No Banner to display

Megaoperação contra tráfico de drogas prende seis em Palmas; Menor é ouvido e liberado

Por Maju Cotrim | 29/07/2020

Última atualização em 29/07/2020 10:09

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Foi deflagrada pela 1ª Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos (1ª DENARC – Palmas) na manhã desta quarta-feira, 29,  a Operação Cálice de Hígia da Polícia Civil do Tocantins em Palmas conta o tráfico de drogas.

Cerca de 20 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Poder Judiciário em locais monitorados como pontos de tráfico de drogas na região sul da Capital foram cumpridos.

Ao todo seis pessoas foram presas e estão sendo ouvidas. Um menor também foi apreendido, mas já foi liberado. Foram apreendidas duas armas, munições, cerca de um quilo de drogas, insumos para o tráfico e dinheiro falso.

Conforme o delegado que coordena a operação, Enio Walcácer, a operação visa a busca de provas e elementos para investigações do funcionamento do tráfico de drogas na região sul de Palmas de modo a permitir que os elementos coletados subsidiem a análise do fluxograma do tráfico na Capital e, consequentemente, ações de repressão nos locais de vendas de drogas em pontos conhecidos de Palmas.

A Operação Cálice de Hígia busca ainda coibir a criminalidade de massa no âmbito do tráfico de drogas, impedindo, dessa forma, o crescimento e o fortalecimento de pequenos traficantes antes que eles atinjam o patamar de organizações criminosas ou a elas se associem. O Delegado Enio Walcácer explica que Criminalidade de Massa é o fenômeno criminal vinculado a grupos ainda não organizados em sua totalidade, no âmbito do tráfico de drogas e refere-se ao micro tráfico realizado por narcotraficantes que ainda não formaram uma cadeia organizada do crime.

 

PESSE

Segundo Enio Walcácer, a ação integra as diretrizes do Plano Estadual de Segurança Pública (PESSE) do Governo do Tocantins, que busca tanto a redução dos índices de criminalidade de crimes vinculados ao tráfico de drogas, quanto ações de integração entre os órgãos da segurança pública no combate à violência e a criminalidade no Tocantins. O Delegado ressalta que a ação também está em consonância com os objetivos da Secretaria da Segurança Pública e da Delegacia-Geral da Polícia Civil do Tocantins para reduzir os índices de criminalidade na região sul da Capital e, consequentemente, dar uma resposta à sociedade.

 

O Delegado explica que o tráfico de drogas é um crime do qual decorrem outros. “O enfraquecimento dos pontos conhecidos de tráfico na região permite a redução dos crimes patrimoniais praticados por dependentes químicos e a redução de crimes contra a vida ocasionados pelas disputas territoriais do tráfico de drogas,” ressalta Enio Walcácer.

 

Ação Integrada

 

A Operação Cálice de Hígia, coordenada pela 1ª DENARC, conta com o suporte operacional de várias divisões da Polícia Civil, bem como de delegacias circunscricionais e da Polícia Militar. Participaram da operação o Grupo Operacional Tático Especial (GOTE), a Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DEIC de Palmas), Divisão de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária (DRCOT), Divisão de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), Delegacia Interestadual e Capturas e Desaparecidos (Polinter Palmas), 4ª e 5ª Delegacia de Polícia, Delegacia Especializada de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA Palmas), agentes das diretorias de Polícia da Capital (DPC) e Diretoria de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO) e a equipe da Diretoria do Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPAER). Da Polícia Militar, apoiaram a operação o 6º Batalhão da Polícia Militar de Palmas e a Força Tática, bem como o Grupo de Operações com Cães da PM.

O nome da operação

 

O nome da operação faz referência à Deusa grega Hígia ou Higea. Ela representava na Grécia Antiga a prevenção da doença e a preservação da boa saúde. A serpente pode simbolizar o paciente que escolhe partilhar ou não da medicina para se ajudar, decidindo sobre o próprio bem-estar e fazendo as escolhas corretas. O réptil retratado partilhando do cálice também se relaciona às crenças antigas de que serpentes são um símbolo de cura e sabedoria.

Na época, acreditava-se que os mortos foram ao fundo da terra para habitar no Hades, uma terra onírica, nem boa nem má. As serpentes tinham contato com os mortos e possivelmente carregavam até as almas dos ancestrais, que retornavam para ajudar os vivos. Então a ideia era a de que esses animais são dotados de muita sabedoria, visto que carregavam as almas de sabedoria ancestral.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]