Sindicato reage e vê militarização das escolas no Tocantins como retrocesso

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 10/09/2019

Última atualização em 10/09/2019 09:24

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet) reagiu horas após o governo do Tocantins anunciar que estuda implantar 33 escolas militares no Estado. A declaração foi do governador Mauro Carlesse em Palmeirópolis na noite desta segunda-feira, 9, quando lançou um colégio militar no município.

Na Nota, o Sintet alega que é um retrocesso e defende o fortalecimento das escolas plurais que tem o acesso de todos. Na semana passada o assunto foi discutido na Assembleia Legislativa do Tocantins.

Veja a íntegra da nota do sindicato:

Diante da iminência da militarização das escolas públicas propagadas por todo o Estado, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), informa que é sistematicamente contra o projeto e defende o fortalecimento da educação pública como um todo, como uma escola plural e democrática. “Não há como defender projetos que excluem, que selecionam. A educação pública e de qualidade tem que ser oferecida para todos, não só para um grupo seleto”, disse o presidente do sindicato, José Roque Santiago.

O Sintet vê a militarização das escolas como retrocesso, um verdadeiro ataque a educação pública e também, como um afronte a democracia, já que o método de ingresso nessas unidades é seletivo, excluindo alunos de baixo poder aquisitivo, já que estes não conseguem pagar pelos caros uniformes exigidos, por exemplo.

Há um discurso, sem embasamento algum, de que a militarização é a solução para o combate de casos de violência na comunidade escolar, porém não há base científica de que a militarização das escolas públicas combate a violência. Assim perguntamos: de onde saiu esses dados, como justificá-los? É preciso reafirmar que o professor é o elemento qualificado para o ensino-aprendizagem. O Sintet defende ainda que há outras formas de se combater a violência no âmbito da escola, como a Ronda Escolar, a Polícia Comunitária, experiências exitosas já praticadas aqui no Estado, e que não comprometem o efetivo da segurança.

A violência em nosso país é estrutural, elementos como miséria, discriminação e desigualdade são fatores que geram ações agressivas, principalmente em áreas de vulnerabilidade social, econômica e cultural, a escola tão somente reflete a realidade onde está inserida. É preciso pensar políticas sociais que diminua essas desigualdades e não que as alimentem, com mais exclusão.

No Tocantins, existem vários projetos de escolas militares efetivados, a exemplo, o Colégio Militar de Palmas, que conta com mais de vinte militares na escola, enquanto é sabido que temos um efetivo nas ruas bem menor que o necessário. Falta policiamento nas ruas, isso é fato, mas ao invés de realizar concurso e cobrar mais efetivo, alguns parlamentares querem comprometer ainda mais a segurança da sociedade retirando mais policiais das ruas.

Faz-se necessário destacar toda a formação pedagógica que qualifica o professor para a regência em sala de aula, em contraponto ao preparo educacional dos militares, que substituem o debate de ideias pela coerção e a adoção do regime disciplinar arbitrário.

Portanto, o Sintet considera que a militarização das escolas tem sido utilizada como ação política imediatista, alimentadas por ações populistas e que precisa ser refletida e debatida com seriedade pelas partes envolvidas, professores, especialistas, pais e estudantes.

Do ponto de vista pedagógico, a militarização das escolas públicas se apoia numa velha concepção educacional, datada dei início do século XX, portanto ultrapassada. Lembramos que o sindicato defende o respeito aos princípios constitucionais da educação, que definem uma escola pública, gratuita, democrática, com igualdade de condições de acesso e permanência, pautada no pluralismo de ideias e concepções pedagógicas.

Ressaltamos ainda, que antes de fazer o debate pela militarização é preciso construir políticas públicas de valorização dos profissionais da educação, com carreiras justas e salários dignos, a exemplo o pagamento das progressões dos professores, algumas retroativas ao ano de 2014, que sejam efetivas as oportunidades de qualificação, fatores estes tão importante para os investimentos na educação pública.

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

3 comentários

3 comentários
  1. VICENTE COELHO DA SILVA Responder
    11/09/2019

    É só comparar a qualidade de ensino entre as escolas publicas e as militares que veremos onde esta o retrocesso.

  2. 11/09/2019

    Esse sindicalista desconhece o que acontece ou o que se passa dentro de um Colégio Militar. Eu o convido a passar uma semana conosco no CPM de Guaraí para conhecer a realidade de nossos alunos.

  3. Adailton Pereira ARRUDA Responder
    10/09/2019

    Sonho de muitos pais é colocar seus filhos no cpm Colégio da polícia militar, aqui em Guaraí tem 1.000 na fila de espera.

Participe! Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim Jacob
[email protected]

CEO, CFO, Diretor Executivo e Marketing: Marco Aurélio Jacob
[email protected]

Expediente

Sub Editor: Brener Nunes

Repórter: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Presidente do Conselho Consultor: Stênio Jacob

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 981-159-796
[email protected]