Réu primário, empreiteiro alvo de Operação sobre asfaltos é solto

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 08/11/2019

Última atualização em 08/11/2019 14:19

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

A Justiça revogou a prisão temporária do empreiteiro Welber Guedes de Morais na manhã desta sexta-feira (8). Ele estava preso na Casa de Prisão Provisória de Palmas desde a última segunda-feira (4), quando a Polícia civil realizou a segunda fase da Operação Via Avaritia.


A decisão é do juiz Fabiano Gonçalves Marques. Para ele, o empresário é réu primário e portador de bons antecedentes, além de possuir endereço fixo e ocupação lícita. Deste modo, a investigação “não estará comprometida com sua liberdade”.
O advogado do empresário informou que ele deve deixar a CPP ainda nesta sexta-feira (8).


Entenda


O empreiteiro foi preso durante uma operação da Polícia Civil para combater um suposto esquema de corrupção e desvio de dinheiro público na construção de pavimentação asfáltica. Na última segunda-feira (4) foram cumpridas cinco ordens de buscas e apreensão, além da prisão temporária. Os mandados foram emitidos por duas decisões, uma de Palmas e outra de Alvorada, no sul do estado.


Conforme a investigação, o empresário seria dono de uma usina de asfalto que teria contratos com o governo estadual e vários municípios do Tocantins para construção de asfalto. Uma ordem de busca também foi cumprida no apartamento dele, em um prédio na orla de Palmas, próximo à Praia da Graciosa.

Outros três mandados de busca são contra o ex-superintendente da Secretaria de Infraestrutura, Geraldo Pereira da Silva Filho, e duas pessoas ligadas a ele: um motorista e um suposto laranja. O quinto mandado seria contra um superintendente da Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto).
Essa operação estaria ligada às investigações da operação que levou à prisão temporária de Geraldo Pereira da Silva Filho, e da filha dele, em julho deste ano.


A suspeita desta vez é de que a fraude estaria na composição do asfalto aplicado, que não incluía todos os componentes exigidos no contrato, deixando o produto mais barato e sem a qualidade esperada.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Participe! Faça seu comentário

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]