Beleza e o canto das araras chamam atenção nas ruas da capital

Por Gazeta do Cerrado | 11/09/2020

Última atualização em 11/09/2020 15:22

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

11 de setembro – Dia Nacional do Cerrado

Em meio às altas temperaturas típicas de Palmas neste período do ano, a beleza e o canto das araras chamam a atenção. Em diferentes pontos da cidade é possível observar esta ave tradicional do Cerrado tocantinense dando o ar da graça, o que proporciona momentos de apreciação que trazem mais leveza ao conturbado período de crise sanitária vivenciada em todo o mundo. No Dia Nacional do Cerrado, lembrado nesta sexta-feira, 11, o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) publica a segunda matéria especial sobre este bioma fundamental à biodiversidade, localizado no coração no Brasil.

A arara-azul, arara-canindé ou arara-de-barriga amarela é considerada pássaro símbolo do Estado. Os símbolos naturais do Tocantins foram instituídos por lei nos anos de 1990. Atualmente, esta ave símbolo tocantinense tem corrido o mundo através de registros em fotos e vídeos publicadas por anônimos e famosos nas redes sociais da internet. O conhecido jornalista brasileiro André Trigueiro, por exemplo, compartilhou, em sua página do Twitter, o momento em que uma arara se delicia com água de coco fresquinha na copa de um coqueiro na Capital. O vídeo publicado em agosto passado possui mais de 750 mil visualizações. Na publicação, o jornalista escreveu: “nunca vi uma água de coco ser degustada com tanta classe”.

Na região Sul da Capital, o servidor público Giomari Júnior, notou uma maior quantidade de araras neste ano. “Tenho percebido uma quantidade muito grande de araras pela cidade, aqui em casa, nos coqueiros que têm aqui próximo, vi uns quatro casais, nunca tinha visto, principalmente da arara-azul. Geralmente via um casal, no máximo dois. E o interessante é que, tanto vi aqui em casa, quanto próximo à casa da minha sogra”, relatou. As araras também atraem a curiosidade dos pequenos, como é o caso do seu filho João de um ano de idade: “quando passam voando ele corre para observar”, recordou Giomari.

De voo ágil, vivem em bandos e são consideradas aves muito inteligentes. Com sua plumagem colorida, são dóceis, apesar de que o bico grande e curvado possa até assustar inicialmente. Seus pés têm dois dedos voltados para frente e dois, para trás. Para escalada em árvores, contam com ajuda do bico. A dieta alimentar é baseada em sementes, nozes, frutas e flores. “As araras combatem o efeito venenoso de algumas sementes que ingerem comendo caolim, uma argila fina, o ingrediente básico do leite de magnésia. O caolim liga as toxinas e torna-as relativamente inócuas. Além disso, o caolim serve como um complemento mineral, pois contém cálcio e sódio, inexistente na dieta de frutas e sementes”, analisou o biólogo do Naturatins, Tiago Scapini.

Araras no Tocantins

No Tocantins há a ocorrência de diversas espécies de araras, entretanto, a mais comum é a arara-canindé. Ocorre também a arara-azul-grande, arara-vermelha e a arara-macau, além de várias espécies de ararinhas, papagaios, maitacas e periquitos. O biólogo explica que as araras têm papel fundamental para a preservação do Cerrado, porque são dispersoras de sementes. “A fauna silvestre como um todo presta um enorme serviço ambiental, as araras são responsáveis pela dispersão de sementes e consequentemente pelo reflorestamento natural das áreas naturais. Além disso, participam de toda a teia alimentar onde vivem”, destacou.

Alerta de Extinção

O alerta importante é que algumas espécies da ordem psitaciformes estão entre as mais ameaçadas de extinção. A caça ilegal e destruição do hábitat natural, que ocorre por meio do desmatamento e das queimadas, estão entre as principais ameaças. “Os psitacídeos (araras, papagaios e periquitos) são animais muito visados pelo tráfico de animais silvestres, tanto pela sua beleza e exuberância, quanto pela sua capacidade de reproduzir palavras. O Tocantins, além de estar na rota do tráfico de animais silvestres também é muito visado pelos criminosos para a retirada destes animais durante o período reprodutivo”, finalizou Tiago Scapini.

A captura de aves sem licença ou autorização do órgão ambiental configura crime ambiental. No entanto, se a ave for adquirida de um criador comercial licenciado, é possível criá-la como animal de estimação, sendo obrigatória a nota fiscal de compra, documento de origem e a ave deve ser anilhada.

Após o acasalamento, a fêmea põe de três a cinco ovos que são chocados por cerca de um mês

Fonte/Fotos: Naturatins

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
majucotrim@gazetadocerrado.com.br

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
marcojacob@gazetadocerrado.com.br

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
portal@gazetadocerrado.com.br

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
comercial@gazetadocerrado.com.br

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
marcojacob@gazetadocerrado.com.br