Violência e prisões marcam retirada de famílias de ocupação na capital; Movimento acusa policiais de truculência

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 15/09/2019

Última atualização em 15/09/2019 17:11

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Equipe Gazeta do Cerrado

Famílias do Movimento de Luta pela Moradia ocupam uma área na 905 Sul em Palmas desde a madrugada deste domingo, 15. Na tarde de hoje a Polícia retirou os ocupantes de lá e teve confusão.

Cinco pessoas chegaram a ser detidas e vídeos mostram a atuação nos Policiais durante a abordagem. O grupo reclama que houve truculência, violência policial e cinco pessoas chegaram a ser levadas para a Delegacia.

Vídeos mostram a abordagem a alguns integrantes que chegaram a ser levados presos.

A ocupação

O movimento justifica que há várias famílias há muitos anos cadastradas à espera de uma moradia e que resolveram ocupar o local. “É uma área do Estado que tem embargo jurídico, ou seja está a anos parada na justiça, e que possui infraestrutura para moradia, o que levou os antigos proprietários reivindicaram a área na justiça…”,alega a assessoria jurídica do movimento em entrevista à Gazeta.

Horas após o início da ocupação, algumas forças de segurança chegaram ao local. Para acontecer a reintegração de posse é necessário uma ordem judicial. As famílias temiam desde cedo a possibilidade de confronto no local.

Há a suspeita ainda de incêndios propositais supostamente por parte de outras pessoas na vegetação do local em razão da ocupação.

Segundo o movimento, que contava com cerca de 300 pessoas no local, iniciou a limpeza do lote e queriam construir casas para própria moradia, já que estão a anos na fila a espera de uma casa para morar.

Confirma nota do movimento sobre o assunto:

NOTA DE REPÚDIO A PRISÃO POLÍTICA EM PALMAS – TO

Na tarde deste domingo, 15 de setembro, a Polícia Militar interviu com truculência e deteve cinco militantes do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM) na ocupação da Quadra 905 sul, em Palmas. Dentre os presos está o diretor da União Nacional dos Estudantes, Guilherme Barbosa, estudante de direito da Universidade Federal do Tocantins. A quadra é fruto de uma disputa judicial, entre o Estado do Tocantins e particulares. A PM agiu com totalmente arbitrariedade, sem uma ação judicial de reintegração de Posse e com violência.

O ato de hoje configura mais uma ação de criminalização dos movimento sociais e dos defensores e defensoras dos direitos humanos! As pessoas foram detidas de forma injusta e arbitrária, mostrando mais uma vez o autoritarismo presente nas estruturas da PM brasileira.

Pela soltura imediata de Guilherme e todos os presos políticos. Não permitiremos que o Estado siga perseguindo aqueles e aquelas que lutam pelo nosso povo!

Diretoria Executiva da União Nacional dos Estudantes

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]