umas com as outras. Segundo Marjorie, ainda existem muitas limitações da sororidade.

“Durante anos, mulheres são colocadas em posições de comparação umas com as outras e o conceito de empatia entre as mulheres nem sempre funcionou.”

Manifestantes participam da Marcha das Mulheres, em Nova York — Foto: Eduardo Munoz Alvarez/AP Photo
Manifestantes participam da Marcha das Mulheres, em Nova York — Foto: Eduardo Munoz Alvarez/AP Photo

Um exemplo disso é o trabalho doméstico, aponta a pesquisadora. No Dia Internacional da Mulher, Marjorie Chaves deixa uma frase para reflexão.

“Para uma mulher alcançar o topo de sua carreira empresarial ou científica ainda é preciso que outras mulheres assegurem o seu trabalho doméstico e os cuidados com a família.”

Fonte: G1

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Marketing: Ana Negreiros

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]