Em reunião, representantes dos servidores destacam abertura de diálogo na gestão Carlesse

0
Divulgação

Reunidos com o Governador e candidato à reeleição, Mauro Carlesse (PHS), na noite desta segunda-feira, 24, em Palmas, representantes sindicais dos servidores públicos do Estado destacaram a abertura de diálogo do Governo na busca de soluções para os problemas enfrentados pelas diversas categorias.

Durante a reunião, os sindicalistas entregaram ao Governador pautas de reivindicações de todas as categorias. Todos eles, no entanto, reconheceram a impossibilidade de cumprimento imediato por parte do Estado, sobretudo em função das vedações decorrentes do período eleitoral.

Para o presidente do Sindicato da Polícia Civil do Estado do Tocantins (Sinpol-TO), Ubiratan Rabello (Bira), o encontro foi uma oportunidade de apresentar ao candidato todas as demandas da categoria. “Quando apresentamos [ao Governador] a questão da data-base, ela foi implementada imediatamente pelo Governo. Então, a meu ver, a reunião foi muito produtiva porque, além de apresentarmos as demandas, escritas, estamos tendo a oportunidade de falar sobre elas, pessoalmente”, explicou.

A abertura do diálogo na gestão Carlesse foi lembrada também pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde no Estado do Tocantins (Sintras), Manoel Miranda, que destacou também a importância da reunião para a categoria que representa. “Foi uma reunião muito democrática, pois o Governador sendo reeleito nós vamos discutir essa pauta [de reivindicações] com ele e a sua equipe”, disse.

No encontro, Carlesse reafirmou seu compromisso de manter aberto, permanentemente, o “canal de comunicação” com os servidores públicos por meio de seus representantes. “Nossa gestão sempre manteve, e vai continuar mantendo, esse diálogo permanente com os servidores, pela importância dos serviços prestados por eles a nossa população”, garantiu.

Carlesse, no entanto, lembrou as limitações impostas ao Governo – tanto pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) quanto pela Lei Eleitoral – no sentido de garantir o cumprimento de direitos dos servidores, como o pagamento de promoções e progressões nas carreiras, em muitos casos atrasados há vários anos.

O Governador destacou ainda sua franqueza em relação à capacidade ou limitações do Estado em relação ao cumprimento dos direitos dos servidores públicos estaduais. “No meu Governo sempre houve e sempre haverá diálogo, mas sempre vamos deixar claro o que é possível e o que não é. Por isso, tenho certeza que com diálogo todos vão entender”, concluiu.

Participantes

Além dos representantes sindicais de todas as categorias e do Governador, também participaram do encontro o vice-governador Wanderlei Barbosa; o chefe da Casa Civil, Rolf Vidal; o secretário de Estado da Segurança Pública, Fernando Ubaldo Monteiro Barbosa; e da Fazenda, Sandro Armando.

Saiba as movimentações dos candidatos ao governo desta terça-feira

0
Charge Corrida Eleitoral em Tocantins por Geovar

A corrida eleitoral segue a todo vapor. Confira as movimentações dos cinco candidatos ao Governo nesta terça-feira, 25.  

Mauro Carlesse (PHS)

  • 8h às 14h – Agenda de Governador
  • 16 horas – Caminhada em Gurupi
  • 19h30- Grande Reunião no Jardim Taquari

________________________________________________________________________

Carlos Amastha (PSB)

  • 8h30 – Reunião com padres e bispos em Palmas
  • 10h30 – Reunião com lideranças em Paraíso
  • 14 horas – Reunião com lideranças em Pindorama
  • 16 horas – Reunião com lideranças em Santa Rosa
  • 17h30 – Reunião com lideranças em Chapada da Natividade
  • 20 horas – Reunião com lideranças em Natividade

________________________________________________________________________

Marlon Reis (Rede)

  • 09h: Receberá Conselho Estadual dos Direitos da Criança. Fórum de Defesa e o Cedeca, onde assinará uma carta de compromisso com a preservação dos direitos da criança e do adolescente
  • 12h: Entrevista em emissora de TV
  • 14h30min Caminhada na cidade de Santa Rosa
  • 17h: Visita Brejinho de Nazaré
  • 19h: Palestra na UFT de Gurupi.

________________________________________________________________________

César Simoni (PSL)

  • Sai de Palmas indo visitar algumas cidades no bico do Papagaio voltando para Palmas só dia 26.

________________________________________________________________________

A candidata Bernadete Aparecida (PSOL) não divulgou agenda desta terça-feira, 25.

Amastha intensifica e passa por seis cidades; Candidato aposta em propostas específicas para cada região

0
(Divulgação)

Matia Jose Cotrim

O candidato a Governador, Carlos Amastha passa por seis cidades nesta terça-feira, há 12 dias das eleições. ” Em todas propostas específicas para a região além do sonho de ver o Estado evoluir”, disse.

Amastha começou o dia já comentando sobre o debate na Tv dos dois de outubro na Anhanguera. “Dia 02 o Tocantins exige Carlesse no debate. Nosso futuro nas mãos do próximo governador. Sem ataques, apenas propostas”, disse.

Amastha tem dito que está crescendo em todos os municípios do estado.

AGENDA AMASTHA-40 – Terça-feira, 25

* Terça-feira, 25*

Palmas
8h30 – Reunião com padres e bispos.

Paraíso
10h30 – Reunião com lideranças.

Pindorama
14 horas – Reunião com lideranças.

Santa Rosa
16 horas – Reunião com lideranças.

Chapada da Natividade
17h30 – Reunião com lideranças.

Natividade
20 horas – Reunião com lideranças.

Estudo da OMS descobre que o álcool é responsável por 5% das mortes no mundo

0
(Getty Images)

O álcool é responsável por uma em cada 20 mortes no mundo. É o que diz a mais recente edição de um relatório quadrienal da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O jornal inglês The Guardian escreve que o estudo descobriu que cerca de três milhões de óbitos em 2016 podem ser atribuídos ao álcool. Deles, 2,3 milhões são de homens, e 29% foram causados por ferimentos (incluindo tudo, de acidentes a batidas de carros a suicídios) e não por problemas de saúde.

Outras causas de morte registradas incluem transtornos digestivos (21%) e doenças cardiovasculares (19%). Há, também, “doenças infecciosas, cânceres e transtornos mentais”, além de outras condições causadas pela ingestão da substância, acrescenta a CNN.

De acordo com os dados da OMS, aproximadamente 7,2% das mortes prematuras no planeta estão ligadas ao álcool, assim como 5,3% de todos os óbitos.

O especialista da OMS Dr. Vladimir Poznyak diz que os governos não estão fazendo o suficiente para reduzir o consumo de álcool.

Especialista da OMS em controle de álcool, o Dr. Vladimir Poznyak esteve envolvido no relatório. Ele diz que o fardo do álcool é “inaceitavelmente grande”.

“Infelizmente, a implementação das opções de políticas mais efetivas está muito atrasada em relação à magnitude dos problemas”, diz. Ele ainda acrescenta que as projeções sugerem que o consumo de álcool no mundo e os danos relativos a ele devem aumentar nos próximos anos.

“Os governos precisam fazer mais para atingir as metas globais e reduzir o dano do álcool na sociedade. Isto está claro, e esta ação está ou ausente ou insuficiente na maioria dos países do mundo”, diz Poznyak.

CNN escreve que a pesquisa estima que 2,3 bilhões de pessoas ao redor do mundo consomem álcool. Destes, 237 milhões de homens e 46 milhões de mulheres têm algum tipo de transtorno com ligação causal ao álcool.

O estudo também revelou que os destilados constituem a maior porcentagem do álcool consumido (45%), com a cerveja (34%) e o vinho (12%) logo atrás.

Nos quatro anos desde a edição anterior do estudo, entretanto, a proporção de mortes ligadas ao álcool teve um pequeno decréscimo: antes, o número era de 5,9%.

“Na última década, houve uma reversão constante no pensamento, associando o consumo de álcool a doenças, especificamente concentrado em desafiar a noção disseminada de que beber moderadamente tem um efeito benéfico à saúde, e grandes esforços foram feitos para neutralizar a chamada cultura do consumo excessivo de álcool”, declara Steven Bell, epidemiologista da Universidade de Cambridge, à CNN.

Um grande estudo publicado recentemente na Lancet conclui que, apesar da velha crença popular (incluindo aí a comunidade médica) de que o consumo moderado de álcool pode ser bom para a saúde, os danos superam quaisquer benefícios.

