Polícia apreende produtos de idosa que desabafa: “Como se eu tivesse roubando”

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 12/09/2019

Última atualização em 12/09/2019 21:09

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

Equipe Gazeta do Cerrado

Uma vendedora ambulante de 65 anos, teve os produtos alimentícios apreendidos pela fiscalização da Prefeitura de Palmas, nesta quinta-feira, 12. Raimunda Ramalho que é idosa, trabalha para se manter e informou que possui alvará para funcionamento.

“Eu tenho alvará, mas não estava com documento porque sempre levava e nunca precisou. A licença é para vendedor ambulante, tem que ficar andando, mas eu não consigo”, disse a idosa em uma entrevista.

Em outro momento da entrevista, a idosa disse ainda que parecia que ela estava roubando.

“Foi como se eu tivesse roubando porque chegou aquele tanto de polícia. A gente se sente muito triste deles agirem daquela forma. Fui à prefeitura e disseram que é a lei e tem que cumprir. Não tem cabimento para quem não tá fazendo nada de tão errado”.

Raimunda estava vendendo bolos, salgados e café numa banca próximo ao Hospital Geral de Palmas, quando a fiscalização chegou e apreendeu os produtos e alguns objetos.

A idosa disse que é Microempreendedora Individual e informou que a prefeitura já havia liberado para que ela pudesse fazer as vendas, mas a fiscalização, deu cinco minutos para que a estrutura do local fosse desmontada.

Com as vendas, a idosa além de se manter, utilizava cerca de um salário mínimo também para comprar remédios de pressão, colesterol e diabetes.

Além da apreensão, a idosa contou ainda que a Guarda Metropolitana informou sobre uma multa de R$ 500 até R$ 14 mil que poderá ser fixada e em caso do não pagamento em 48H, os produtos seriam doados e os objetos apreendidos destruídos.

Prefeitura de Palmas responde

A Prefeitura de Palmas disse em nota que a atuação dos fiscais se baseou em determinações do Código de Posturas Municipais (CPM) e em uma denúncia anônima recebida contra os vendedores do local. De acordo com o município, a vendedora ambulante se negou a apresentar os documentos, tanto de alvará quanto os pessoais.

Ainda conforme nota da prefeitura, “conforme disposto no Art. 106 da Lei 371/92 do Código de Posturas Municipal (CPM), o ambulante que vende doces, sorvetes, refrescos, pastéis ou outros gêneros alimentícios de ingestão imediata, deve ficar numa distância mínima de 200 metros de estabelecimentos hospitalares.”

Por fim, o município disse que o CPM também estabelece, nos artigos 353 e 363, que os ambulantes não podem exercer suas atividades sem licença do Município, tampouco se fixar em qualquer lugar, mas somente ambular. “Além disso, prevê ainda que o vendedor ambulante não licenciado para o exercício ou período em que esteja exercendo a atividade ficará sujeito à multa e a apreensão das mercadorias encontradas em seu poder, conforme Art. 358.”.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]