Alimentação e carnaval: dicas para curtir a folia sem passar mal

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 26/02/2019

Última atualização em 26/08/2019 14:32

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

A intoxicação alimentar ocorre com mais frequência durante o Carnaval, acabando com a festa de muita gente. Para impedir com que isso aconteça, a nutricionista do Grupo Pardini, Sheyla Cordeiro, dá dicas para evitar o mal-estar durante a folia.

1. Compra rápida, mas ruim

A especialista aponta que os casos de gastroenterocolite – que provocam diarreia, vômito, febre e dores abdominais – tendem a aumentar nessa época do ano. “As toxinfecções podem se manifestar até 36 horas depois de consumir o alimento contaminado e podem durar até 7 dias, comprometendo todo o Carnaval”, explica a nutricionista. Dentre as causas, estão a profileração de bactérias e vírus como a salmonela em alimentos armazenados e conservados de forma inadequada, o que acontece muito em barraquinhas e vendedores ambulantes. Porém, na hora que a forme aperta, esse fato acaba sendo esquecido pela maioria das pessoas. “Como alternativa, pode-se optar por comprar os lanches em estabelecimentos já fiscalizados pela vigilância sanitária e que tenham um bom padrão de higiene e de armazenamento dos produtos”, acrescenta. Também vale lembrar que o indivíduo que está mexendo na comida não deve lidar com o dinheiro.

2. Industrializados, sim!

O consumo de industrializados é contra indicado em muitas situações, por serem processados e cheios aditivos danosos à saúde. Nesse caso, busque pelos famosos “snacks saudáveis”, que vêm empacotados e não precisam ficar na geladeira. “Quanto a embalados, é possível checar a data de validade e se a embalagem está preservada”, ensina Sheyla. Caso você esteja em um estabelecimento, cheque a exposição dos alimentos, principalmente carnes processadas, como salsicha, presunto, patê e hambúrguer.

3. Diga não a alimentos crus

A não ser que você já conheça restaurantes seguros, é melhor desviar dos rodízios de japonês ou de qualquer comida crua durante o Carnaval. O mesmo vale para lanches com ovos e carne mal passada.

4. Calor e geladeira não combinam

Muitas vezes as barraquinhas de praia não têm recipientes apropriados para evitar a profileração de microrganismos. “Se for consumir algo na praia, considere como opção de lanche o milho verde – sem a margarina ou manteiga -, uma fruta, picolés e água de coco”, aconselha a nutricionista.

5. Beba água

Entre um drink e outro, consuma doses generosas de água e evite passar muito tempo sem comer. “Se fizer o uso de bebidas alcoólicas, a dica é alternar o consumo com muita água, água de coco e sucos naturais, diminuindo assim a desidratação e a ressaca”, afirma a especialista. Vale fugir de frituras e alimentos gordurosos uma vez que a digestão deles é mais lenta, podendo comprometer a disposição para aproveitar a festa.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]