Órgão cobra instalação de abrigo público para cães e gatos em Palmas

Por Gazeta do Cerrado | 27/01/2021

Última atualização em 27/01/2021 07:05

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Cão e gato – Foto: Divulgação

A situação dos animais abandonados em Palmas voltou a ser discutida pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO). Desta vez, a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente cobrou do Município o cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado há 10 anos, que previa a instalação de um abrigo da prefeitura para acolher, especialmente, cães e gatos.

Nesta segunda-feira, 25, representantes da Fundação Municipal do Meio Ambiente estiveram reunidos com o promotor de Justiça Konrad Wimmer  para tratar sobre o problema. Questionados sobre a ausência do abrigo, os servidores informaram que cabe ao órgão apenas a lavratura de auto de infração decorrente de maus-tratos de animais e que não há competência para o recolhimento e o abrigamento.

Por não dispor de um local mantido pelo poder público, os animais recolhidos pela Guarda Metropolitana Ambiental são encaminhados para Organizações Não Governamentais (ONGs) que atuam na proteção de animais.

O promotor de Justiça afirmou que a intenção do Ministério Público é auxiliar na solução do problema, cobrar a responsabilidade do Município de forma amigável, sem que seja necessária a execução da multa prevista no TAC ou o ajuizamento de ação. “É uma questão de saúde pública e de segurança. Estamos no começo das tratativas para resolver essa situação, tendo em vista que é uma obrigação já prevista no Código de Posturas do Município e no Termo de Ajustamento de Conduta não somente cuidar dos animais, mas também fazer o registro e a castração deles”, explicou.

A ampliação do número de cirurgias para castração, relatada em encontro com ONGs, também será demandada pelo Ministério Público. “Esse problema precisa de uma atenção maior, porque a demora na castração acaba ampliando a demanda, resultando na reprodução descontrolada e um problema gera outro”, acrescentou o Promotor de Justiça.

Foto: Divulgação/MPTO

Falta de Política Municipal

 

No último dia 18, o representante da Promotoria do Meio Ambiente reuniu-se com representantes da Comissão de Defesa dos Direitos dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Tocantins (OAB-TO) e com Organizações Não Governamentais (ONGs) da área de proteção dos animais para tratar sobre a ausência de uma política municipal voltada aos animais domésticos abandonados.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]