Cultura do Vinho: Aprenda os passos básicos de degustação da bebida

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 08/05/2019

Última atualização em 08/05/2019 18:02

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

O processo de degustação envolve, basicamente, três passos: olhar, cheirar, provar/concluir.

Degustação de vinhos: Olhar

Os tons da cor de um vinho nem sempre são fáceis de identificar. Com o tempo, você irá aprendendo a inspecionar as pistas observando a cor, opacidade, intensidade e viscosidade. Dê tempo ao tempo. O conhecimento vem junto com a prática, somente esta fará com que você consiga ver a diferença entre vinhos só de olhar para os mesmos.

Para inspecionar a cor do vinho, coloque a bebida em uma taça de 75 ml. O “pano de fundo” deve uma superfície branca, como uma folha de papel, por exemplo. Com a taça inclinada, verifique a tonalidade e intensidade da borda do líquido.

Para verificar a viscosidade do vinho você deve girar a taça. Os vinhos mais viscosos possuem maior teor alcoólico e/ou açúcar residual.

Olhar Girar 
   

Pode (e vai) haver diferença de intensidade e viscosidade entre vinhos do mesmo tipo de uva. Você pode realizar a comparação realizando o processo de inspeção com vinhos de exemplares semelhantes. Você conseguirá perceber, com alguma facilidade, qual dos dois é mais intenso.

Ao girar a taça ficarão “lagrimas” de vinho dentro da mesma escorrendo para o fundo. Caso essa “lágrimas” escorram de maneira lenta é um indicativo de maior teor alcoólico.

Cores dos vinhos

Tanto os vinhos brancos como os tintos possuem diversos nuances de cores. Mas, para fins didáticos, apresentaremos três tons de cores para cada um.

Cores dos vinhos brancos

  • Amarelo Pálido: São vinhos quase transparentes.
  • Amarelo Esverdeado: Um pouco mais escuro que o pálido, com um toque esverdeado.
  • Dourado: Vinhos envelhecidos em carvalho, normalmente, dão um dourado intenso à cor do vinho branco.

Cores dos vinhos tintos

  • Vermelho claro: Possui pouca pigmentação avermelhada, como o Pinot Noir, por exemplo.
  • Rubi: Normalmente possuem um maior teor de acidez como o Merlot, por exemplo.
  • Púrpura escuro: Contem muitos pigmentos, apresentam um tom opaco como o Malbec, por exemplo.

Veja abaixo uma imagem com os tons de cores:

Vinho Cores

Degustação de vinhos: Cheirar

Degustação de vinhos

Assim como com os tons das cores dos vinhos, você levará algum tempo para conseguir diferenciar os cheiros. A prática melhorará os resultados.

Para cheirar um vinho segure a taça inclinada e próxima ao nariz e inspire de uma vez. Gire a taça e inspire novamente, nessa segunda vez, por mais tempo e de maneira mais lenta. Faça mais vezes se necessário. Girar a taça ajuda a liberar os aromas do vinho.

Realize o procedimento em locais diferentes da borda da taça. Aromas florais normalmente são localizados na área superior, enquanto aromas frutados na borda inferior.

Recomenda-se não usar perfume fortes durante a degustação. Como dica, após algumas degustações, recomendamos cheirar o antebraço para “limpar” o olfato.

Aromas dos vinhos

Os aromas dos vinhos são divididos em três grupos: primários, secundários e terciários.

  • Primários: Vem principalmente das uvas, sendo que cada uva “imprime” determinados aromas possíveis. Os principais aromas são: frutas negras, frutas secas, frutas tropicais, frutas vermelhas, frutas cítricas, florais e minerais.
  • Secundários: Esses são oriundos do processo e das reações ocorridas durante a elaboração do vinho.
  • Terciários: São oriundos do envelhecimento, como o aroma do amadurecimento em carvalho, por exemplo.

Degustação de vinhos: Provar

A principal fase não é mesmo? Tome um gole generoso, fazendo com que o vinho percorra toda a sua boca. Após, dê vários pequenos goles. Procure identificar, pelo menos, três sabores.

Você que já conheceu as características dos vinhos, saiba que a doçura é mais percebida na frente da boca, a acidez faz a boca salivar, os taninos dão a sensação de boca seca e o álcool é mais sentido no fundo da garganta.

Cada pessoa possui uma quantidade diferente de papilas gustativas na língua sendo, portanto, menos ou mais sensíveis a determinados sabores. Pessoas com pouca sensibilidade terão um pouco de dificuldade de identificar alguns sabores, pois sequer perceberão muitos deles. Essas pessoas normalmente não se incomodam com amargor, pois quase não o sente. Já os muito sensíveis sentem intensamente todos os sabores como salgado, doce, azedo etc.

Cheirar o vinho diversas vezes antes de provar ajuda a identificar sabores.

*Degustadores profissionais costumam cuspir o vinho.

Seguidos os passos acima, você estará pronto para chegar as suas conclusões sobre o vinho degustado.

Com a prática, você saberá identificar as características dos vinhos que mais agradam seu paladar. Isso facilitará a escolha de novos vinhos.

fonte: Vinhocracia

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
majucotrim[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]