O principal autor desse estudo, Max Griswold, diz ao Gizmodo que “Nós descobrimos que não há, na verdade, nenhum benefício de beber para a sua saúde. O nível mais seguro, de uma perspectiva de saúde, é não beber nada.”

De acordo com a pesquisa, ingerir duas doses de bebida alcoólica por dia aumenta o risco de morte prematura em 7%.

De acordo com o Guardian, Poznyak acredita que o estudo da OMS, na verdade, subestima os malefícios da bebida, pois não inclui os dados de crianças que começam a beber antes dos 15 anos de idade, o que, segundo ele, é comum em “muitos países”.

 

Fonte: Gizmodo Brasil

Eleições 2018: as estratégias dos presidenciáveis para a reta final da campanha

0
- Reprodução Google Imagens

Apenas duas semanas separam os brasileiros do 1º turno das eleições de 2018. Para os dias que ainda restam da disputa presidencial, os candidatos estão terminando de calibrar suas diferentes estratégias para tentar uma vaga no provável segundo turno.

Preso a uma cama de hospital até segunda ordem, Jair Bolsonaro (PSL) lidera as pesquisas e pretende surfar na popularidade já conquistada, enquanto tenta conter declarações polêmicas de pessoas em seu entorno. Em segundo lugar na disputa, Fernando Haddad (PT) planeja continuar viajando a Curitiba (PR) para reforçar sua ligação com seu padrinho político, o ex-presidente Lula, hoje preso na carceragem da Superintendência da Polícia Federal no Paraná.

No pelotão logo abaixo na intenção de votos, segundo as pesquisas mais recentes, Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) almejam seguir a tática de discursar contra a polarização entre o petista e o ex-capitão do Exército.

Tucano e pedetista devem passar mais tempo em São Paulo nas próximas semanas, mas por motivos diferentes: Alckmin precisa reforçar sua votação no Estado onde foi governador por quatro vezes; já Ciro Gomes quer permanecer na cidade que sediará os próximos debates presidenciais na TV. A equipe de Ciro considera que ele tem se saído bem neste tipo de disputa televisiva.

Em queda livre na preferência do eleitorado, Marina Silva (Rede) assumiu postura mais agressiva contra seus principais concorrentes – principalmente Bolsonaro, o PT e o PSDB. A candidata continuará apostando em eleitores indecisos – principalmente mulheres, e sobretudo as de baixa renda. Nos próximos dias, deve concentrar suas agendas em São Paulo e no Rio. No fim de semana da votação, vai a Rio Branco (AC), onde vota.

Na última pesquisa do instituto Datafolha, publicada na quinta-feira, Jair Bolsonaro aparece isolado no primeiro lugar, com 28% das intenções de voto. Fernando Haddad está em 2º, com 16%. Bolsonaro e o petista cresceram nos últimos três levantamentos do Datafolha: há um mês, em 22 de agosto, Bolsonaro tinha 22% do eleitorado, e Haddad apenas 4%. Neste período, Alckmin manteve os mesmos 9%, e Marina caiu de 16% para os atuais 7%. Ciro Gomes está parado em 13% desde o levantamento de 10 de setembro do Datafolha.

Diante das curvas ascendentes de Haddad e Bolsonaro, e das tendências de queda ou estagnação dos adversários, é possível afirmar com certeza que apenas o ex-capitão do Exército e o ex-prefeito petista de São Paulo têm chances de chegar ao segundo turno?

Para o cientista político e professor do Insper Carlos Melo, não necessariamente. É improvável – mas não impossível – que candidatos como Ciro, Alckmin ou até Marina consigam dar a volta por cima antes de 7 de outubro.

“Em 2014, mais ou menos nesta época, eu estava na mesa de um evento com um colega, um analista político respeitado, e ele disse que a Marina Silva estava eleita (para o 2º turno com Dilma Rousseff, do PT). Argumentava ele que, em 90% das situações em que um candidato chega a esta altura da campanha com aquela intenção de voto, acaba eleito. E ela, como se sabe, não foi”, relembra o professor do Insper e colunista do site de notícias UOL.

Em setembro de 2014, Marina Silva (então candidata pelo PSB) dividia a liderança da disputa com Dilma Rousseff (PT). A ex-presidente petista tinha de 40 a 45% do eleitorado, dependendo do cenário, e Marina, de 27 a 31% (Datafolha, 26/09). Aécio Neves (PSDB) estava em terceiro lugar (18 a 21%). Naquele ano, Marina assumiu a cabeça de chapa num momento de comoção pela morte precoce de Eduardo Campos (1965-2014), num acidente aéreo durante a campanha.

Alvo de pesados ataques petistas e tucanos, Marina já estava em trajetória de queda, enquanto Aécio estava crescendo. O senador mineiro só ultrapassou a líder da Rede no último minuto: a primeira pesquisa na qual ele apareceu à frente de Marina foi a do Ibope, em 4 de outubro de 2014.

“As eleições brasileiras são sempre muito emocionantes, até o final. Pelo lado lógico, dos números, podemos afirmar que Bolsonaro e Haddad têm as maiores chances de chegar ao segundo turno. Mas a experiência nos obriga a colocar uma interrogação aí no meio”, diz Melo.

Segundo o professor do Insper, candidatos menos cotados realmente acreditam que, na contramão das pesquisas eleitorais, têm chances de ir ao segundo turno. Membros da elite política costumam ser muito autossuficientes e ter uma autoestima acima da média.

“Eles não insistem nisso (na possibilidade remota de vitória) só porque é a única coisa que podem fazer. Só para cumprir tabela. Dizem isso porque realmente acreditam que podem vencer. E, em alguma medida, podem mesmo”, diz ele.

Nesta reportagem, a BBC News Brasil considerou apenas os candidatos com pelo menos 1% das intenções de voto na última pesquisa Ibope, divulgada nesta segunda-feira (24). São eles: Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Pode), Henrique Meirelles (MDB), João Amoêdo (Novo) e Guilherme Boulos (PSOL).

Além destes, também estão na disputa os candidatos Vera Lúcia (PSTU), Eymael (DC), João Goulart Filho (PPL) e Cabo Daciolo (Patri) – mas estes candidatos tiveram 0% das intenções de voto na pesquisa Ibope.

Conheça as estratégias de cada candidato para a reta final da campanha.

Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro
(Direito de imagemREUTERS Image caption) Aposta do PSL é de continuar surfando na popularidade já conquistada por Bolsonaro e se beneficiar da falta de exposição

Depois de sofrer uma facada em um comício em Juiz de Fora no dia 6 de setembro, o candidato do PSL segue internado e sem previsão de alta no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Na reta final da campanha, nada de debates, viagens ou comícios – situação sui generis para um político à frente das pesquisas.

A julgar pelas declarações de fontes ouvidas pela BBC News Brasil, a aposta é de continuar a surfar na popularidade já conquistada e se beneficiar da falta de exposição imposta pela convalescência, além da solidariedade do eleitor com ele após o ataque de violência física.

As aparições em vídeo do candidato-paciente no hospital devem se tornar mais frequentes, com transmissões ao vivo diárias “para conversar com a população” – sempre respeitando os limites estabelecidos pela equipe médica, afirma o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

“Nossa segunda linha de ação é chamar os apoiadores para carreatas, bandeiraços e movimentos de rua, para ocupar o espaço que o atentado político impediu o capitão de ocupar”, afirma Lorenzoni, que atua na articulação política da campanha. “É uma troca de guarda. Enquanto o capitão se recupera no hospital, a militância vai para a rua de verde e amarelo.”

Paralelamente, a campanha se ocupa de evitar danos à sua imagem de Bolsonaro e apagar incêndios, como as polêmicas geradas na semana passada por declarações do candidato a vice, general Hamilton Mourão (que falou que lares geridos apenas por mães e avós seriam “fábricas de desajustados”), e do coordenador do programa econômico, Paulo Guedes. As declarações deste último sobre a criação de um imposto semelhante à CPMF repercutiram mal e foram negadas por Bolsonaro nas redes. Mais tarde, porém, o candidato defendeu Guedes em entrevista à Folha de S. Paulo.

“A campanha vai ser a mesma que vem sendo feita”, diz Luciano Bivar, presidente licenciado do PSL. “Nosso discurso não é fabricado, é verdadeiro. Não tem por que mudar”, afirma, dizendo-se esperançoso em uma vitória “já no primeiro turno”.

