Pref Palmas 16/10/20

Bebê com AME precisa de tratamento de R$ 12 milhões e família mobiliza internet

Por Gazeta do Cerrado | 15/10/2020

Última atualização em 15/10/2020 18:23

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Com menos de um ano de vida, a bebê Catarina enfrenta desafios diários para continuar vivendo. Ela tem Atrofia Muscular Espinhal (AME), doença degenerativa que atinge os neurônios, responsáveis pelos movimentos e pela respiração. Apenas uma dose da vacina usada para tratar a doença custa R$ 12 milhões. Os pais fazem campanha para conseguir arrecadar o dinheiro.

Para aliviar os sintomas, a bebê precisa ser acompanhada por vários profissionais, entre eles um fisioterapeuta. A mãe não consegue atendimento público. Graças a uma profissional que trabalha de forma voluntária, a Catarina está conseguindo fazer parte das sessões necessárias.

“Ela precisa de acompanhamento com fono e fisio e desde abril estou correndo atrás, eles não me dão resposta. A fisioterapia é voluntária e é algo que ela tem que ter no dia a dia”, relatou a mãe Liah Carvalho.

Leia também – Nycolas, o menino de ossos de vidro pede ajuda para cirurgia

A fisioterapia é para desenvolver os movimentos e amenizar a atrofia dos membros. Os exercícios respiratórios aumentam o volume de ar no pulmão, que fica comprometido pela fraqueza dos músculos. Quase toda a estrutura para o tratamento e o quarto adaptado foram fruto de doações.

Além do tratamento em casa, a bebê toma uma medicação de quatro em quatro meses para bloquear os sintomas da doença. A aplicação é feita em UTI. Para facilitar, uma única dose de outro medicamento poderia resolver, mas ele custa R$ 12 milhões.

Um apelo está sendo feito nas redes sociais para juntar o dinheiro. A campanha está mobilizando pessoas de vários estados, mas o valor é muito alto. “Estamos correndo atrás para arrecadar os R$ 12 milhões. E ela tem até dois anos de idade para conseguir o medicamento”.

Há em todo o Tocantins, outras crianças que não conseguem tratamento pelo Sistema Único de Saúde.

O que diz a Secretaria de Saúde do Tocantins

 

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que a paciente Catarina é usuária do Sistema Único de Saúde (SUS), cadastrada na Assistência Farmacêutica Estadual para o uso do medicamento Nusinercena, atendendo os critérios do Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas para Atrofia Muscular Espinhal tipo 1, estabelecidos pelo Ministério da Saúde, com entrega regular.

Fonte: G1 TO

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
majucotrim@gazetadocerrado.com.br

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
marcojacob@gazetadocerrado.com.br

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
portal@gazetadocerrado.com.br

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
comercial@gazetadocerrado.com.br

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
marcojacob@gazetadocerrado.com.br