No Banner to display

Pesquisa aponta que internautas estão mais preocupados com segurança sanitária do que economia

Por: Luciane Santana | 19/06/2020

Última atualização em 19/06/2020 18:01

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Desde o início do isolamento social, em março, a preocupação com a pandemia provocada pelo novo coronavírus ganhou materialidade na vida dos brasileiros. Além dos sucessivos recordes diários de mortes, dos novos protocolos sanitários, a seguir e da mudança nas rotinas de trabalho e pessoal, muita gente precisou adequar o orçamento.

Nos casos mais extremos, famílias, sobretudo aquelas que tinham nas atividades informais sua principal fonte de renda, passaram a amargar a insuficiência de recursos para suprir necessidades essenciais, como a garantia mínima de três refeições diárias.

Em um País marcado por desigualdades sociais, as medidas definidas para a retomada da economia serão determinantes para diminuir os impactos sobre uma parcela significativa da população que corre risco iminente de voltar à miséria. O assunto virou motivo embate entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e boa parte dos governadores, que divergem sobre a manutenção da quarentena em detrimento da retomada imediata das atividades econômicas não-essenciais.

Apesar das discussões entre as autoridades, neste momento a parcela da população que têm acesso à internet (74% dos brasileiros, segundo a pesquisa TIC Domicílios) está mais preocupada com a Saúde. De acordo com a plataforma Civiclytics-COVID-19, 40% das publicações nas redes sociais estão relacionadas à segurança sanitária, enquanto assuntos relacionados à economia correspondem a apenas 18% das postagens.

Fruto de uma parceria entre o Citibeats e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a ferramenta usa inteligência artificial para monitorar ‘como as pessoas estão reagindo às novas situações, dinâmicas e rotinas cotidianas’ online. As fontes de informação incluem desde postagens no Twitter até opiniões de pesquisas na internet.

“O objetivo é conhecer os dados sobre a pandemia do COVID-19 para ajudar a estimular a criação de soluções inovadoras que podem ser desenvolvidas por cidadãos, governos e setor privado”, diz o site.

As categorias são escolhidas de acordo com o volume e intensidade dos dados publicados online e abrangem assuntos como fake news, segurança alimentar, teletrabalho, educação, meio ambiente e saúde mental.

Os mais temas de maior interesse entre os usuários, além das já mencionadas segurança sanitária e economia, são o impacto cultural da crise (7,4%) e as iniciativas cívicas surgidas durante a pandemia (8,2%).

Em comparação aos outros 25 países analisados pela plataforma, o Brasil aparece entre os três primeiros com maior preocupação em relação à circulação de notícias falsas (2,7% das publicações). “Compartilhando suas opiniões, as pessoas estão dando uma grande contribuição cívica e possibilitando uma visão mais detalhada dos ambientes das cidades, países e regiões, em tempo real”, defende o BID.

Texto publicado originalmente no site JC

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Marketing: Ana Negreiros

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]