Desde o atentado, a intenção de votos em Bolsonaro pulou de 22% para 28%, segundo Ibope e Datafolha. Sua rejeição, entretanto, ainda é a mais alta, chegando a 43% na pesquisa Datafolha.

No próximo sábado, Bolsonaro enfrentará uma série de protestos convocados em diferentes cidades pelo movimento Mulheres Unidas Contra Bolsonaro.

“É o que tem maior potencial de mudar a intenção de votos até as eleições”, considera o cientista político Maurício Santoro, da Uerj. “É uma rara iniciativa política que conseguiu ultrapassar limites entre direita e esquerda na campanha.”

Bivar diz não se preocupar. “Absolutamente não. Isso é um exagero. São meia dúzia de artistas de TV (convocando os protestos). As informações que temos é que as mulheres estão distantes disso”, afirma, apesar de o grupo ter 2,7 milhões de participantes nas redes sociais.

Nesta reta final, há ainda o desafio de manter coesa uma campanha que era centralizada em Bolsonaro, mas vem sendo marcada por desavenças e disputas com o líder acamado.

“Desde o atentado, fecharam o cerco e ninguém consegue chegar perto do Bolsonaro”, diz uma fonte próxima ao deputado, ressentida contra o controle estabelecido por Gustavo Bebianno, presidente interino do PSL, e sua esposa, Renata. Nenhum dos dois atendeu a sucessivos pedidos de contato da reportagem.

“Eles tomaram a assessoria de comunicação, as agendas e não atendem ninguém”, diz a fonte. “Liga gente do Brasil todo pedindo material para caminhadas, carreatas, mas ninguém atende, não tem material. Está difícil para fazer campanha.”

O único plano na agenda de Jair Bolsonaro fora do hospital, por enquanto, é votar na Vila Militar, no Rio, no dia 7 de outubro.

Fernando Haddad

Fernando Haddad
(Direito de imagemGETTY IMAGES Image caption) Haddad deve se dedicar nas próximas semanas a conquistar a transferência de votos do ex-presidente Lula

Nos últimos dias, a reportagem da BBC News Brasil ouviu uma mesma avaliação de quatro fontes distintas no entorno de Fernando Haddad: ainda não está concluído o processo de transferência de votos do ex-presidente Lula para ele. Por isso, as próximas semanas serão dedicadas a reforçar a ligação entre os dois.

Cumprindo com um acerto pessoal com o ex-presidente, Haddad continuará visitando Lula em sua cela de Curitiba. O candidato irá à capital paranaense nesta segunda-feira e na próxima segunda, dia 1º de outubro.

Presidente de honra do PT, Lula está preso em Curitiba desde abril deste ano, após ser condenado pela segunda instância da Justiça no caso do tríplex do Guarujá. Na madrugada do dia 1º de setembro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou o registro da candidatura do ex-presidente – Haddad só foi oficializado como candidato pelo PT em 11 de setembro.

Um dos petistas ouvidos pela BBC News Brasil usou o Estado de Pernambuco como exemplo da ideia de que a transferência ainda não acabou. Em 21 de agosto, pesquisa do Ibope indicou que Lula tinha 62% das intenções de voto no Estado onde nasceu. Na semana passada, outra pesquisa do mesmo instituto mostrou Haddad liderando no Estado, mas com apenas 26% dos votos.

O roteiro de viagens de Haddad inclui Estados aos quais ele ainda não foi: esta semana, irá a Manaus (AM) e Belém (PA). Também participará dos debates televisivos entre candidatos no SBT (quarta-feira) e Record (domingo). Para os próximos dias, há a previsão de voltar ao Rio de Janeiro e ir também a Goiânia (GO) e Porto Alegre (RS), base eleitoral da candidata a vice de Haddad, Manuela D’Ávila (PCdoB).

No discurso, Haddad deve fazer poucos ataques a outros candidatos que não Jair Bolsonaro: não faz sentido, dizem pessoas da campanha, dar palanque para adversários que estão abaixo do petista nas pesquisas. “Vamos manter a linha propositiva. Sem ataques. Ele vai frisar o papel que teve como ministro da Educação de Lula (2005-2012) e reiterar as promessas de geração de emprego, de retomada da economia”, diz uma fonte.

“Outra coisa que entrou no nosso radar, como um eleitor a ser buscado, é o voto de esquerda, de classe média, do sudeste e do Sul. É um público que começou um movimento de migração para o Ciro (Gomes), e que a gente quer trazer de volta”, diz a mesma pessoa ligada à campanha.

Nos próximos dias, o PT quer também botar a máquina partidária para funcionar: atos de rua e carreatas foram convocados para este fim de semana em todas as 95 cidades com mais de 200 mil habitantes do país, e a ideia é que sejam realizados pelos núcleos petistas nestes locais.

Ao mesmo tempo, Haddad e economistas ligados a ele têm mantido conversas regulares com investidores e profissionais do mercado financeiro: o objetivo é desfazer a ideia de que ele é tão extremista quanto seu provável adversário no segundo turno, Bolsonaro – nem sempre de forma bem sucedida.

Neste sábado, a campanha do petista foi representada pelo economista Guilherme Mello numa conferência de investidores da empresa XP Investimentos, em São Paulo. Mello foi vaiado quando mencionou o ex-presidente Lula, que “infelizmente não pode ser candidato”. “Entendo que temos diferenças de opinião, mas devemos ouvir os projetos com calma, sem rancor”, disse Mello em resposta.

Ciro Gomes

Ciro Gomes
(Direito de imagemREUTERS Image caption) Nas próximas semanas, Ciro deve ficar mais tempo em São Paulo, onde ocorre a maior parte dos debates

Na corrida para tentar ultrapassar Haddad e chegar ao segundo turno, Cirorealizou uma maratona por nove estados entre a sexta-feira e esta segunda, com foco principal no Nordeste, reduto do eleitorado lulista e também onde ele, ex-governador do Ceará (1991-1994), tem ido melhor nas pesquisas. A agenda previa compromissos no Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão, Pernambuco e Rio de Janeiro.

A previsão para as próximas duas semanas, porém, é desacelerar e ficar mais tempo em São Paulo, onde ocorrerão os próximos debates presidenciais em redes de televisão, do SBT (nesta quarta), da Record (no próximo domingo). Em 4 de outubro, a Globo realiza o último debate presidencial, no Rio de Janeiro. Ciro deve ficar na cidade também nos dias anteriores, se preparando para os embates.

Sua campanha entende que o candidato vai bem no enfrentamento com os concorrentes e por isso esses três confrontos serão estratégicos para alavancar seus votos. O candidato do PDT quer reforçar propostas de grande apelo popular nas áreas de saúde e educação, assim como a promessa de renegociar as dívidas de brasileiros com o nome no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

Mas o debate não será apenas propositivo: Ciro também vai mirar os líderes nas pesquisas. Segundo o presidente do PDT, Carlos Lupi, Ciro tentará se mostrar como melhor opção entre os “extremos”. A estratégia indica uma tentativa de reposicionar o candidato – bastante associado ao campo da esquerda nessa eleição – mais ao centro.

“Vamos continuar com essa linha de ser opção independente, que saia dessa polarização de ódio, entre ‘coxinhas’ e ‘mortadelas’. Mostrar tanto o que representa o Bolsonaro, de atraso, de retrocesso para o país, quanto o Haddad, de inexperiência, de uma candidatura dependente do que o partido e seu comandante (Lula) quiserem”, disse Lupi à BBC News Brasil.

O estilo assertivo do candidato, que às vezes gera acusações de agressividade, no entanto, não deve ser modificado, já que há uma percepção de que o eleitor nesta eleição está mais propenso ao discurso menos moderado.

Para o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, o cenário está difícil para Ciro porque as pesquisas têm mostrado uma rápida transferência de votos de Lula para Haddad, que tende a continuar, colocando petista no segundo turno contra Bolsonaro.

Na sua avaliação, Ciro pode ter uma chance de atrair o voto útil e ultrapassar Haddad se continuar aparecendo nas pesquisas próximo a ele no primeiro turno, e com mais chances de vencer Bolsonaro no segundo.

“O último Datafolha segue indicando isso, mas o Ibope já mostrou Haddad bem na frente e Ciro com menos força no segundo turno”, diz Cortez.

