Quarta noite do Festival Gastronômico teve mais de 20 mil pessoas, estima PM

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 08/09/2019

Última atualização em 08/09/2019 10:13

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Milhares de famílias subiram à serra e lotaram o distrito de Taquaruçu na quarta noite de Festival Gastronômico, para curtir as atrações musicais e, principalmente, para experimentar as delícias servidas durante o concurso gastronômico que já é tradição na Capital. Segundo a estimativa da Polícia Militar do Tocantins, aproximadamente 20 mil pessoas passaram pelo local nesse sábado, 07.

Nem mesmo algumas filas que se formaram nos estandes no início da noite desanimaram os visitantes que aprovaram o cardápio com 58 pratos feitos com ingredientes já conhecidos dos tocantinenses, como o baru, coco babaçu, biribiri, abacaxi, peixe tambaqui, cajá, surubim, carne de sol, banana da terra e muitos outros sabores.

“A cada ano este festival mostra sua força, hoje temos um público recorde se comparado aos anos anteriores. O FGT cresce em qualidade dos pratos, das atrações, organização da estrutura e em quantidade de visitantes. Todos os dias temos o retorno dos participantes e de todo o trade turístico que está superaquecido, com maior procura nos nossos hotéis, restaurantes, bares e pontos turísticos. O FGT é um sucesso, sem dúvidas”, destacou a prefeita Cinthia Ribeiro.

Em todos os cantos da grande praça Vereador Tarcísio Machado o visitante se sentiu abraçado por uma multidão rica em diversidade cultural e com uma energia muito positiva. “Este é o tom do nosso festival. Esta festa bonita, plural, pacífica, com muitas famílias palmenses e muitos visitantes apreciando a nossa culinária e prestigiando o nosso Distrito”, acrescentou a prefeita Cinthia Ribeiro, durante visita aos estandes.

Comidinhas

O casal Francisco Alves e Maria Assunção provou vários pratos nesta quarta noite e elogiou o capricho na apresentação de cada um deles. “Eu fiquei impressionada com o carinho dos participantes na decoração e ao explicar os ingredientes e origens de seus pratos. É um festival onde a comida tem um significado, tem uma história, um elo com a pessoa que a prepara”, explicou Maria.

Além de apreciar a culinária, o casal ainda aproveitou a noite para curtir a companhia do netinho Bernardo. “É o segundo ano que a gente traz nosso neto. Viemos com nossos filhos também, pois já sabemos que é um ambiente muito tranquilo para curtir com a família”, destacou o senhor Francisco.

A jovem Tallyane Lima Vieira é uma das concorrentes do FGT e explicou que o prato que apresentou neste ano traz uma história muito singular. “É um caldo que mesclou o chambari, muito consumido em Palmas e no Tocantins, com ingredientes do bambá mineiro, como a couve e carnes suínas. Suas origens remetem às senzalas brasileiras, quando os escravos engrossavam caldos com fubá de milho e usavam partes do porco menos apreciadas pelos senhores como o couro e a gordura”, explica a chef.

No festival há espaço para grupos como as amigas hippies que viajam o Brasil participando de eventos e mostrando sua arte. “Nós viemos de São Paulo, do Acre, do Pará e de muitos outros lugares e trazemos para cá não apenas brincos, anéis, colares. Nós trazemos um estilo de vida cheio de significados como, por exemplo, o respeito ao meio ambiente, respeito ao ser humano, a valorização das relações humanas, da amizade e da solidariedade. Nossa causa vai muito além de vender alguma coisa”, disse Milla Aquino, enquanto posa para fotografia rodeada de companheiras na Praça Vereador Tarcísio Machado

Estrutura

A organização dos espaços bem como a limpeza do local onde acontece o Festival e de todo o Distrito também têm chamado a atenção dos visitantes do 13º FGT.

Para o aposentado Francisco Ribeiro da Silva o fator limpeza é muito importante quando se trata de grandes eventos como este. “Ninguém gosta de ficar num ambiente sujo, mal arrumado, vai dando uma energia negativa, né? E este ano estamos vendo que as equipes da Prefeitura estão aqui o tempo todo, há muitas lixeiras e, vejo que as pessoas estão mais conscientes também, procurando diminuir a sua própria bagunça. Isso é muito bom!”, avalia o palmense.

De acordo com a Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seisp), durante todo o festival, equipes de varrição, coleta e palitação estarão presentes no local.

Também foi feito um acréscimo de lixeiras decoradas e 40 contêineres de lixo comum foram colocados em áreas estratégicas para facilitar o acondicionamento do lixo. Na manhã seguinte a cada dia de evento, ocorre então o recolhimento dos resíduos dispostos nos contêineres e lixeiras para encaminhamento ao aterro sanitário, segundo informou a Pasta.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]