Comuns no verão, saiba como se proteger de potós e escorpiões

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 14/06/2019

Última atualização em 14/06/2019 15:38

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Basta começar o verão para o temido potó aparecer e deixar seu rastro na pele de muita gente. E não é só ele quem ataca neste período, de acordo com Luciana Gomes, veterinária do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Araguaína, durante o verão também são comuns os acidentes por escorpiões.

Os dados do CCZ mostram que no ano passado, 11 acidentes por escorpiões foram registrados em Araguaína. De janeiro a março deste ano, 37 acidentes foram registrados.

Potó
O potó é semelhante a uma formiga, mas é um inseto da família dos besouros. Sua incidência é maior nos meses de calor. É atraído pelo calor que à noite ele procura o corpo humano.

Para evitar o seu surgimento, é recomendável a troca de luzes brancas por amarelas, evitar o uso de colchas de cama de cor branca, a instalação de telas em janelas e o cuidado com resíduos, pois eles se alimentam de matéria orgânica em decomposição.

Caso perceba o potó caminhando sobre a pele, a recomendação é não apertá-lo. “Retire-o com calma e lave a área com água corrente e sabão”, recomenda a veterinária. Caso seja pressionado, o inseto libera uma secreção que provoca queimadura na pele, com intensidade e gravidade variáveis.

Resultado de imagem para queimadura de potós secreçao do inseto causa queimaduas

“Quando afetado pelo inseto, o paciente deve procurar uma unidade básica de saúde (UBS) ou o Hospital de Doenças Tropicais (HDT)”, completou a veterinária. A queimadura deve secar naturalmente e não é recomendável o uso de receitas caseiras, como pasta de dente ou margarina, por exemplo.

Escorpiões
Segundo a veterinária, os incidentes com escorpiões ocorrem em qualquer período do ano e manter a higiene é a forma mais eficaz de evita-los, já que os animais se alimentam principalmente de baratas e cupins.

“Caso a pessoa consiga capturar ou matar o animal, deve leva-lo ao CCZ para ser identificado. Em caso de picada, a recomendação é procurar atendimento médico urgente”, alerta a veterinária.

 

fonte:  Ascom Araguaína

 

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]