Geraldo Alckmin

Geraldo Alckmin
(Direito de imagemGETTY IMAGES Image captionO) Foco principal da campanha de Alckmin será São Paulo, Estado que o reelegeu governador em primeiro turno com 57% dos votos em 2014

Contrariando as expectativas de muitos analistas políticos, o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, mesmo sendo dono do maior tempo de propaganda eleitoral de rádio e TV, não conseguiu deslanchar nas pesquisas de intenção de voto. Na última semana, ele apareceu com 6% no levantamento do Ibope e 9% no do Datafolha, empatado com Marina Silva (Rede) em quarto lugar, atrás de Bolsonaro (PSL), Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT).

Segundo aliados ouvidos pela BBC News Brasil, após visitas a Estados do Nordeste no último fim de semana, o tucano tem programado também compromissos no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. O foco principal da campanha, porém, será São Paulo, Estado que o reelegeu governador em primeiro turno com 57% dos votos em 2014 e é o maior colégio eleitoral do país (soma 33 milhões de eleitores, 22,5% de todos os 147 milhões de votantes do país).

Segundo recente pesquisa Ibope, Alckmin tem hoje apenas 13% de intenção de voto entre os paulistas, mesmo percentual de Haddad. Bolsonaro lidera a preferência no Estado, com 30%.

“O foco específico agora é São Paulo, é onde ele tem mais potencial (para crescer). Aqui historicamente temos mais de 40% dos votos. Queremos reverter essas pesquisas e só se faz isso com mobilização, presença”, afirma o deputado federal Silvio Torres (SP), tesoureiro do PSDB.

“São Paulo é onde ele pode ter resposta mais rápida”, concorda Roberto Freire, presidente do PPS, um dos partidos que apoiam Alckmin.

A campanha de Alckmin também adotou tom mais pesado nos ataques a Bolsonaro e Haddad na última semana. A intenção é reforçar a mensagem de que – ao contrário dos outros dois – o ex-governador de São Paulo tem experiência e apoio de partidos com peso no Congresso para aprovar suas propostas caso eleito.

“A estratégia é continuar mostrando as fragilidades do Bolsonaro e a necessidade de fazer o voto útil (em Alckmin), ressaltando que botar o Bolsonaro no segundo turno (contra o Haddad) certamente vai trazer o PT de volta pro governo”, reforça Torres.

Segundo analistas ouvidos pela BBC News Brasil, faz sentido o tucano focar a campanha em casa, embora os votos em Bolsonaro pareçam consolidados e de difícil reversão.

“Não adianta buscar outros eleitores, sem antes garantir o apoio em sua base. Se ele recuperar votos em São Paulo e subir um pouco nas pesquisas, pode conseguir convencer outros eleitores a fazer o voto útil”, afirma o cientista político Jairo Pimentel Jr, pesquisador da FGV.

Na avaliação de Rafael Cortez, o mau desempenho de Alckmin em São Paulo reflete o desgaste do PSDB devido à Lava Jato e ao apoio ao governo de Michel Temer – isso levou parte do seu eleitorado, fortemente anti-PT, a migrar para Bolsonaro.

Além disso, ressalta Cortez, o cenário para campanha tucana no Estado é dificultado por dois fatores: o aumento da rejeição a João Doria, que deixou a prefeitura paulistana para concorrer ao governo pelo PSDB, e o “palanque duplo”, já que Márcio França (PSB), que vice de Alckmin e assumiu o comando de São Paulo em abril, está tentando a reeleição. Na quinta-feira, Alckmin fez campanha em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, e nenhum dos dois apareceu.

Marina Silva

Marina Silva
(Direito de imagemREUTERS Image caption) Marina tem se dedicado a criticar os partidos tradicionais, batendo na tecla da renovação da política

Marina disputa sua terceira eleição presidencial. Em sabatinas e falas públicas, a candidata da Rede Sustentabilidade tem se dedicado a criticar os partidos tradicionais, batendo na tecla da renovação da política. “Os que já tiveram uma chance, como PT, MDB e PSDB, que não aproveitaram essa chance, que a usaram para enriquecimento ilícito e para levar o Brasil ao fundo do poço, podem também esclarecer para o povo brasileiro o porquê deles agora quererem voltar”, disse ela no fim da semana passada, no interior de São Paulo.

Em queda livre nas pesquisas, Marina enfrenta uma série de dificuldades para evitar a fuga de eleitores – falta de dinheiro e os escassos 16 segundos de TV são os principais problemas. Dos cinco presidenciáveis mais bem colocados, Marina é a que tem a segunda campanha mais franciscana, atrás apenas de Bolsonaro. Ela declarou até agora ter recebido R$ 5,3 milhões do Fundo Eleitoral, enquanto Alckmin já abocanhou R$ 49,3 milhões da mesma rubrica. Haddad e Ciro Gomes já receberam, cada um, cerca de R$ 20 milhões do Fundo.

A restrição financeira diminui a capacidade da campanha de Marina de reagir a mudanças na conjuntura – os vídeos são um exemplo do horário eleitoral são um exemplo. O lote atual, com 13 filmetes, começou a ir ao ar depois que Haddad foi oficializado candidato do PT. Para compensar essas deficiências, Marina intensificará os eventos de rua, inclusive fora do eixo Rio-São Paulo-Brasília, segundo integrantes da campanha.

O foco da Rede continua sendo a busca do eleitor indeciso – ou seja, mulheres, principalmente de menor renda. “Tanto os nossos trackings (pesquisas internas) quanto Ibope e Datafolha mostram que a maior parte das mulheres segue indecisa. Como Marina é a única candidata mulher entre os primeiros colocados, ela desde sempre tem mirado esse público. Mas existe também um eleitor jovem, de classe média (a ser buscado)”, diz um assessor. De fato, a última pesquisa Datafolha mostra que 51% das mulheres ainda não decidiram em quem votar.

Para a próxima semana, a agenda da candidata prevê uma viagem ao Recife (PE), e depois ao Rio de Janeiro, onde ela participa do último debate presidencial na TV antes do primeiro turno, na Rede Globo. No fim de semana das eleições, Marina deve retornar ao Acre, onde votará.

Alvaro Dias

Álvaro Dias
Alvaro Dias (Pode) reforçará seu discurso contra o ‘voto útil’

Alvaro Dias (Pode) reforçará seu discurso contra o “voto útil” – e o alvo da pregação é o candidato tucano, Geraldo Alckmin. “O Alckmin entrou nesta linha de que votar em Alvaro e João Amoêdo é ajudar a eleger o PT. O que o senador vai enfatizar é que este ‘voto útil’ é, na verdade, inútil. Que as pessoas deveriam votar conforme suas convicções, e não no ‘mal menor'”, diz uma assessora de Dias.

Na última pesquisa Datafolha, o candidato tinha 3% das intenções de voto.

“Ele vai frisar que o verdadeiro voto útil é aquele em quem tem experiência administrativa e ficha limpa”, diz a colaboradora. “Alvaro vai defender o próprio legado, falar de seus feitos como governador do Paraná (1987-1991) e como senador (desde 1999). E apontar o histórico dos adversários: Bolsonaro hoje fala contra a corrupção, mas votou junto com o PT várias vezes no Congresso, apoiou Lula em 2002”, diz ela.

Atualmente senador pelo Podemos do Paraná, Alvaro Dias confirmou presença nos próximos três debates televisivos – SBT, Record e Globo. Apoiado por uma aliança de quatro pequenos partidos, Dias focou sua campanha no combate à corrupção. Chegou a dizer que convidaria o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos casos da Lava Jato no Paraná, para seu ministério. Moro não se manifestou sobre o convite.

João Amoêdo

João Amoêdo
Com 5 segundo de TV e sem participar de debates, Amoêdo aposta em viagens, contato cara-a-cara e inserções nas redes sociais

 

Candidato da primeira disputa presidencial do Partido Novo, que ajudou a fundar em 2015, Amoêdo tem viajado o Brasil com a missão de tornar a legenda, suas ideias e seu nome conhecidos entre os eleitores. Atualmente conta com 3% das intenções de voto, segundo o Datafolha, e 2%, de acordo com o Ibope.

A peregrinação continuará nas duas semanas antes do pleito, com planos de visitar Maringá e Londrina (PR), saudar comerciantes no comércio popular da rua Saara, no Rio, encontrar delegados de polícia em São Paulo (SP) e almoçar com apoiadores em Novo Hamburgo (RS).

