Fim do auxílio emergencial: Como isso impactará a economia em 2021? Especialista analisa

Por Gazeta do Cerrado | 21/12/2020

Última atualização em 21/12/2020 11:30

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Empresário e economista Igor Lucena – Foto: Divulgação

O auxílio emergência disponibilizado pelo Governo Federal está chegando ao fim. O benefício ajudou muitas famílias e pequenas empresas neste momento de crise causado pela pandemia do novo coronavírus.

Para Igor Lucena, economista e empresário, Doutorando em Relações Internacionais na Universidade de Lisboa, membro da Chatham House – The Royal Institute of International Affairs e da Associação Portuguesa de Ciência Política, em meio a este cenário, criou-se um problema, pois se não continuarmos com os auxílios a economia deve afundar em 2021, porém se continuarmos o déficit público dispara.

“Está claro que a economia ainda não deslanchou, pois o nível de desemprego continua a subir. Isso significa que mais estímulos financeiros serão necessários no ano de 2021. Vale ressaltar que na Europa e nos Estados Unidos, já há um consenso entre as autoridades monetárias e os governos federais que a economia não se recuperará no início o ano por si só, entretanto devido ao fato do dólar e do Euro serem reservas internacionais de valor, é mais fácil tomar esse tipo de decisão. Aqui no Brasil estamos em uma encruzilhada pois se não mantivermos o Auxílio Emergencial e o Programa de Emprego, poderemos ver a economia naufragar, pois vamos tirar as pernas de sustentação da retomada, por outro lado tudo isso é muito caro e a dívida bruta pública já está pressionada pelo “orçamento de guerra de 2020”. A questão que se impõe é como manter esses programas sem passar a impressão de descontrole fiscal?”, explica o economista Igor Lucena.

 

“Na minha opinião vamos ter dois parâmetros de análise. O primeiro é que com a continuidade das medidas fiscais e monetárias no exterior, isso de alguma maneira facilita que nós possamos ousar mais na mesma direção, porém o perigo a inflação e do descontrole fiscal aumentam. Com o aumento dos casos de COVID 19, acho que a prorrogação aos auxílios é inevitável, mas só conseguiremos manter a credibilidade fiscal se ao mesmo tempo já avançarmos nas reformas estruturais, demonstrando ao mercado que no longo prazo nossa razão dívida/pib deve cair e o crescimento com superávits deve voltar. Essa situação impõe ao mesmo tempo uma oportunidade para reformarmos o Estado, porém o tempo agora é curtíssimo”, declara o economista Igor Lucena.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]