Pref Palmas 16/10/20

Tudo que você precisa saber para ser um doador de medula óssea

Por Gazeta do Cerrado | 18/09/2020

Última atualização em 18/09/2020 19:07

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Doação de medula  salvar vidas

Solidariedade este é o sentimento que move uma pessoa até o Hemocentro durante uma pandemia, com o objetivo de ajudar o próximo. E são por essas pessoas que o “Dia Mundial do Doador de Medula Óssea” é celebrado anualmente. A data sempre é lembrada no terceiro sábado de setembro, neste ano dia 19. No Tocantins o cadastro no Banco de Registro de Doadores de Medula Óssea (REDOME) existe desde em junho de 2007.

Com o tema “Este ano, nossos heróis usaram um novo disfarce”, o REDOME pretende divulgar as histórias dos doadores brasileiros durante a pandemia de Covid-19 e conscientizar sobre a importância de ser um voluntário.

Doadores no Tocantins

Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), apontam que no Brasil, cerca de 850 pacientes estão em busca de um doador compatível de Medula Óssea não parental. No Tocantins existem 12 pacientes, que constam no Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (REREME), e três pacientes que estão com cadastro ativo, ou seja, aguardando doação.

A servidora pública, Laiany Teodoro é doadora de sangue desde 2003 e tem cadastro no REDOME. Ela conta que autorizou a coleta de sangue para o cadastro. “Quando fui doar sangue, me perguntaram da possibilidade de ser uma doadora de medula óssea e resolvi me cadastrar. Já que tenho uma boa saúde, posso ajudar, isso é um gesto voluntário e grandioso,,” conta.

No Tocantins vários candidatos já foram selecionados em etapas preliminares, mas nas fases subsequentes acusou alguma incompatibilidade com o receptor e o processo não foi finalizado. Desde 2007, quando o Estado começou a realizar o cadastro, 14 doadores do Estado, já realizaram a doação da medula óssea.

A assistente social Roberia Fernandes, responsável pelo setor de captação de doadores do Hemocentro Coordenador de Palmas, explica que o Tocantins embasa-se na Portaria do Ministério da Saúde nº 2.132, de 2013, que diz que o Estado precisa de um quantitativo de 4.847 cadastros por ano, a fim de garantir a meta estabelecida pelo órgão. “Essa meta tem o objetivo de aumentar as chances de quem precisa de um transplante de medula óssea, para isso nós realizamos o cadastro diário por meio da demanda espontânea em nossas unidades”.

Queda na procura devido pandemia

Ela explica ainda que devido a pandemia, a redução na procura para se tornar um voluntário a doador sangue foi em torno de 30%. “Os que ainda procuram com interesse no cadastro são doadores de sangue e pessoas com familiares ou amigos que precisam do transplante.”

Ela avalia que o motivo da queda de doações e cadastros nos Hemocentros são em virtude da diminuição na mobilização e promoção de campanhas em parceria com organizações sem fins lucrativos (ONGs), igrejas, empresas, faculdades, instituição de iniciativa pública e privada, além de outros projetos que levam grupos para realizar o cadastro, já que estas ações pararam para evitar aglomerações devido a pandemia do novo coronavírus.

Como doar?

Há alguns critérios definidos pelo Ministério da Saúde para o processo de doação de medula óssea, como por exemplo, ter entre 18 e 55 anos de idade, estar em bom estado de saúde, preencher uma ficha com informações pessoais, e coletar uma amostra de sangue com cinco ml para testes de compatibilidade. Sendo que a ficha com as informações pessoais são inseridas em um banco de dados, o qual ficará ativo, até os 57 anos de idade.

Após o cadastro, o doador deverá manter seu cadastro atualizado, através do endereço: http://redome.inca.gov.br/doador/como-atualizar-os-dados/, pois, no caso de haver um paciente compatível, será preciso encontrá-lo o mais rápido possível.

O que é?

A medula óssea é um tecido líquido-gelatinoso que ocupa as cavidades dos ossos. E é exatamente na medula óssea que são produzidos os componentes do nosso sangue como: leucócitos (glóbulos brancos), as hemácias (glóbulos vermelhos) e as plaquetas.

Quem precisa?

Beneficiam-se com transplante de medula óssea, pessoas em tratamento de doenças relacionadas com a fabricação de células do sangue e com deficiências no sistema imunológico. As principais doenças são leucemias originárias das células da medula óssea, linfomas, doenças originadas do sistema imune em geral, dos gânglios e do baço, e anemias graves (adquiridas ou congênitas), dentre outras.

Foto: divulgação

Fonte: SES

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
majucotrim@gazetadocerrado.com.br

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
marcojacob@gazetadocerrado.com.br

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
portal@gazetadocerrado.com.br

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
comercial@gazetadocerrado.com.br

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
marcojacob@gazetadocerrado.com.br