Com apenas cinco segundos de tempo de TV e sem direito de participar de debates – já que seu partido, criado após as eleições de 2014, ainda não tem congressistas – Amoêdo seguirá apostando em viagens, contato cara-a-cara e inserções nas redes sociais.

Para Lara Mesquita, pesquisadora do Centro de Política e Economia do Setor Público (Cepesp), da FGV, a exposição poderá ser importante para futuros pleitos, mas o mais importante para o Novo no momento é assegurar uma votação expressiva para ter uma boa bancada no Legislativo, influência que a campanha presidencial pode exercer nessa reta final.

“Por mais que o Novo diga que não quer fazer uso de recursos públicos, se ele não conseguir passar dos 1,5% de votos distribuídos por nove Estados, não vai ter acesso a recursos públicos muito importantes no próximo ciclo, como tempo de TV e rádio e o fundo partidário”, afirma.

Henrique Meirelles

Henrique Meirelles
(Direito de imagemJOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL Image caption) Estratégia de Meirelles é continuar se apresentando como o homem que fez o Brasil crescer quando foi presidente do Banco Central do governo Lula e que “arrumou a economia” como ministro de Michel Temer

O candidato do MDB, Henrique Meirelles, já despejou, de sua fortuna pessoal, mais de R$ 44 milhões na corrida presidencial, mas ainda assim segue com apenas 2% nas pesquisas de intenção de voto segundo o Datafolha. A assessoria do candidato não soube dizer se haverá novos aportes de dinheiro nas duas últimas semanas – sua campanha, até agora, é a mais rica.

A estratégia é continuar apresentando Meirelles como o homem que fez o Brasil crescer quando foi presidente do Banco Central do governo Lula, de 2003 a 2010, e que “arrumou a economia” após o governo Dilma, como ministro da Fazenda de Michel Temer.

Ele também tenta se colocar como a melhor alternativa entre os “extremos”, um espaço de campanha já congestionado por outras candidaturas mais competitivas, como Ciro, Alckmin e Marina.

Para o cientista político Jairo Pimentel, a enorme impopularidade do governo Temer, do MDB, dificulta muito que Meirelles suba nas pesquisas apesar da rica campanha. O grande número de candidaturas no centro é outro empecilho, destaca.

Guilherme Boulos

Guilherme Boulos
(Direito de imagemMARCELO CASAL JR / AGÊNCIA BRASIL Image caption) O candidato do PSOL continuará com as transmissões ao vivo em redes sociais durante o horário eleitoral

As últimas duas semanas da candidatura de Guilherme Boulos começarão, como as anteriores, com Café com Boulos, o programa ao vivo que o candidato do PSOL tem feito nas redes sociais todas as segundas-feiras pela manhã. O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) buscará manter ativa a interlocução com potenciais eleitores, seguindo com a estratégia de fazer lives durante a programação eleitoral gratuita sempre que possível para compensar pelos apenas 13 segundos que tem na TV.

Boulos também participará de mais dois comícios de um total de 11 realizados durante sua campanha em diferentes cidades. Nos últimos dias, esteve em Salvador e Fortaleza, e na semana que vem saudará seus eleitores em Porto Alegre e no Rio de Janeiro. O candidato do PSOL estará nos debates televisivos da SBT, da Record e da TV Globo.

Tanto no palanque quanto nas aparições televisivas, o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, diz que uma das prioridades é investir na visibilidade de pautas negligenciadas por outros partidos, mas caras à candidatura, como a descriminalização das drogas, a defesa dos direitos das mulheres e da população LGBT, o combate a privilégios e reformas no sistema político e no Judiciário, enumera.

“Vamos ressaltar que somos quem defende essas causas com mais força e que isso justifica o voto na nossa candidatura, rejeitando a tentação do chamado voto útil”, afirma.

Fonte: BBC News

Na reta final Claudia Lélis reúne centenas de pessoas em reunião no Aureny III e afirma “cortar gastos será prioridade”

0
Divulgação

Durante grande reunião no Aureny III na noite desta segunda-feira,24, a candidata à Assembleia Legislativa, Cláudia Lélis, PV, discursou para dezenas de moradores e lideranças. Ao lado do candidato ao Senado Irajá Abreu, e do candidato a deputado federal , Carlos Gaguim, Cláudia reforçou o corte de gastos na Assembleia caso seja eleita para o cargo e foi bastante aplaudida pelos presentes.

“ Quero fazer um mandato popular, com as portas abertas para todos, com total transparência de todos os meus atos, e tenham certeza serei uma fiscal das ações do governo do estado. Me comprometo a denunciar todo ato ilegal que tiver conhecimento. Porque somente com redução de gastos, economia nas contas públicas, vamos conseguir ter recursos para saúde, segurança e educação e tenham sido certeza serei firme nesta questão”, destacou Lélis.

Faltando apenas 13 dias para as eleições a candidata reforçou na reunião que pretende intensificar sua agenda com reuniões em Palmas e viagens para o interior.

“Eu irei caminhar em diversas partes da nossa Capital, vou para o interior e quero contar com o apoio de cada um para me ajudar nesta reta final. Porque juntos somos mais fortes e tenho certeza que nossa vitória é certa, porque com as benções de Deus e o voto do eleitor tocantinense serei eleita deputada. E Tenham certeza meus amigos farei o melhor mandato deste Estado, trabalharei muito para melhorar a vida do povo deste Estado”, disse Lélis.

Faltam 12 dias: prazo para tirar 2ª via do título eleitoral termina nesta quinta-feira (27)

0
Titulo eleitoral
Termina nesta quinta-feira (27), dez dias antes do primeiro turno do pleito, o prazo para o eleitor solicitar a segunda via do título no cartório eleitoral da zona onde está cadastrado. A previsão consta no artigo 52 do Código Eleitoral.

É importante ressaltar que, para a emissão da segunda via do título, o eleitor deve estar quite com a Justiça Eleitoral, ou seja, não poderá ter débitos pendentes, como multas por ausência às urnas ou aos trabalhos eleitorais, como o de mesário, ou ainda ter recebido multas em razão de violação de dispositivos do Código Eleitoral (Lei 4.737/1965), da Lei das Eleições (Lei 9.504/1997) e leis conexas.

Multas devem ser pagas por meio de Guia de Recolhimento da União (GRU) emitida pelo cartório eleitoral e podem variar de R$ 1,05 a R$ 35,14.

Outros documentos

O título de eleitor não é o único documento que possibilita a participação nas eleições. O eleitor pode se apresentar à mesa de votação trazendo consigo qualquer documento oficial com foto, como a carteira de identidade, carteira de trabalho, carteira de motorista ou o passaporte, por exemplo.

O cidadão cuja inscrição eleitoral estiver em situação regular tem como alternativa ao título de papel a versão digital do documento, que pode ser obtida gratuitamente por meio do aplicativo e-Título, disponível para dispositivos móveis nas lojas virtuais Apple Store e Google Play.

O e-Título também serve como documento de identificação do eleitor caso ele já tenha feito o recadastramento biométrico. Isso porque a versão digital será baixada com foto, o que dispensa a apresentação de outro documento de identificação no momento do voto.

O aplicativo informa o local de votação e, por meio de ferramentas de geolocalização, guia o usuário até sua seção eleitoral. Além disso, ele também oferece serviços como a emissão de certidões de quitação eleitoral e negativa de crimes eleitorais.

O local de votação também pode ser conhecido no portal do TSE, por meio da seção Serviços ao eleitor > Título de eleitor > Título e local de votação. A consulta pode ser feita pelo nome do eleitor ou número do título, data de nascimento e nome da mãe.

Os eleitores que perderam o prazo final do alistamento, no dia 9 de maio, não poderão votar nas Eleições de 2018. Essa foi a data-limite para requerer inscrição eleitoral, transferência de domicílio, alteração de título eleitoral ou transferência para seção eleitoral especial (eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida).

Os eleitores com deficiência ou dificuldade de locomoção que perderam o prazo ou pessoas que passaram a ter essa condição após 9 de maio também puderam requerer a transferência do local de votação do dia 17 de agosto até o dia 23 de agosto.

 

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral

Disputa ao Senado esquenta e candidatos correm na busca do diferencial e da preferência

0
Divulgação

Maria José Cotrim

A corrida ao Senado está disputadíssima e cada candidato segue sua estratégia de ir ao máximo de municípios por dia na busca pela preferência. São duas vagas e oito anos trabalhando pelo Estado.

