Um dia como qualquer outro? Veja curiosidades sobre a temida sexta-feira, 13

| Gazeta do Cerrado - Para mentes pensantes | - 13/03/2020

Última atualização em 13/03/2020 08:29

Compartilhar no Facebook! Tweetar! Compartilhar no LinkedIn Enviar por email Compartilhar no Whatsapp

A Gazeta separou as principais superstições sobre o dia

Larissa Marra – Jornalista Gazeta do Cerrado

Um dia como outro qualquer ou uma data para se ter cautela?

Para muitas pessoas, a sexta-feira 13 é sinônimo de azar, por isso, nós do Portal Gazeta do Cerrado selecionamos as superstições mais bizarras e curiosas sobre a data. Confira:

Dizer tchau em cima da ponte

Não há uma explicação muito lógica para esta superstição, mas pelo que dizem ao se despedir de uma pessoa em cima de qualquer ponte, você nunca mais a verá.

Gato preto dá azar

Muita gente associa o gato preto a falta de sorte, especialmente numa sexta-feira 13, No entanto, os felinos nada têm a ver com o azar: a “má fama” surgiu na Idade Média, quando o Papa Gregório IX associou os gatos pretos a rituais de “bruxaria”.

Lembrete: nunca maltrate os animais! Sob nenhuma justificativa.

Refeições para 13 pessoas

Dizem que quando uma refeição é servida para 13 pessoas, a primeira que levantar da mesa morrerá. A ideia vem desde a época de Cristo: durante a Última Ceia, este mesmo número de pessoas estava sentado à mesa.

Derrubar sal é sinônimo de má sorte

Antigamente, o sal era uma mercadoria valiosa e de difícil acesso, que servia para preservar alimentos. Para evitar prejuízos, os comerciantes espalharam a ideia de que derrubá-lo traz má sorte.

Abrir o guarda-chuva dentro de casa

Tem quem acredite até hoje que abrir a sombrinha em casa dá azar. Essa superstição surgiu no século XIX, na Era Vitoriana, quando os guarda-chuvas eram pontiagudos e poderiam ferir as pessoas dentro das residências.

Pé direito dá sorte

Essa superstição famosa diz que não é indicado descer da cama ou entrar em locais com o pé esquerdo. De acordo com historiadores, é uma herança romana, e evitaria que algo de ruim acontecesse na casa.

Quebrar espelho: sete anos de azar

Você por acaso já deixou um espelho cair no chão e ficou preocupado? A “maldição dos sete anos de azar” é uma herança romana: na época, acredita-se que adivinhos enchiam um copo com água para ver o futuro, e, se ao olhar para o reflexo, ele quebrasse, era mal presságio na certa.

#SóNaGazeta
#SextaFeira13
#Superstição

Acompanhe as redes da Gazeta do Cerrado 24 horas por dia:
Aproveite e siga agora mesmo cada uma de nossas redes, pois cada uma delas possui características próprias e são complementares. Estamos sempre a disposição.
Para denúncias ou coberturas: (63) 983-631-319
Anunciar na Gazeta ou em suas redes sociais: (63) 981-159-796

0 comentários

Direção

Editora Chefe: Maju Cotrim - @MajuCotrim
[email protected]

Diretor Geral (CEO): Marco Aurélio Jacob - @MarcoJacobBrasil
[email protected]

Marketing: Ana Negreiros

Presidente do Conselho Deliberativo: Stênio Jacob

Expediente

Sub Editor: Lucas Eurílio

Jornalista: Maju Jacob

Estagiária: Luciane Santana

Colaborador: Fagner Santana

Assistente de Produção: Maitê Sales

TI: Tiago Bega

Contabilidade: Júnior Goes

Juridico: Jacqueline Paiva

Contatos

Para sugestões, correções, críticas ou entrar em contato:

Redação: (63) 984-631-319
[email protected]

Para anúncios ou parcerias comerciais

Comercial (63) 984-571-004
[email protected]

Institucional (63) 981-159-796 (Marco Aurélio)
[email protected]