Polícia indicia marido pela morte da modelo Caroline Bittencourt

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 17/08/2019

Última atualização em 26/08/2019 13:55

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

A Polícia Civil concluiu nesta sexta-feira (16) o inquérito sobre a morte da modelo Caroline Bittencourt e indiciou o marido dela, o empresário Jorge Nogueira Sestini, por homicídio culposo (quando não há a intenção de matar). O documento foi encaminhado ao Ministério Público para manifestação. Não há prazo para análise.

Se for oferecida denúncia, o empresário vai responder judicialmente pela morte da esposa. A promotoria pode ainda solicitar novas diligências à polícia ou indicar à Justiça o arquivamento.

A modelo morreu ao cair de uma lancha durante um vendaval que atingiu o litoral norte de São Paulo no dia 28 de abril.

No documento, o delegado Vanderlei Pagliarini de Almeida Filho, responsável pela investigação, considerou que Jorge, piloto da embarcação onde estava o casal, agiu de forma imprudente ao atravessar o canal entre São Sebastião e Ilhabela em um veículo não indicado para navegar em condições de tempo ruim. Ventos de mais de 100 km/h atingiram o mar no dia do afogamento da modelo.

A investigação apontou também, com base em relatos e provas oferecidas por uma testemunha, que Jorge sabia da possibilidade de mau tempo. Em depoimento, Leonildo de Oliveira, proprietário da marina de onde saiu a lancha do casal, afirmou à polícia e entregou áudios em que comprovava que avisou Jorge sobre as condições climáticas.

No inquérito, a polícia ainda afirma que Jorge foi negligente a não aconselhar ou mesmo exigir que Caroline utilizasse o colete salva vidas. Ela caiu no mar quando a lancha foi atingida lateralmente por uma onda.

Ao ser arremessada, o marido pulou na água para tentar fazer o resgate, mas não conseguiu.O corpo dela foi achado um dia depois do acidente. O laudo do IML apontou que Caroline morreu por ‘asfixia mecânica por submersão em meio líquido’.

Outro lado

Jorge Nogueira Sestini foi procurado, por meio do pai, Alfredo Sestini, e não quis se manifestar sobre o assunto.

Em depoimento prestado à polícia em uma delegacia em São Paulo, como parte do inquérito, Jorge argumentou que nem ele, nem a esposa, colocaram coletes porque no momento da partida da lancha, as condições climáticas estavam normais e não acharam necessário.

Se for condenado pela morte, a pena por homicídio culposo é de 1 a 3 anos de detenção.

Fonte: G1

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]