Disputa ao Senado esquenta e candidatos correm na busca do diferencial e da preferência
– Divulgação

O candidato Vicentinho Alves mesmo estando na frente das pesquisas na avisou: continua na luta pelo voto em todos os locais. Ele segue voltando a cidades estratégicas com aliados.

Disputa ao Senado esquenta e candidatos correm na busca do diferencial e da preferência
Divulgação

O candidato Eduardo Gomes que comemora o crescimento de sua candidatura, também mostrado pelas pesquisas, também acelerou a campanha e faz movimentações junto a novos apoiadores. Ele tem recebido apoio de várias categorias e explorado bem suas propostas.

Disputa ao Senado esquenta e candidatos correm na busca do diferencial e da preferência
(Divulgação)

O candidato Iraja Abreu também segue bem cotado nas pesquisas e faz a campanha do corpo a corpo nos municípios e por onde passa faz grandes mobilizações. Com apoios em todos os grupos, ele segue levando seus projetos e defendendo que quer o senador mais jovem da história.

Disputa ao Senado esquenta e candidatos correm na busca do diferencial e da preferência
(Divulgação)

O candidato Ataides Oliveira do PSDB também movimenta as bases com agendas durante todo o dia e em várias regiões do Estado.

Disputa ao Senado esquenta e candidatos correm na busca do diferencial e da preferência
(Foto: Benhur de Sousa)

Do PT, Paulo Mourão expandiu a campanha em todo o Estado e a militância do PT intensifica a defesa do nome dele pegando carona também no crescimento do presidenciável da legenda, Fernando Hadadd.

Disputa ao Senado esquenta e candidatos correm na busca do diferencial e da preferência
Divulgação

César Halum após correr o Bico do papagaio voltou à Palmas onde segue recebendo apoios e fazendo mobilizações importantes.

Os demais candidatos seguem as mobilizações também pelo Estado.

Após Palmas e Araguaína, regiões do Bico, de Miracema e do Sul do Estado concentram mais eleitores

0

Maria José Cotrim

Os 13 maiores municípios do Tocantins somam 551.896 mil eleitores, ou seja, 53,1% dos Tocantinenses aptos a votar nestas eleições.

Os municípios são Palmas, Araguaína, Gurupi, Porto Nacional, Paraíso do Tocantins, Colinas do Tocantins, Araguatins, Guaraí, Tocantinópolis, Miracema do Tocantins, Formoso do Araguaia, Dianópolis e Taguatinga.

Os menores colégios eleitorais do Estado São: São Felix do Tocantins, Crixás, Ipueiras, Sucupira, Oliveira de Fátima, Lavandeira, Centenário e Brasilândia.

Ao todo são 1.039.913 milhões de eleitores.

Por microrregiões do Estado as que concentram mais votos são: de Palmas (25,24% dos eleitores), de Araguaína (19,2% dos eleitores), Bico do Papagaio (13,34% dos votos), Miracema com 10,4%, seguida por Gurupi com 10%, microrregião do Rio Formoso com 8,5%, de Dianópolis com 8,4% e do Jalapão com 5,02%.

Veja abaixo os municípios de cada microrregião:

