“Não compraremos a vacina da China”, diz presidente Jair Bolsonaro

Por Gazeta do Cerrado | 21/10/2020

Última atualização em 21/10/2020 11:39

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Jair Bolsonaro, presidente da República – Foto: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em sua página no Facebook na terça-feira (20), que o Brasil não irá comprar “a vacina da China”.

A afirmação foi feita em resposta a uma seguidora na rede social que pediu a exoneração do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. “Bom dia presidente. Exonera Pazuelo urgente, ele está sendo cabo eleitoral do Doria. Ministro traíra”, escreveu a seguidora.

Contradição Federal

No mesmo dia, mais cedo, o Ministério da Saúde havia anunciado a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac. A empresa tem um acordo com o governo de São Paulo para fornecimento da vacina pronta e, também, para a transferência da tecnologia de produção para o Instituto Butantan (veja detalhes mais abaixo).

“Tudo será esclarecido ainda hoje. Não compraremos a vacina da China”, disse o presidente.

Segundo o blog da Andréia Sadi, Bolsonaro se irritou com o anúncio do acordo por Pazuello e desautorizou o ministro. Fontes do governo avaliam que o chefe da Saúde não teve “malícia política” e deixou Doria “capitalizar” o anúncio.

O acordo do Butantan com a Sinovac prevê o fornecimento das mesmas 46 milhões de doses compradas pelo governo federal. Dessas, segundo o instituto, 6 milhões virão prontas da China e 40 milhões serão finalizadas no Brasil. Não está claro a quais doses Bolsonaro se refere ao dizer que não comprará vacina da China.

Em São Paulo

Ao apresentador da GloboNews José Roberto Burnier, o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse acreditar que Bolsonaro se refere às 6 milhões de vacinas que virão prontas da China, e não às 40 milhões que serão finalizadas no Brasil.

Na manhã desta quarta-feira (21), o presidente mandou mensagem a ministros dizendo que não compraria “vacina da China”.

Polêmicas pelo Facebook

Segundo uma postagem feita também na manhã desta quarta, no Facebook (veja abaixo), pelo deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), apoiador de Bolsonaro, o presidente disse a uma outra apoiadora que o governo não compraria “a vacina chinesa” – como é conhecida a Coronavac. Essa segunda postagem não está disponível no Facebook do presidente.

Segundo uma postagem feita na manhã desta quarta-feira (21), o presidente disse a uma apoiadora que o governo não compraria "a vacina chinesa". Essa segunda postagem não está disponível no Facebook do presidente. — Foto: Reprodução/Twitter deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ)

Segundo uma postagem feita na manhã desta quarta-feira (21), o presidente disse a uma apoiadora que o governo não compraria “a vacina chinesa”. Essa segunda postagem não está disponível no Facebook do presidente. — Foto: Reprodução/Twitter deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ)

Contrato com SP

O governo de São Paulo já havia fechado um contrato com a empresa para as mesmas 46 milhões de doses, que previa que a farmacêutica enviasse 6 milhões de doses da vacina já prontas até dezembro, enquanto as outras 40 milhões teriam o processamento finalizado (o envasamento) no Butantan.

De acordo com Dimas Covas, diretor do Butantan, até o final do ano o instituto teria as 46 milhões de doses prontas.

O acordo incluía, além da compra das doses, uma transferência de tecnologia para que o instituto pudesse fabricá-las em território brasileiro a partir de 2021.

O governo paulista também anunciou a previsão de adquirir mais 15 milhões de doses até fevereiro de 2021, chegando ao total de 61 milhões com verba própria. A expectativa era que, com o dinheiro do governo federal, mais 40 milhões fossem adquiridas, chegando a 100 milhões até maio de 2021.

Fonte: G1

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
majucotrim@gazetadocerrado.com.br

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
marcojacob@gazetadocerrado.com.br

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
portal@gazetadocerrado.com.br

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
comercial@gazetadocerrado.com.br

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
marcojacob@gazetadocerrado.com.br