PF mira quadrilha de fraudes bancárias pela internet: 18 mandados são cumpridos no TO

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 26/04/2018

Última atualização em 26/08/2019 10:41

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Brener Nunes – Gazeta do Cerrado

A Operação Backdoor foi deflagrada na manhã desta quinta-feira, 26, no Tocantins, Goiás e Maranhão. Segundo a Polícia Federal (PF), o objetivo é desligar uma quadrilha especializada em fraudes bancárias pela internet. O grupo pode ter causado um rombo de cerca de R$ 10 milhões. O nome da operação é referência ao software utilizado pelos criminosos, que se infiltrava no computador da vítima ilícita para realizar as fraudes.

De acordo com a Polícia, mais de 70 agentes cumprem 24 mandados, 16 de busca e apreensão e oito de prisão preventiva, que foram cumpridas até às 7 horas. Os mandados foram deliberados pela vara criminal de Augustinópolis.

No Tocantins, são cumpridos 18 mandados: nove buscas e e uma prisão em Maurilândia, uma busca e uma prisão em Praia Norte, uma prisão e um mandado de busca em Araguatins e dois de busca e um de prisão em Araguaína.

Em Goiás, cumpri-se um mandado de prisão em Jussara, e dois de busca e dois de prisão em Imperatriz, Maranhão.

Conforme a PF, após realizar perícia em computadores apreendidos com dois suspeitos durante a Operação Cracker, em maio do ano passado, encontrou uma lista de criminosos especialistas em fraudes pela internet. As investigações deram origem a operação Operação Dr. Cross, deflagrada no início desta semana, e a Backdoor.

Plano

A quadrilha se articulava produzindo páginas fakes de lojas virtuais e divulgavam promoções em redes sociais. Clicando no falso anúncio, a vítima era redirecionada para o site da loja virtual clonada.

O comprador enganado, imaginava que estava na página da loja oficial e fazia a compra, realizando o pagamento via boleto.

Conforme a Polícia Federal, os boletos eram de produtos já comprados pela quadrilha em outros sites. Assim, a vítima acabava pagando por compras que o criminoso havia realizado.

Penas

A quadrilha deve responder por furto mediante fraude pela internet contra instituições comerciais e financeiras, invasão de dispositivos de informática e estelionatos cometidos em diversos estados.

 

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]