Operação na AL: 11 servidores mantém vínculos com outros locais e um mora no Canadá, diz Polícia; Deputados não são investigados

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 31/01/2019

Última atualização em 31/01/2019 11:36

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

A Polícia Civil está cumprindo mandados de intimação, busca e apreensão na manhã desta quinta-feira. Está é a segunda fase da Operação Espectro II, que investiga supostos funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa do Tocantins.

De acordo com a polícia, o esquema pode ter causada mais de R$ 1,5 milhão em danos e há evidências que pelos menos 11 servidores recebiam sem trabalhar. Os funcionários estariam ligados ao gabinetes dos deputados Toinho Andrade (PHS) e Amélio Cayres (SD) e um dos investigados era servidor fantasma ligado a presidência da casa, no período em que Osires Damaso (SC) era presidente.

Entre os servidores estão casos apurados na fase anterior da operação. Um deles é um homem que morava no Canadá e recebia normalmente como assessor parlamentar.

“Esse servidor estava vinculado diretamente ao gabinete do deputado Amélio Cayres. E não foi um ou dois, foram mais de seis anos nesse modus operandi de estar no exterior recebendo pela Assembleia sem qualquer tipo de licença e vinculado a gabinete de deputado”, explicou o delegado Guilherme Rocha.

Segundo o delegado, os 11 servidores não tinha condições de serem assessores parlamentares, pois tinham vínculos em outros locais, como na Câmara de Vereadores de Porto Nacional e empresas privadas.

Ainda conforme o delegado Guilherme Rocha, os deputados não são investigados neste momento. “Conforme a coleta de provas e o aprofundamento das investigações, verificaremos se terceiros se beneficiaram com esse esquema. Certamente há possibilidade, conforme a coleta de provas, chegar a pessoas próximas ou até aos deputados.”

Os mandados são cumpridos por agentes da Delegacia de Repressão a Crimes de Maior Potencial contra a Administração Pública (Dracma) em Palmas, Cristalândia e Porto Nacional , onde se concentra a maioria dos suspeitos.

A Assembleia informou que não vai se pronunciar até o fim das investigações.

*com informações do G1

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]