OAB pede ao CNJ remoção compulsória de juíza de Araguaína

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 16/08/2019

Última atualização em 26/08/2019 11:25

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Tocantins protocolou na corregedoria do Conselho Nacional de Justiça reclamação disciplinar contra a juíza Adalgiza Viana de Santana, titular da 1ª Vara Cível da comarca de Araguaína. Na representação, a OAB/TO pede a remoção compulsória da magistrada da comarca a qual é titular ou que seja aplicada outra punição disciplinar contra a juíza correspondente à gravidade das infrações.

O pedido da OAB/TO se sustenta pelas inúmeras reclamações feitas por advogados e advogadas à Procuradoria de Prerrogativas da Ordem ao longo dos últimos anos. Segundo a manifestação protocolada no CNJ pela OAB/TO, a juíza Adalgiza Viana de Santana teria, por diversas vezes, se negado a cumprir o dever legal de atender advogados e advogadas, se recusar a expedir alvará judicial em nome de advogado devidamente representado por procuração, dentre outras infrações.

Essas reclamações já foram objeto de processo na corregedoria do Tribunal de Justiça do Estado em 2018, que em acordo ficou estabelecido que seriam necessários o aperfeiçoamento e a ampliação da logística de atendimento a advogados e advogadas por parte da magistrada, independentemente do horário, salvando a impossibilidade de o fazê-lo. Porém, após o acordo, as mesmas reclamações contra a magistrada continuaram a ser feitas à Procuradoria de Prerrogativas da Ordem, evidenciando claro desrespeito ao que foi determinado em acordo no TJ/TO.

“Esta gestão da OAB/TO tem uma postura clara de defesa intransigente da advocacia. Não admitiremos nenhum tipo de atitude que viole os direitos da classe previstos na lei, Estatuto da Advocacia, agindo sempre pela preservação do Estado Democrático de Direito”, argumentou o presidente da OAB/TO, Gedeon Pitaluga, um dos representantes da ação, assim como o procurador-geral da Procuradoria de Prorrogativas, Paulo Roberto de Oliveira e Silva, a coordenador da Procuradoria de Prerrogativas, Elaine Noleto Barbosa, e a membro da Procuradoria de Prerrogativa Alessandra de Fátima Soares Cezar.

O Conselho Federal da Ordem se habilitará na Representação Disciplinar formulada pela OAB/TO e auxiliar juridicamente a questão em razão da gravidade do caso.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]