Como a tecnologia promete revolucionar a vida de pessoas com deficiência

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 17/05/2018

Última atualização em 26/08/2019 12:54

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

No ano passado, Rodrigo pode definir com o pensamento a aceleração e as curvas para a esquerda e a direita, pois os sensores de seu capacete estavam ligados ao motor do veículo por meio de um software e um computador de bordo.

A evolução de novas tecnologias – estamos falando de inteligência artificial, internet das coisas, detecção de objetos, reconhecimento facial e outras  – e a combinação delas apontam para uma revolução na área de tecnologia assistiva.

Um representante da StartOut Brasil, programa de apoio à inserção de startups brasileiras em ecossistemas de inovação, promovido pela Apex, o Sebrae e outros parceiros, levou seus produtos à CUBE Tech Fair.

Marcos OAP e os óculos inteligentes no estande da AWA no StartOut Brasil, programa de apoio à inserção de startups brasileiras no mercado europeu (Foto: Maggi Krause)

Formado em Ciências da computação, Marcos Oliveira Antonio Penha, conhecido como Marcos OAP, 30 anos, iniciou a startup AWA (Annuit Walk Accessibilities) após se envolver em projetos de iniciação científica sobre inteligência artificial e wearables.

Ele elegeu um tipo de deficiência para se aprofundar e durante um ano estudou as queixas e necessidades das pessoas cegas. Juntou-se a dois sócios: Washington Carvalho, CQO (Chief Quality Oficer), é cego e alavancou muitas das inovações por conta de suas opiniões e Eduardo Emeri, o CTO, formado em mecatrônica com especialização em IoT (Internet das coisas).

De 2013 para cá a equipe, sediada no Recife (PE), desenvolveu dois principais produtos, a bengala inteligente e o óculos Eyeround, que possui sensores para detectar obstáculos, ler textos e descrever lugares.

Essa tecnologia wearable ainda é protótipo mas está disponível para compra no site da empresa via crowdfunding, e promete uma experiência de inclusão imersiva e completa.

O objetivo do time, que venceu em 2015 o Global World Youth Award, da ONU, é vender os produtos a um custo mais acessível do que o praticado pelos players tradicionais desse mercado (uma bengala ultrassônica custa um mínimo de R$ 140 reais, a da AWA, que tem sensores, emite vibração e som de forma personalizável, custa R$ 77,70). “Queremos causar um impacto social, mas isso não é abrir mão do lucro, a nossa margem chega a 300%,” conta o empreendedor.

As estratégias da AWA são conseguir investimento para entrar no mercado de forma mais rápida e escalável e fazer parceria com grandes corporações para a produção dos óculos, para seguirem com o foco na inteligência artificial.

A participação na CUBE Tech Fair despertou o interesse de uma importante empresa da área ótica da Alemanha, cujo nome é mantido em segredo por conta das negociações. “Somos críticos e ativistas e acreditamos que dar mais acesso à tecnologia assistiva é promover a inclusão.”

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]