Pedido de relaxamento de prisão deve ser protocolado ainda hoje, afirma defesa de Franklin Douglas

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 08/11/2019

Última atualização em 08/11/2019 08:58

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Brener Nunes – Gazeta do Cerrado

A Gazeta conversou com a defesa do empresário Franklin Douglas na manhã desta sexta-feira, 08, e afirmou que deve ter acesso ao inquérito ainda hoje pela manhã, e que devem entrar com um pedido de relaxamento de prisão até as 18 horas. “Queremos protocolar o pedido de relaxamento até às 18 horas. Não há prova que sustente a prisão”, afirmou a defesa, representada pelo advogado Gedeon Pitaluga.

Pitaluga ainda destaca que, as alegações de intimidação a imprensa, se houver, os envolvidos não tem relação com Franklin, nem social, nem profissional.

Sobre as supririas de corrupção, Gedeon também afirma que não existe. “Não vislumbrei comprovação o que o Ministério Público alega”, ponderou o advogado.

Gedeon ainda contou à Gazeta, que Franklin segue em cela junto aos outros presos, e que não está recebendo visita de familiares, apenas de advogados e psiquiatra.

O empresário está sendo mantido preso junto aos outros detentos na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPP). Segundo a Secretaria de de Cidadania e Justiça (Seciju), que de acordo com a ficha técnica da unidade prisional, o empresário não declarou possuir nível superior.

Franklin foi preso durante a Operação Replicantes nessa quarta-feira, 06, suspeito de suposto esquema de corrupção envolvendo contratos de gráficas com o Governo do Estado na gestão de Marcelo Miranda.

Franklin está detido na CPP de Palmas, após juiz João Paulo Abe manter sua prisão preventiva.

Os mandados de prisão preventiva são para Franklin Douglas Alves Lemes, e para o ex-governador Marcelo Miranda e para seu irmão José Edmar de Brito Júnior, mas não foram deferidas, já que estão presos há mais de 40 dias.

As prisões temporárias são para o empresário da área de comunicação Alex Câmara, e Carlos Gomes Cavalcante Mundim Araújo Júnior.

Conforme levantamento da PF, as Empresas WR, Exata e Prime Solution, durante o mandato de Marcelo Miranda, receberam aproximadamente R$ 38 milhões nos anos de 2015 e 2016, decorrentes de vários contratos que firmaram com diversos órgãos do Estado do Tocantins.

Esquema

A Gazeta teve acesso à decisão da 4ª Vara Criminal Federal, que mostra que, em ligações telefônicas realizadas durante a Operação Reis do Gado, aponta o registro de vários diálogos telefônicos, entre Alex Câmara e um pessoa que atende por nome de Edson, o qual, segundo a PF, seria Edson Almeida da Silva , cujo contato teria se dado por meio de linha de telefone fixo da Diretoria Administrativa e Financeira da Secretaria da Fazenda do Tocantins.

Conforme a Polícia Federal, Edson atuava no sentido de agilizar os pagamentos para as empresas que mantinham contrato com a Secretaria de Educação, especialmente WR e Exata, demonstrando um indevido favorecimento das empresas controladas por Franklin Douglas.

Segundo a Polícia, no primeiro telefonema, realizado em abril de 2016, Alex citou textualmente a pessoa do ex-governador Marcelo Miranda e demonstra ter intimidade com esse ao dizer que, se o pagamento que estava pretendendo não fosse feito, quando Marcelo chegasse do almoço iria ligar para o secretário na hora.

Mais sobre a Operação

Foi pedida a busca e apreensão, nos termos do art. 240, §1o, do Código de Processo Penal, a ser cumprida nas residências e sede das pessoas físicas e jurídicas com o objetivo de buscar e apreender bens e materiais diversos, coletar provas relativas à prática pelos investigados dos crimes de fraude à licitação, corrupção ativa e passiva, falso documental e peculato, principalmente documentos, arquivos em mídia, HDs, laptops, pen drives, smartphones, arquivos eletrônicos, de qualquer espécie, agendas manuscritas ou eletrônicas e valores.

A Copiadora Exata, WR Editora e a empresa Prime Solution Tiveram também a decretação de sigilo fiscal.

“Intimado, o Ministério Público Federal encampou a representação da autoridade policial e requereu a decretação das prisões preventivas de Marcelo De Carvalho Miranda e José Edmar Brito Miranda Júnior e pelas prisões temporárias de Carlos Gomes Cavalcante Mundim Araújo e Alex Câmara.

Em relação a Marcelo Miranda , a decisão entende que, na esteira do que teria sido aplicado pelo judiciário no caso das prisões dos ex-governadores do Rio de Janeiro e do Paraná, “não existe norma legal que autorize o seu acautelamento em sala de Estado Maior, não havendo qualquer demonstração objetiva de risco à integridade física, moral ou psicológica dele e, por estes motivos, deveria ser aplicada a mesma lógica que incide sobre todo e qualquer cidadão (ID 104760860)”, alega na decisão. Atualmente Miranda está preso há cerca de 40 dias numa sala do Comando Geral.

Outra prisão mantida

Durante audiência de custódia finalizada por volta das 14h40 dessa quinta-feira, 7, o juiz federal João Paulo Abe decidiu por manter a prisão temporária de Alex Câmara.

O magistrado entendeu que sua suposta participação no possível esquema de fraudes em licitações do Governo do Estado é um fato grave e que reuquer a continuidade da prisão temporária de cinco dias para o bom andamento das investigações. Seu depoimento, na Polícia Federal, ontem, durou cerca de 8h.

O outro lado

A defesa da WR Gráfica, representada pela advogado Gedeon Pitaluga, afirma que a empresa sempre cumpriu a legislação e e toda a prestação de serviço foi realizado com licitação.

A empresa também destaca que está a disposição das autoridades policiais e judiciais.

A Gazeta busca ouvir a defesa de todos os citados na Operação Replicantes. O espaço está aberto para posicionamento.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]