No Banner to display

Pessoas trans e travestis ficam desassistidas por falta de ambulatório e acompanhamento adequado

Por Gazeta do Cerrado | 14/01/2021

Última atualização em 14/01/2021 17:54

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Bandeira Trans – Foto – Divulgação

Pessoas transexuais e travestis que moram no Tocantins ainda aguardam pela prestação de serviços de um ambulatório específico. Após atuação da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), em parceria com representantes da população trans, o ambulatório foi formalizado e criado no ano de 2018. Contudo, conforme reclamação apresentada à DPE-TO, não há prestação de serviço especializado e adequado, sem a oferta de procedimentos como a cirurgia que viabiliza a mudança de gênero.

Na tarde de quarta-feira, 13, a ausência do ambulatório foi o foco de uma reunião com representantes da Associação das Travestis e Transexuais do Tocantins (Atrato) de Palmas, Porto Nacional e Paraíso do Tocantins. O encontro foi mediado pelo coordenador do Núcleo Especializado de Defesa da Saúde (Nusa), defensor público Arthur Luiz Pádua Marques, que reforçou a importância de um atendimento especializado para a população trans no Estado. Na ocasião, também foram discutidas a necessidade da efetivação de políticas públicas para a igualdade de gênero, diversidade sexual e combate à homofobia.

Reunião entre Atrato e DPE – Foto – Loise Maria

O Defensor Público lembrou que, após diversos ofícios, recomendações e procedimentos preparatórios de Ação Civil Pública da Defensoria Pública, o Ambulatório T foi criado, contudo, ainda não foi implementado e os serviços não são oferecidos. “Desde 2016 que a Defensoria e Atrato batalham pelo ambulatório e já houve avanço com a criação dele. Porém, na prática, não temos serviços eficientes para atender a essa população. Vamos buscar algumas informações e, se necessário, vamos judicializar essa matéria para que o Judiciário defina parâmetros eficientes em razão dessa omissão do poder público”, argumentou.

A presidente da Atrato, Bianca Marchiori, destacou que a ausência de atendimento especializado para as pessoas transexuais e travestis com processo transexualizador, por meio da terapia hormonal e cirurgia de troca de sexo, é muito prejudicial, pois sem o atendimento adequado muitas acabam recorrendo a procedimentos clandestinos – o que pode acarretar grandes prejuízos à saúde. “O processo transexualizador é a principal demanda da população trans no Tocantins atualmente, por isso, a gente espera que esse ambulatório seja conduzido o mais rápido possível, com hormonioterapia e cirurgia de troca de sexo com acompanhamento médico e psicológico adequado. Estamos confiantes em mais essa parceria de atuação na Defensoria Pública”, relatou a presidente da Atrato.

A Associação conta atualmente com cerca de 150 pessoas de vários municípios tocantinenses.

Nossa equipe entrou em contato com a Secretaria de Saúde de Palmas pra comentar sobre o assunto e aguardamos um posicionamento oficial da pasta.

Por Cinthia Abreu/Ascom DPE-TO

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]