ELEITORADO DO TOCANTINS – 2018

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

Bico do Papagaio

•    Aguiarnópolis                    3.459

•    Ananás                        6.882

•    Angico                        2.344

•    Araguatins                    20.894

•    Augustinópolis                12.013

•    Axixá do Tocantins                8.116

•    Buriti do Tocantins                5.925

•    Taguatinga                    10.441

•    Carrasco Bonito                2.758

•    Darcinópolis                    3.883

•    Esperantina                    5.710

•    Itaguatins                    4.242

•    Luzinópolis                    2.108

•    Maurilândia do Tocantins        2.639

•    Nazaré                        3.663

•    Palmeiras do Tocantins            3.742

•    Praia Norte                    5.095

•    Riachinho                    3.231

•    Sampaio                        3.031

•    Santa Terezinha do Tocantins    1.858

•    São Bento do Tocantins            4.020

•    São Miguel do Tocantins        6.789

•    São Sebastião do Tocantins        2.938

•    Sítio Novo do Tocantins            7.145

•    Tocantinópolis                14.506

Municípios: 25                Total: 138.802

Sudeste

•    Almas                        4.785

•    Arraias                        7.763

•    Aurora do Tocantins            2.984

•    Chapada da Natividade            2.629

•    Combinado                    3.519

•    Conceição do Tocantins        3.190

•    Dianópolis                    12.635

•    Lavandeira                    1.629

•    Natividade                    6.303

•    Novo Alegre                    1.874

•    Novo Jardim                    1.999

•    Paranã                        7.748

•    Pindorama do Tocantins        3.320

•    Ponte Alta do Bom Jesus        3.357

•    Porto Alegre do Tocantins        2.191

•    Rio da Conceição                1.791

•    Santa Rosa do Tocantins        3.686

•    São Valério da Natividade        3.354

•    Taguatinga                    10.441

•    Taipas do Tocantins            1.735

Municípios: 20                        Total: 86.933

Sul do Tocantins

Gurupi                            57.268

Aliança do Tocantins                4.101

Alvorada                            6.766

Brejinho de Nazaré                    3.839

Cariri do Tocantins                    3.175

Crixás do Tocantins                1.405

Figueirópolis                        4.177

Jaú do Tocantins                    2.562

Palmeirópolis                        5.359

Peixe                            6.984

Santa Rita do Tocantins                1.786

São Salvador do Tocantins            2.261

Sucupira                            1.525

Talismã                            2.396

Municípios: 13                    Total: 103.604

Microrregião de Miracema do Tocantins

•    Abreulândia                    2.062

•    Araguacema                    4.601

•    Barrolândia                    4.340

•    Bernardo Sayão                3.154

•    Brasilândia do Tocantins        1.680

•    Caseara                        3.466

•    Colméia                        6.226

•    Couto de Magalhães            3.782

•    Divinópolis do Tocantins        5.314

•    Dois Irmãos do Tocantins        4.735

•    Fortaleza do Tabocão            2.727

•    Goianorte                    3.844

•    Guaraí                        16.578

•    Itaporã do Tocantins            1.989

•    Juarina                        1.945

•    Marianópolis do Tocantins        3.015

•    Miracema do Tocantins            14.374

•    Miranorte                        9.695

•    Monte Santo do Tocantins        2.276

•    Pequizeiro                    3.714

•    Presidente Kennedy            2.661

•    Rio dos Bois                    2.197

•    Tupirama                        1.793

•    Tupiratins                    1.790

Municípios: 24                    Total: 107.958

Microrregião de Palmas

•    Aparecida do Rio Negro            3.551

•    Bom Jesus do Tocantins        3.036

•    Ipueiras                        1.505

•    Lajeado                        3.291

•    Monte do Carmo                4.532

•    Palmas                        185.509

•    Pedro Afonso                    9.560

•    Porto Nacional                40.342

•    Santa Maria do Tocantins        2.236

•    Silvanópolis                    4.205

•    Tocantínia                    4.734

Municípios: 11                Total: 262.501

Microrregião da Araguaína

•    Aragominas                    4.031

•    Araguaína                    110.221

•    Araguanã                    3.446

•    Arapoema                    4.572

•    Babaçulândia                    5.956

•    Bandeirantes do Tocantins        2.364

•    Carmolândia                    1.965

•    Colinas do Tocantins            23.098

•    Filadélfia                        5.855

•    Muricilândia                    2.166

•    Nova Olinda                    7.595

•    Palmeirante                    3.288

•    Pau-d’Arco                    3.367

•    Piraquê                        2.124

•    Santa Fé do Araguaia            4.507

•    Wanderlândia                    6.517

•    Xambioá                        8.274

Municípios: 17                Total: 199.346

Microrregião do Rio Formoso

•    Araguaçu                        6.389

•    Chapada de Areia                1.943

•    Cristalândia                    5.341

•    Dueré                        3.149

•    Fátima                        2.952

•    Formoso do Araguaia            13.425

•    Lagoa da Confusão            8.104

•    Nova Rosalândia                2.730

•    Oliveira de Fátima                1.601

•    Paraíso do Tocantins            32.605

•    Pium                        5.351

•    Pugmil                        1.911

•    Sandolândia                    3.045

Municípios: 13                Total: 88.546

Microrregião do Jalapão

•    Barra do Ouro                    3.409

•    Campos Lindos                5.295

•    Centenário                    1.649

•    Goiatins                        7.498

•    Itacajá                        5.421

•    Itapiratins                    2.728

•    Lagoa do Tocantins            2.777

•    Lizarda                        2.905

•    Mateiros                        1.709

•    Novo Acordo                    3.839

•    Ponte Alta do Tocantins            5.026

•    Recursolândia                    2.378

•    Rio Sono                        3.775

•    Santa Tereza do Tocantins        2.430

•    São Félix do Tocantins            1.384

Municípios: 15            Total: 52.223

Eleitorado por região

Bico do Papagaio                    138.802    13,34%

Sudeste (Microrregião de Dianópolis)     86.933    8,4%

Sul do TO (Microrregião de Gurupi)    103.604    10%

Microrregião de Miracema            107.958    10,4%

Microrregião de Palmas                262.501    25,24%

Microrregião da Araguaína            199.346    19,2%

Microrregião do Rio Formoso        88.546    8,5%

Microrregião do Jalapão            52.223    5,02%

Total Geral:                             1.039.913

Maiores colégios eleitorais

Palmas                        185.509

Araguaína                    110.221

Gurupi                        57.268

Porto Nacional                40.342

Paraíso do Tocantins            32.605

Colinas do Tocantins            23.098

Araguatins                    20.894

Guaraí                        16.578

Tocantinópolis                14.506

Miracema do Tocantins            14.374

Formoso do Araguaia            13.425

Dianópolis                    12.635

Taguatinga                    10.441

Totais    13 municípios        551.896 (53,1%)

Menores colégios eleitorais

São Félix do Tocantins            1.384

Crixás do Tocantins            1.405

Ipueiras                        1.505

Sucupira                        1.525

Oliveira de Fátima                1.601

Lavandeira                    1.629

Centenário                    1.649

Brasilândia do Tocantins        1.680

Eleitorado nas últimas eleições

2018            1.039.913

2016            1.037.063

2014            996.887

2012            990.811

2010            948.920

2008            926.716

2006            881.786

Cães imitam a personalidade dos donos, diz pesquisa

0
THINKSTOCK Image caption Estudo mostra que os cachorros conseguem reconhecer emoções humanas

Uma pesquisa de cientistas austríacos afirma confirmar algo que muita gente já diz há algum tempo: os cães desenvolvem uma personalidade parecida com a de seus donos.

Alguns animais expressam a ansiedade e a negatividade dos humanos, enquanto cães tranquilos e amigáveis conseguem ajudá-los a lidar melhor com o estresse.

Os pesquisadores fizeram testes com mais de cem cachorros e seus donos.

Nas análises, mediram os batimentos cardíacos e a resposta a ameaças. Amostras de saliva também foram colhidas para avaliar os níveis de cortisol, considerado o hormônio do estresse – a substância controla nosso biorritmo, reduz inflamações e estimula a imunidade.

Os donos foram então avaliados de acordo com cinco características de personalidade: neuróticos, extrovertidos, abertos às experiências, afáveis e conscientes.

A personalidade dos cachorros também foi avaliada por meio de um questionário aplicado a seus proprietários.

Cães imitam a personalidade dos donos, diz pesquisa
THINKSTOCK Image caption Cães e humanos influenciam um ao outro em como lidar com o estresse, diz cientista

Emoções imitadas

Os cães têm vivido com o homem há mais de 30 mil anos.

Segundo a cientista Iris Schoberl, da Universidade de Viena, no estudo tanto donos como cachorros influenciaram seus respectivos mecanismos de imitação. Mas o ser humano se mostrou mais influente do que o cão.

“Nossos resultados comprovam aquilo que vemos na prática: os cães e seus donos são pares sociais e influenciam um ao outro na maneira como lidam com o estresse”, disse a cientista à BBC.

Schoberl destacou que os cachorros são sensíveis aos estados emocionais dos seus donos – e podem imitar suas emoções.

De acordo com a nova pesquisa, eles conseguem captar a informação emocional das pessoas e ajustar seu comportamento de acordo com ela.

O estudo foi publicado na revista científica online PLOS ONE.

Quadrilha distribuiu mais de 350 mil diplomas escolares falsos

0
Divulgação

A Delegacia de Defraudações da Polícia Civil do Rio fez hoje (24) uma megaoperação de combate à emissão de diplomas escolares falsos, entregues a pessoas que não concluíram os estudos. Os supostos formandos tiveram até os nomes publicados em Diário Oficial. A Polícia Civil calcula que nos últimos cinco anos, o grupo investigado movimentou cerca de R$ 700 milhões, com a emissão de 350 mil diplomas. Foram aproximadamente R$ 140 milhões e 70 mil certificados por ano letivo.

Mais de 110 policiais civis cumpriram mandados de busca e apreensão em escolas e residências de donos, diretores e funcionários de colégios no centro e nas zonas sul, norte e oeste da capital, além das cidades de Duque de Caxias, Belford Roxo e Nilópolis, na Baixada Fluminense.

Entre os alvos da primeira fase da Operação Nota Zero estão um oficial da Polícia Militar reformado, que consta como sócio e diretor de um dos colégios investigados e já tem oito anotações criminais, inclusive por associação criminosa e falsidade ideológica, e um ex-conselheiro do Conselho Estadual de Educação, que, além de dono de uma das escolas, participava das votações que autorizavam ou não o funcionamento de unidades de ensino no estado do Rio. Este, inclusive, ainda ocupava o cargo de conselheiro quando seu colégio, mesmo em meio a denúncias de fraude na emissão de documentos, teve o credenciamento renovado.

Ao todo, estão sendo investigadas 11 escolas particulares, que participam de um grande esquema de fornecimento de históricos escolares e certificados fraudulentos de conclusão do ensino médio em cursos à distância, principalmente no sistema de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Esses documentos estão sendo usados em tentativas de ingresso em universidades, concursos públicos e empregos em diferentes partes do país.

A denúncia, que desencadeou a operação, partiu da Diretoria de Inspeção Escolar, Certificação e Acervo da Secretaria Estadual de Educação.

Ainda segundo a Polícia Civil, os indícios apontam que algumas dessas unidades escolares sequer funcionam de fato. São escolas de fachada, montadas com o único objetivo de obter vantagem financeira. Muitas não têm professores e nem salas de aula. Uma delas, por exemplo, tem capacidade máxima para atender 100 alunos, mas possui mais de 5 mil matriculados.

De acordo com a titular da Delegacia de Defraudações, Patrícia Aguiar, essas escolas estão proibidas de emitir certificados fora do estado do Rio. “Por determinação da Secretaria Estadual de Educação, o curso a distância precisa ter 20% de aulas presenciais. Ficou comprovado que essas instituições de ensino sequer têm capacidade física para isso”, disse.

Fonte: Agência Brasil

Pleno do TRE nega cassação dos diplomas do prefeito e vice de Oliveira de Fátima

0
Tribunal Pleno da Justiça Eleitoral do Tocantins decidiu, por unanimidade, indeferir o pedido de cassação dos diplomas de Gesiel Orcelino dos Santos e Nereu Fontes da Luz, prefeito e vice-prefeito respectivamente de Oliveira de Fátima - Divulgação

Durante sessão na tarde desta segunda-feira (24/9), o Tribunal Pleno da Justiça Eleitoral do Tocantins decidiu, por unanimidade, indeferir o pedido de cassação dos diplomas de Gesiel Orcelino dos Santos e Nereu Fontes da Luz, prefeito e vice-prefeito respectivamente de Oliveira de Fátima.

Seguindo os  termos do voto do relator, juiz Henrique Pereira dos Santos, a decisão reformou a sentença de 1º grau, que havia deferido a cassação, a declaração de inelegibilidade e a multa aplicada.

Ainda durante a sessão de julgamento, o Pleno do Tribunal deferiu o registro de Maria Regina dos Santos, candidata ao cargo de deputada estadual nas Eleições 2018, pelo Partido Renovador Trabalhista (PRTB), nos termos do voto do relator, o juiz Henrique Pereira dos Santos.

SGP

O Pleno do Tribunal também aprovou, por unanimidade, nos termos do voto do relator, desembargador Marco Villas Boas, a Resolução nº 430, que regulamenta o Plano Estratégico de Pessoas da Justiça Eleitoral do Tocantins 2018/2020, com a finalidade de melhorar a governança e gestão de pessoas nos órgãos da Administração Pública Federal.

O pleno do Tribunal volta a se reunir nesta terça-feira (25/9), pela manhã e à tarde.

Cartilhas bilíngues que traduz informações eleitorais para línguas indígenas do Tocantins é lançada pelo TRE

0
Divulgação

A Justiça Eleitoral do Tocantins imbuída da missão de promover o pleno exercício e aperfeiçoamento da democracia lançou na tarde desta segunda-feira (24/9), quatro cartilhas bilíngues editadas em português e nas línguas maternas dos povos Panhi, (Apinajé), Iny (Karajá – Javaé – Xambioá), Meri (Krahô), Povo Akwe (Xerente). As publicações integram o projeto de Inclusão Sociopolítica dos Povos Indígenas e, de forma bastante didática, fornecem ao eleitor indígena informações importantes para que todos possam compreender e participar de forma consciente e efetiva do processo eleitoral.

O presidente do Tribunal, desembargador Marco Villas Boas, parabenizou todos os envolvidos no processo, reforçando que os povos indígenas são cidadãos brasileiros com plenos poderes eleitorais. “Com essa publicação a Justiça Eleitoral do Tocantins reafirma o seu compromisso com a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva, com o prevalecimento da igualdade, da liberdade de escolha, da participação efetiva e do respeito mútuo pelo outro”, ressaltou.

O projeto de Inclusão Sociopolítica estabeleceu um ambiente propício para que o Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO) pudesse dialogar com as distintas etnias espalhadas de Norte a Sul do Estado. Mediante realização de visitas in loco de juízes eleitorais e servidores, foi possível compartilhar conhecimento sobre o processo eleitoral, direitos de cidadania e segurança das Eleições nas aldeias indígenas, bem como ouvir e conhecer cada uma das etnias, com sua identidade, formação cultural e realidade próprias.

“A confecção das cartilhas surgiu da necessidade proposta pelas lideranças indígenas de entender como melhor participar do processo eleitoral, através do diálogo intercultural em reconhecimento a pluralidade cultural do Brasil”, explicou o coordenador do projeto, juiz Wellington Magalhães.

Para Cassiano Apinajé, vice-cacique e coordenador da escola indígena na aldeia São José, localizada na 9ª Zona Eleitoral de Tocantinópolis, as publicações são muito importantes, pois são as primeiras cartilhas com essa temática. “Nós indígenas ficamos muito felizes porque é um trabalho de tradução do português para a nossa língua, e isso vai facilitar a compreensão sobre o processo eleitoral”, avaliou.

Cartilhas

As Cartilhas Bilíngues irão auxiliar os eleitores indígenas sobre quais os serviços são oferecidos pela Justiça Eleitoral, direitos e deveres, os passos do processo eleitoral, seu funcionamento e os crimes eleitorais. O material já está sendo distribuído nas aldeias de todo o estado, conforme as línguas nativas utilizadas.

Eleitores indígenas

Segundo dados do IBGE 14.243 indígenas vivem no Tocantins, e deste total, 5.039 são eleitores aptos a votarem nas eleições de outubro.

Lei da Ficha Limpa retira 173 candidatos das eleições de outubro

0
- Reprodução Google Imagens

Dos 29.101 candidatos que pediram registro, a Justiça Eleitoral rejeitou 1.888, o que representa 6,5% do total. Segundo dados disponíveis no portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 173 candidatos foram julgados inaptos por causa da Lei da Ficha Limpa, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disputaria o Palácio do Planalto pelo PT.

A falta de requisitos para registro – como a não comprovação de pleno exercício dos direitos políticos, alistamento eleitoral e filiação partidária – foi o principal motivo para indeferimento de candidaturas – 75,46% do total de pedidos. Treze candidatos foram considerados inaptos a disputar as eleições por abuso de poder e outros cinco por gasto ilícito de recursos.

A Justiça Eleitoral confirmou 27.213 candidaturas, um crescimento de 4% em relação a 2014, quando 26.162 disputaram as eleições gerais – presidente, governador, senador, deputado federal, estadual e distrital. Até agora, 682 candidatos renunciaram e três morreram.

Embora a corrida presidencial seja a mais discutida no país, a eleição para a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) é a mais disputada: são 40,88 candidatos por vaga. A Câmara Legislativa tem 24 cadeiras e se apresentaram 981 concorrentes.

As 26 assembleias legislativas têm 1.035 cadeiras e 17.950 candidatos, o que dá em média 17,34 concorrentes por vaga. Para as 513 vagas na Câmara dos Deputados, são 8.595 postulantes (16,75 por vaga).

Do total de candidatos, 13 disputam a Presidência da República, 202 concorrem a governador dos 26 estados e do Distrito Federal e 358 postulam o Senado. Neste ano, estão em disputa duas cadeiras de senador por estado, totalizando 54 vagas.

O PSL foi o partido que lançou o maior número de candidatos país afora – 1.543, 5,3% do total. Além do presidenciável Jair Bolsonaro, 942 concorrem a deputado estadual, 488 a deputado federal, 24 a deputado distrital, 22 a senador, 14 a governador, 11 a vice-governador e 41 a suplente de senador.

Na sequência vêm o PSOL, com 1.347 concorrentes e o PT, com 1.309 candidatos. Além do presidenciável Guilherme Boulos, o PSOL lançou candidatos a governador em 25 estados. O PT tem candidato a presidente, Fernando Haddad, e disputa 16 governos estaduais.

Fonte: Agência Brasil

Coluna Gazeta Esportes: Marta é eleita a melhor jogadora de futebol do mundo pela sexta vez

0
Marta ganha o prêmio de melhor jogadora - John Sibley/Reuters/Direitos reservados

A brasileira Marta foi eleita a melhor jogadora de futebol do mundo pela sexta vez. O prêmio foi entregue hoje (24) na cerimônia The Best, promovida pela Federação Internacional de Futebol (Fifa).

A atacante já havia sido premiada com a mesma honraria em 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010. Com isso, passou a deter, isoladamente, o maior número de títulos de melhor atleta de futebol do mundo, entre homens e mulheres. Ela passou Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, ambos com cinco troféus.

Na votação deste ano, Marta superou a norueguesa Ada Hegerberg e a alemã Dzenifer Marosán. Marta foi ao palco emocionada para receber o prêmio. “É um momento fantástico. E as pessoas falam para mim: você já esteve nessa posição tantas vezes e todas as vezes você se emociona. Realmente. Eu faço isso porque isso representa muito para mim. É um momento mágico. Obrigada”.

Marta agradeceu às companheiras do Orlando Pride (EUA), clube que defende desde o ano passado, e da seleção brasileira. Agradeceu também a Deus e a todos que a escolheram como a melhor do esporte entre as mulheres. Marta tem 32 anos e é o principal nome da seleção brasileira desde 2003, quando conquistou a medalha de ouro nos jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, além da Copa América.

Fonte: Agência Brasil

Coluna Gazeta Finanças: Abertas inscrições para o V Startup Weekend, evento internacional de empreendedorismo

0
Divulgação

V Startup Weekend ocorrerá de 23 a 25 de novembro em Palmas.  As inscrições encontram-se abertas e podem ser realizadas de forma online, pelo site. “Agritech” é o tema da V edição do evento que busca trazer visibilidade para a importância do meio Agro na economia do Tocantins, e a UFT é uma das apoiadoras dessa edição.

A Incubadora de Empresas da UFT apoiará o encontro auxiliando na aceleração da pré-seleção dos projetos/ideias que se destacarem. O evento internacional de empreendedorismo trata-se do maior conjunto de eventos de startups do mundo, com edições realizadas em mais de 150 países de todos os continentes.

O evento terá 54 horas de duração, nas quais ideias de empreendedorismo, inovação e designer são fomentadas a partir dos profissionais da área que se unem para compartilhar conhecimento, experiências, formar equipes e criar startups com os participantes que buscam dividir ideias empreendedoras que podem ser inseridas no mercado. O evento é de caráter multidisciplinar e não possui fins lucrativos. Seu público-alvo é composto por jovens e adultos, estudantes ou profissionais com experiência do mercado de trabalho, designers, desenvolvedores e empreendedores.

Incubadora de Empresas

A Incubadora de Empresas da UFT é um programa de extensão que apoia a criação e o desenvolvimento de empresas de base tecnológica por meio do provimento da infraestrutura básica compartilhada, de mecanismos de apoio à inovação e cooperação tecnológica.  Sua missão é viabilizar a criação e o desenvolvimento de novos negócios e promover a difusão da cultura empreendedora.

Mais lidas

Instagram